Qualidade de vida em homens usuários de Unidade de Saúde da Família

  • Luiz Gustavo Silva Souza Universidade Federal Fluminense
  • Ana Claudia Ferreira Sanches Universidade Federal do Espírito Santo
  • Alexsandro Luiz de Andrade Universidade Federal do Espírito Santo
Palavras-chave: qualidade de vida, saúde do homem, atenção primária à saúde.

Resumo

Introdução: A crescente importância da Atenção Primária à Saúde (APS) e da promoção da saúde, no Brasil, tem colocado em evidência o tópico da qualidade de vida de usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). 
Objetivo: Correlacionar a qualidade de vida (QV) de homens de classe popular, usuários de Unidade de Saúde da Família (USF), com variáveis sociodemográficas.
Materiais e Métodos: Estudo transversal analítico. Participaram 300 homens, usuários de uma USF do município de Vitória, ES. Eles responderam ao WHOQOL-BREF, aplicado como entrevista individual, e a um questionário sociodemográfico. Os dados foram analisados com teste t, ANOVA, ANCOVA e coeficiente de correlação de Pearson.
Resultados: Os usuários que estavam trabalhando obtiveram escores maiores do que aqueles que não estavam trabalhando nos domínios de QV: global (t=1,98; p=0,04), físico (t=4,88; p<0,001), psicológico (t=2,46; p=0,01) e social (t=2,89; p=0,004). A idade apresentou correlação negativa com os domínios de QV: global (r=-0,11; p<0,05), físico (r=-0,22; p<0,01), psicológico (r=-0,12; p<0,05) e social (r=-0,15; p<0,01). A renda apresentou correlação positiva com todos os domínios de QV: global (r=0,19; p<0,01), físico (r=0,22; p<0,01), psicológico (r=0,14; p<0,05), social (r=0,16; p<0,01) e ambiental (r=0,32; p<0,01). A escolaridade apresentou correlação positiva com os domínios físico (r=0,13; p<0,05), social (r=0,15, p<0,01) e ambiental (r=0,19; p<0,01).
Conclusão: Foi identificada relação de maiores níveis percebidos de QV em homens de classe popular que tinham trabalho, menor idade e maior escolaridade e renda.

Biografia do Autor

Luiz Gustavo Silva Souza, Universidade Federal Fluminense
Doutor e Pós-Doutor em Psicologia pela Universidade Federal do Espírito Santo, Professor Adjunto do Departamento de Psicologia da Universidade Federal Fluminense, polo de Campos dos Goytacazes.
Ana Claudia Ferreira Sanches, Universidade Federal do Espírito Santo
Mestre em Psicologia pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Espírito Santo.
Alexsandro Luiz de Andrade, Universidade Federal do Espírito Santo
Doutor em Psicologia pela Universidade Federal do Espírito Santo, Pós-Doutor pela University of Hawaii, Professor Adjunto do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Espírito Santo.

Referências

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Fertonani HP, Pires DEP, Biff D, Scherer MDA. Modelo assistencial em saúde: conceitos e desafios para a atenção básica brasileira. Ciênc Saúde Coletiva. 2015;20:1869-78. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015206.13272014

Seidl EM, Zannon CMLC. Qualidade de vida e saúde: aspectos conceituais e metodológicos. Cad Saúde Pública. 2004;20:580-88. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2004000200027

Whoqol Group. The World Health Organization Quality of Life Assessment (WHOQOL): position paper from the World Health Organization. Soc Sci Med. 1995;41(10):1403-9. http://dx.doi.org/10.1016/0277-9536(95)00112-K

Fleck MPA, Louzada S, Xavier M, Chachamovich E, Vieira G, Santos L, Pinzon V. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida “WHOQOL-bref. Rev Saúde Pública. 2000;34:178-83. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102000000200012

Blay SL, Marchesoni MSM. Association among physical, psychiatric and socioeconomic conditions and WHOQOL-Bref scores. Cad Saúde Pública. 2011;27:677-86.

Azevedo ALS, Silva RA, Tomasi E, Quevedo LA. Doenças crônicas e qualidade de vida na atenção primária à saúde. Cad Saúde Pública. 2013;29:1774-82. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2013001300017

Guedes KD, Guedes HM. Qualidade de vida do paciente portador de insuficiência renal crônica. Ciênc. Saúde (Porto Alegre). 2012;5(1):48-53.

Lara CR, Santos FAOG, Silva TJ, Camelier FWR. Qualidade de vida de pacientes renais crônicos submetidos à fisioterapia na hemodiálise. Ciênc. Saúde (Porto Alegre). 2013;6(3):163-71.

Alexandre TS, Cordeiro RC, Ramos LR. Factors associated to quality of life in active elderly. Rev Saúde Pública. 2009;43:613-21. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102009005000030

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

Courtenay, WH. Engendering health: A social constructionist examination of men’s health beliefs and behaviors. Psychol Men Masc. 2000;1:4-15. http://dx.doi.org/10.1037/1524-9220.1.1.4

Schraiber LB, Figueiredo WS, Gomes R, Couto MT, Pinheiro TF, Machin R, Silva GSN, Valença O. Necessidades de saúde e masculinidades: atenção primária no cuidado aos homens. Cad Saúde Pública. 2010;26:961-70. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2010000500018

Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. Critério de classificação econômica Brasil [Internet]. [acesso em 2015 jul. 21]. Disponível em: http://www.abep.org/criterio-brasil

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Fundação João Pinheiro. Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil [Internet]. [acesso em 2015 jul. 22]. Disponível em: http://www.atlasbrasil.org.br/2013/pt/

Piccinini CA, Silva MR, Gonçalves TR, Lopes RCS, Tudge J. Envolvimento paterno aos três meses de vida do bebê. Psic Teor Pesq. 2012; 28:303-14. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722012000300006

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Gastos com a política social: alavanca para o crescimento com distribuição de renda. Comunicado [Internet]. 2011(75). [acesso em 2015 jul. 22]. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/agencia/images/stories/PDFs/comunicado/110203_comunicadoipea75_apresentacao.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE; 2012.

Mariano, R. Expansão pentecostal no Brasil: o caso da Igreja Universal. Estud Av. 2004;18:121-38. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142004000300010

Pucci G, Reis RS, Rech CR, Hallal PC. Quality of life and physical activity among adults: population-based study in Brazilian adults. Qual Life Res. 2012;21(9):1537-43. http://dx.doi.org/10.1007/s11136-011-0083-5

Campolina AG, Pinheiro MM, Ciconelli RM, Ferraz MB. Quality of life among the Brazilian adult population using the generic SF-8 questionnaire. Cad Saúde Pública. 2011;27:1121-31. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2011000600009

Bauman Z. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar; 1998.

Caron E, Lefèvre F, Lefèvre AMC. Afinal, somos ou não somos uma sociedade de consumo? Consequências para a saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2015;20:145-53. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232014201.18812013

Veloz MCT, Nascimento-Schulze CM, Camargo BV. Representações sociais do envelhecimento. Psicol Reflex Crít. 1999; 12:479-501. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79721999000200015

Guerra ACLC, Caldas CP. Dificuldades e recompensas no processo de envelhecimento: a percepção do sujeito idoso. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15:2031-40. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000600031

Tahan-Santos E, Cardoso CL. Experiências de participantes em um Grupo de Promoção de Saúde na Estratégia Saúde da Família. Psico. 2008;39:410-17.

Tahan J, Carvalho ACD. Reflexões de idosos participantes de grupos de promoção de saúde acerca do envelhecimento e da qualidade de vida. Saúde Soc. 2010;19:878-88. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902010000400014

Souza LGS. Profissionais de Saúde da Família e representações sociais do alcoolismo [Tese de Doutorado]. Vitória (ES): Universidade Federal do Espírito Santo; 2012.

Publicado
2016-09-15
Seção
Artigos Originais