Migrações e meio ambiente: desafios contemporâneos e o debate acerca dos “refugiados ambientais”

Resumo

O presente artigo tem como problema de pesquisa o seguinte questionamento: quais são as relações intrínsecas entre as mudanças climáticas e as migrações forçadas, especificamente, aliadas à compreensão de um possível refúgio ambiental?  A partir dessa proposição, o referido problema se encontra dividido em duas seções de análise: a primeira, destinada a debater os aspectos ambientais que obrigam os seres humanos a migrarem, discorrendo-se acerca da emissão de gases, do degelo, dos compromissos assumidos internacionalmente pelos Estados, entre outros; já a segunda, reserva-se ao direito internacional, especificamente, apresentam-se as discussões sobre o que é um migrante, um deslocado interno e um refugiado. Por fim, as considerações finais indicam que a solução para a migração forçada, por problemas ambientais, não possui assertividade na esfera do sistema internacional atual. Logo, não há a responsabilização compartilhada como aquela pretendida pelas autoras deste estudo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruna Gorgen Zeca, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS.

Bacharel em Relações Internacionais. Mestranda em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) e bolsista do CNPq. Em 2014, foi bolsista do Santander para período de estudos na Peking University (China). Tem interesse nas áreas de Política Externa Brasileira, História das Relações Internacionais e estudos geopolíticos envolvendo o meio ambiente.

Carolina Cunha César, niversidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS.

Especializanda em Estratégia e Relações Internacionais Contemporâneas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2018-2019). Graduada em Relações Internacionais pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2015) Ao longo da graduação, implementou o Centro Acadêmico de Relações
Internacionais (CARI) da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Tem experiência na  interesse na área de Segurança Internacional e no Direito Internacional, especificamente, no Direito Internacional dos Refugiados e Migrações. Como experiência profissional, foi assessora técnica na administração pública estadual, na Secretaria Estadual do Planejamento, Governança e Gestão (SPGG). Atualmente,trabalha na Associação Antônio Vieira (ASAV) no Programa de Reassentamento Solidário promovido por esta instituição em parceria com a Organização das Nações Unidas (ONU), especificamente com o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR). Também, atua como articulista voluntária no CEIRI NEWSPAPER https://ceiri.news/) tendo como objeto de estudo temas correlatos à América Latina.

Referências

ACNUR. Breve histórico do Acnur. Disponível em: https://www.acnur.org/historia-del-acnur.html. Acesso em: jan. 2019 (a). https://doi.org/10.2307/j.ctv9hvtdx.11

ACNUR. Convenção Relativa ao Estatuto dos Refugiados (1951). Disponível em: http://www.acnur.org/t3/fileadmin/Documentos/portugues/BDL/Convencao_relativa_ao_Estatuto_dos_Refugiados.pdf?view=1. Acesso em: jan. 2019. https://doi.org/10.21527/2317-5389.2018.12.248-263

ACNUR. Deslocados internos. Disponível em: https://www.acnur.org/portugues/quem-ajudamos/deslocados-internos/. Acesso em: jan. 2019(b).

ACNUR. El ACNUR se compromete con la Iniciativa Nansen sobre cambio climático y desastres naturales y lanza un nuevo informe sobre su trabajo en esta área. Publicado em 2015. Disponível em: https://www.acnur.org/noticias/press/2015/10/5b7e71251f/el-acnur-se-compromete-con-la--iniciativa-nansen-sobre-cambio-climatico-y-desastres-naturales-y-lanza-un-nuevo-informe-sobre-su-trabajo-en-esta-area.html. Acesso em: 10 jun. 2019. https://doi.org/10.18356/4cccd34f-es

ACNUR. La situación de los refugiados en el mundo 2000: cincuenta años de acción humanitária. Espanha: Icaria Editorial, 2006. Disponível em: https://www.acnur.org/fileadmin/Documentos/

Publicaciones/2012/8943.pdf. Acesso em: jan. 2019.

ACNUR. Perguntas e Respostas. Disponível em: https://www.acnur.org/portugues/dados-sobre-refugio/perguntas-e-respostas/. Acesso em: jan. 2019(c). https://doi.org/10.11606/t.8.2019.

tde-19032019-135620

ACNUR. Refúgio no Brasil: A proteção brasileira aos refugiados e seu impacto nas Américas. Brasília/DF: 2010. P. 15. Disponível em: https://www.acnur.org/portugues/wp-content/uploads/2018/02/

Ref%C3%BAgio-no-Brasil_A-prote%C3%A7%C3%A3o-brasileira-aos-refugiados-e-seu-impactonas-Am%C3%A9ricas-2010.pdf. Acesso em: jan. 2019. https://doi.org/10.31692/25267701.iicointerpdvagro.2017.00100

ACNUR. Soluções Duradouras: reassentamento. Disponível em https://www.acnur.org/portugues/solucoes-duradouras/. Acesso em: jan. 2019 (d).

ANDRADE, José Henrique Fischel. A política de proteção a refugiados da Organização das Nações Unidas: sua gênese no período pós-guerra (1946-1952). Tese (Doutorado) – Instituto de Relações Internacionais, Universidade de Brasília, 2006. Disponível em: http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/3726/1/Tese%20-Jose%20henrique%20Fischel%20de%20Andrade.pdf. Acesso em: 6

jun 2019. https://doi.org/10.5007/1806-5023.2017v14n1p46

APOLINÁRIO, Silvia Menicucci. O. S.; JUBILUT, Liliana Lyra. A necessidade de proteção internacional no âmbito da migração. Revista Direito GV, São Paulo, 2010, v. 6, n. 1, p. 275-294, 2010. https://doi.

org/10.1590/s1808-24322010000100013

ARENDT, H. Origens do totalitarismo: anti-semitismo, imperialismo e totalitarismo. São Paulo, Companhia das Letras, 1989.

BARRETO, Luiz Paulo Teles Ferreira. Refúgio no Brasil: A proteção Brasileira aos Refugiados e seu impacto nas Américas. Cap I. A Lei Brasileira de Refúgio- Sua história, p. 12. Brasília: ACNUR,

Ministério da Justiça, 2010.

BETTS, Alexander; COLLIER, Paul. Refuge: Transforming a broken refugee system. United Kingdom: Penguin Random house (UK), 2017. https://doi.org/10.3917/pro.364.0106

BOOTh, Ken; WhEELER, Nicholas J. Uncertainty. In: WILLIAMS, Paul D. Security studies. Abingdon: Routledge, 2008. p. 133-150.

COMPARATO, Fábio Konder. A afirmação histórica dos direitos humanos. São Paulo: Saraiva, 2003.

DALBY; Simon. Environmental Change. In: WILLIAMS, Paul D. Security studies. Abingdon: Routledge, 2008. p. 260-273.

EL-HINNAWI, Essam. Environmental Refugees. Nairobi: UNEP, 1985. Disponível em: https://digitallibrary.un.org/record/121267. Acesso em: 12 jan. 2019.

GIDDENS, Anthony. O mundo na era da globalização. Lisboa: Presença, 2006. p.15-18.

INTERNAL DISPLACEMENT MONITORING CENTRE. Disponível em: http://www.internal-displacement.org/database/displacement-data. Acesso em: 7 jan. 2019.

JASTRAM, Kate; ACHIRON, Marilyn. Guia sobre o direito internacional relativo aos refugiados 2001. [S. l. : s. n.], 2001. p. 21-27.

JUBILUT, Liliana Lyra. O Direito Internacional dos Refugiados e sua Aplicação no Ordenamento Jurídico Brasileiro. São Paulo: Método, 2007.

LISER. Refugiados Ambientais. Living Space for Enviromental Refugees. UNICEF, 2012. Disponível em: https://www.unicef.org/socialpolicy/files/Environmentally_displaces_people.pdf. Acesso em: jan. 2019.

MILESI, Rosita. Refugiados Realidade e Perspectivas. Brasília: Loyola, 2003.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Acordo de Paris. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, [201-]. Disponível em: http://www.mma.gov.br/clima/convencao-das-nacoes-unidas/acordo-de-paris. Acesso em: 3 jan. 2019. https://doi.org/10.5380/dma.v47i0.62444

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES. Global Migration Indicators. Berlim: Global Migration Data Analysis Centre (GMDAC), 2018. p. 44-45.

PANIKKAR, R. Seria a noção de direitos humanos uma concepção universal? In: BALDI, C. A. (org.). Direitos humanos na sociedade cosmopolita. Rio de Janeiro: Renovar, 2004. https://doi.

org/10.24824/978854442035.5

PEIRÓ, Patrícia. O primeiro país que o mar vai engolir com a mudança climática. El País, Madri, 20 set. 2018. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2018/09/14/internacional/1536940957_042749.html. Acesso em: 3 jan. 2019

PEREIRA, Gustavo Oliveira de Lima. Direitos Humanos e Hospitalidade: a proteção internacional para apátridas e refugiados. São Paulo: Editora Atlas, 2014.

PIOVESAN, Flávia. O direito de asilo e a proteção internacional dos refugiados. In : RODRIGUES, Viviane Mozine (org.). Direitos humanos e refugiados. Vila Velha: UVV, 2006. p. 54-95. https://doi.org/10.24824/978854440818.6

PRADO JR.; Caio. Formação do Brasil Contemporâneo. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

RAMOS, Erika P. Refugiados ambientais: em busca de reconhecimento pelo direito internacional. Tese (Doutorado em Direito) – Faculdade de Direito, USP, São Paulo, 2011. https://doi.org/10.11606/t.2.2011.

tde-10082012-162021

VIOLA, Eduardo; BASSO, Larissa. O sistema internacional no antropoceno. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 31, n. 92, p. 1-18, 2016 . https://doi.org/10.17666/319201/2016

TRINDADE, Antônio Augusto Cançado. Capítulo VIII: As três vertentes da proteção internacional da pessoa humana - aproximação ou convergências entre os Direitos humanos, o Direito humanitário e

o Direito dos Refugiados. In: TRINDADE, Antônio Augusto Cançado. Tratado de Direito Internacional dos Direitos Humanos. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 1997. p. 396-398. https://doi.

org/10.1017/s0250569x00017532

Publicado
2019-12-31
Como Citar
Gorgen Zeca, B., & Cunha César, C. (2019). Migrações e meio ambiente: desafios contemporâneos e o debate acerca dos “refugiados ambientais”. Conversas & Controvérsias, 6(2), e33382. https://doi.org/10.15448/2178-5694.2019.2.33382