Sentimento de mulheres mastectomizadas acerca da autoimagem e alterações na vida diária

  • Elenir de Araújo Lago Universidade Federal do Piauí
  • Nathalia Kelly de Souza Andrade Universidade Federal do Piauí
  • Inez Sampaio Nery Universidade Federal do Piauí
  • Fernanda Valéria Silva Dantas Avelino Universidade Federal do Piauí
Palavras-chave: Mastectomia. Emoções. Imagem corporal. Enfermagem.

Resumo

Objetivo: Analisar os sentimentos das mulheres frente a autoimagem e às mudanças no cotidiano após a cirurgiade mastectomia.
Materiais e Métodos: Estudo realizado no ambulatório do hospital referência em Teresina-PI, trata-se de umapesquisa qualitativa, com aplicação de roteiro semiestruturado em dez mulheres mastectomizadas em tratamento oncológico no período entre novembro de 2010 e janeiro de 2011. As entrevistas foram gravadas e transcritas na íntegra e optou-se pela análise temática segundo Bardin.
Resultados: O perfil levantado foi de mulheres com idade acima de 40 anos, predominantemente aposentadas, do lar, católicas e casadas. A vivência pós mastectomia está associada à baixa estima, não sentir-se mulher e ausência do
significado de vida. Referiram ainda o abandono ou a redução de suas atividades domésticas ou laborais, impostas pelas limitações da mastectomia.
Conclusão: A mastectomia gera um misto de sentimentos e altera a imagem corporal, autoestima, relações sociais e cotidianas.

Biografia do Autor

Nathalia Kelly de Souza Andrade, Universidade Federal do Piauí
Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Federal do Piauí (UFPI). Atua principalmente nos temas relacionados com a enfermagem, nas áreas de saúde da mulher, violência e cuidar.
Inez Sampaio Nery, Universidade Federal do Piauí
Possui Graduação em Enfermagem pela Universidade Federal do Maranhão (1971), Mestrado em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ/Escola de Enfermagem Ana Nery/EEAN (1980), Doutorado em Enfermagem pela UFRJ/EEAN (2000), Livre Docente pela Universidade do Rio de Janeiro/UNIRIO em 1991. Especialista em Metodologia do Ensino da Assistência de Enfermagem, Terapia Naturista, Produtos Naturais, Administração Hospitalar, Formação em Acupuntura pelo Centro de Acupuntura e Terapias Alternativas/CEATA-SP. Atualmente é Professora Associado III, Chefe do Departamento de Enfermagem da Universidade Federal do Piauí, Docente da Graduação em Enfermagem, da Pós-Graduação - Latu Senso em Enfermagem Obstétrica e Stricto Senso: Programa Mestrado em Enfermagem e de Políticas Públicas/UFPI. Coordenadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre o Cuidar Humano e Enfemagem, Presidente da Associação Brasileira de Obstetrizes e Enfermeiros Obstetras - ABENFO Piauí, Consultora ah doc do CNPq, MEC, Pró-equidade de gênero/SPM e FAPEPI.Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Saúde da Mulher, Saúde Reprodutiva e Enfermagem Obstétrica, atuando principalmente nos seguintes temas: Saúde da Mulher e as Políticas Públicas, Gênero e Violência, Processo de Cuidar em Enfermagem e Saúde, Mortalidade Materna, Aborto, Assistência à Mulher no Ciclo Gravídico Puerperal, Enfermagem Ginecológica e outros.
Fernanda Valéria Silva Dantas Avelino, Universidade Federal do Piauí
Possui graduação em ENFERMAGEM pela Universidade Federal do Piauí (1991), Mestrado e Doutorado em Enfermagem pela Escola de Enfermagem Anna Nery da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal do Piauí (UFPI) . Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Enfermagem, atuando principalmente nos seguintes temas: saude dos grupos humanos, enfermagem e família, saúde da mulher, urgência e emergência, saúde do adulto, sistematização da assistência de enfermagem e ensino.

Referências

Brasil. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Estimativa 2014: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro (RJ): INCA; 2014.

Brasil. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Estimativa 2012: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro (RJ): INCA; 2011. [capturado 2012 jan. 8]. Disponível em: <http://www.inca.gov.br/estimativa/2012>.

Machado DL. Sendo companheiro de uma mulher mastectomizada: buscando ferramentas para a adaptação [dissertação]. Rio de Janeiro (RJ): Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Enfermagem; 2006.

Fabbro MEC, Montrone AVG, Santos S. Percepções, conhecimentos e vivencias de mulheres com câncer de mama. Rev Enferm UERJ. 2008;16(4):532-7.

Almeida RA. Impacto da mastectomia na vida da mulher. Revista SBPH. 2006;9(2):99-113.

Boff AR. Repercussões associadas à terapêutica cirúrgica de mulheres com câncer de mama [dissertação]. Dissertação não-publicada. São Paulo (SP): Universidade de São Paulo; 1999.

Conceição LL, Lopes RLM. O cotidiano de mulheres mastectomizadas: do diagnótico à quimioterapia. Rev Enferm UERJ. 2008; 16(1):26-31.

Duarte TP, Andrade AN. Enfrentando a mastectomia: análise dos relatos de mulheres mastectomizadas sobre questões ligadas à sexualidade. Estud Psicol (Natal) [online]. 2003;8(1):155-63 [capturado 2015 fev. 25]. http://dx.doi.org/10.1590/S1413- 294X2003000100017

Minayo MC. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec; 2010.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011.

Vieira CP, Lopes MHBM, Shimo AKK. Sentimentos e experiências na vida das mulheres com câncer de mama. Rev Esc Enferm USP 2007;41(2):311-6. http://dx.doi.org/10.1590/S0080- 62342007000200020

Azevedo RF, Lopes RLM. Revisando as contribuições da reconstrução mamária para mulheres após a mastectomia por câncer. Rev Enferm UERJ. 2010;18(2):298-303.

Araújo IMA, Fernandes AFC. O significado do diagnostico do câncer de mama para a mulher. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2008;12(4):664- 71. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452008000400009

Furlan VLA, Neto MS, Abla LEF, Oliveira CJR, Lima AC, Ruiz BFO, Ferreira LM. Qualidade de vida e autoestima de pacientes mastectomizadas submetidas ou não a reconstrução de mama. Rev Bras Cir Plást. 2013;28(2):264-9. http://dx.doi.org/10.1590/S1983- 51752013000200016

Oliveira MS, Souza AMA, Fernandes AFC. Grupo apoyo/soporte: espacio de rehabilitación para mujeres mastectomizadas. Rev Eletr Enf. 2008;10(3):816-22. [capturado 2012 fev. 12] Disponível em: <http://www.fen.ufg.br/revista/v10/n3/v10n3a27.htm>.

Publicado
2015-06-08
Seção
Artigos Originais