Populismo e democracia em Francisco Weffort

  • Marlon Antonio Ferreira Universidade Estadual Paulista/UNESP FRANCA
Palavras-chave: Populismo, Democracia, Massas, Dependência, parceiro-fantasma.

Resumo

O populismo se apresentou como a principal expressão das forças políticas das massas. Foi o momento em que essas massas se tornaram o grande “parceiro fantasma” no contexto de sobreposição da nova estrutura de Estado baseado na urbanização e industrialização. Via de regra, essa incorporação baseava- se nas massas através da concessão de benefícios como bens de consumo e o voto. Em todos os momentos que as manifestações populares se mostraram capaz de expor suas demandas, houve a antecipação dos grupos sociais que exercia o seu controle. Weffort, é um dos principais estudiosos deste tema, cuja preocupação estava em interpretar a forma como a moder- nidade se apresenta e passa a ser incorporada na América Latina. Também é uma busca constante para responder ao golpe militar de 1964, assim as análises vão desde o contexto de adoção da “teoria da dependência” até a sua posterior contestação no cenário latino-americano. Somos estruturalmente dependentes do capital externo e que impõe certas limitações ao desenvolvimento da consciência política desta classe.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marlon Antonio Ferreira, Universidade Estadual Paulista/UNESP FRANCA
Cursou Licenciatura Plena em História pela Universidade de Franca - UNIFRAN (2008), fez pós-graduação Lato Sensu no curso de extensão para formação de professores em Educação para Diversidade e Cidadania, convênio UNESP-SECAD-UAB-CAPES (2011), também cursou pós-graduação em Mídias na Educação pela UFSJ (2013). Atualmente é mestrando pelo Programa de Pós-Graduação em História - FCHS - Franca na área de História e Cultura Política, com ênfase em intelectuais versando ainda sobre o conceito de democracia. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-4464-2235; E-mail: [email protected]

Referências

AGGIO, Alberto; LAHUERTA, Milton. Pensar o século XX: problemas políticos e história nacional na América Latina. São Paulo : Unesp, 2003.

CAPELATO, Maria Helena Rolim. Identidade nacional e produção de sentimentos. In: CAPELATO, Maria Helena Rolim. Multidões em cena: propaganda política no e no peronismo. 2. ed. São Paulo: UNESP, 2009. p. 263-315.

https://doi.org/10.1590/s0102-64451992000200002

CAPELATO, Maria Helena Rolim. Política de massas: uma nova cultura política. In: CAPELATO, Maria Helena Rolim. Multidões em cena: propaganda política no e no peronismo. 2. ed. São Paulo: UNESP, 2009. p. 141-172.

DI TELLA, Torcuato. Para uma política latino-americana. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1969.

DOS SANTOS, Theutonio. A teoria da dependência: um balanço histórico e Teórico. Petrópolis: Vozes, 2000.

FAUSTO, Boris. A Revolução de 1930. Rio de Janeiro: Bertrand, 1990. p. 227-255.

FERREIRA, Joreg. O nome e a coisa: o populismo na política brasileira. In: FERREIRA, Jorge (org.). O populismo e sua história: debate e crítica. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001. p. 59 124.

https://doi.org/10.1590/s0102-01882002000100013

GERMANI, Gino. Política e sociedade em uma era de transição. São Paulo: Mestre Jou, 1973.

GOMES, Angela de Castro. O populismo nas Ciências Sociais brasileiras : notas sobre a trajetória de um conceito. In: FERREIRA, Jorge (org.) O populismo e sua história: debate e crítica. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001. p. 17-58.

https://doi.org/10.1590/s0102-01882002000100013

RAMOS, Alberto Guerreiro. A crise do poder no Brasil. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1961.

REIS, Daniel Aarão. 2001. O colapso do colapso do populismo ou a propósito de umaherança maldita. In: FERREIRA, Jorge (org.). O populismo e sua história: debate e crítica. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001. p. 319-377.

https://doi.org/10.1590/s0102-01882002000100013

TRINDADE, Antonio Augusto Cançado. Os direitos humanos e o meio ambiente. In: SYMONIDES, Janusz (org.). Direitos humanos: novas dimensões e desafios. Brasília: UNESCO Brasil, 2003. p. 161- 203.

https://doi.org/10.1017/s0250569x00017532

WEFFORT, Francisco. Classes populares e política: contribuição do estudo do populismo. 1968. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São paulo, 1968b.

https://doi.org/10.11606/t.42.2019.tde-12042018-141555

WEFFORT, Francisco. Notas sobre a ‘teoria da dependência’: teoria de classe ou ideologia nacional. Estudos CEBRAP, [s. l.], n. 1, p. 1-24, 1971.

WEFFORT, Francisco. O populismo na política brasileira. In: FURTADO, Celso (org.). Brasil: tempos modernos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1968a.

WEFFORT, Francisco. O populismo na política brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978. WEFFORT, Francisco. Origens do sindicalismo populista no Brasil (a conjuntura do após guerra).

Estudos CEBRAP, [s. l.], n. 4, abr. 1973.

WEFFORT, Francisco. Participação e conflito industrial: contagem e Osasco (1968). Cadernos CEBRAP, [s. l.], n. 5, 1972a.

WEFFORT, Francisco. Política de massas. In: IANNI, Octávio et al. Política e revolução social no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1965a.

WEFFORT, Francisco. Raízes sociais do populismo em São Paulo. Revista Civilização Brasileira, [s.l.], ano 1, n. 2, p. 39-60, maio 1965b.

WEFFORT, Francisco. Sindicato e política. 1972. Tese (Livre-docência) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1972b.

https://doi.org/10.11606/ issn.2526-3854

Publicado
2019-10-21
Como Citar
Ferreira, M. A. (2019). Populismo e democracia em Francisco Weffort. Conversas & Controvérsias, 6(1), e32031. https://doi.org/10.15448/2178-5694.2019.1.32031