Reconhecimento, identidade(s) e conflito social: debates a partir da teoria política e social

Palavras-chave: Reconhecimento. Identidades. Conflito social. Teoria política e social.

Resumo

Os debates identitários têm ocupado parte significativa das reflexões das ciências sociais nas últimas décadas, impulsionados em boa medida pelas formulações de autoras/es que se debruçaram sobre o tema do reconhecimento. As posições e as disputas são muitas e têm se avolumado sobremaneira, mas talvez seja possível ordenálas em torno de uma discussão comum, como propõe Rahel Jaeggi. Para tanto, optamos por reconstruir e interpretar as noções de reconhecimento e identidade propostas por Charles Taylor, Axel Honneth e Judith Butler, procurando mostrar que há uma conexão subjacente a essas perspectivas, raramente lidas como parte de uma mesma tradição, a saber, a herança hegeliana. Por fim, discutimos as diferenças substantivas entre uma noção positiva e outra negativa do reconhecimento e das identidades e apontamos as potencialidades de uma agenda de pesquisa em ciências sociais e humanas que adote algumas das premissas fundamentais do reconhecimento negativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raquel Kritsch, Universidade Estadual de Londrina (UEL, Londrina, PR, Brasil).

Doutora em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (USP, São Paulo, SP, Brasil), docente e pesquisadora junto ao PPG em Sociologia da Universidade Estadual de Londrina, em Londrina, PR, Brasil, e coordenadora do Grupo de Teoria Política da Associação Brasileira de Ciência Política.

Raissa Wihby Ventura, Universidade de São Paulo (USP, São Paulo, SP, Brasil).

Doutora em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (USP, São Paulo, SP, Brasil). Atua como pesquisadora do Núcleo de Pesquisa em Relações Internacionais (Nupri, USP, São Paulo, SP, Brasil) e do Grupo de Estudos em Teoria Política (Getepol, Londrina, PR, Brasil).

Referências

BENJAMIN, Jessica. Like subjects, love objects: essays on recognition and sexual difference. New Haven: Yale University Press, 1998.

https://doi.org/10.1023/b:aseb.0000014613.45488.69

BERNSTEIN, Jay. From self-consciousness to community: act and recognition in the Master-Slave. In: PELCZYNSKI, Z. A. The state and civil society: studies in Hegel’s Political Philosophy. Cambridge: Cambridge University Press, 1984. p. 14-39.

BHABHA, Homi. The location of culture. London: Routledge, 1994.

BRAH, Avtar. Cartographies of diaspora: contesting identities. London: Routledge, 1996.

BRAIDOTTI, Rosi. Nomadic subjects: embodiment and sexual difference in contemporary feminist theory. New York: Columbia University Press, 1994.

https://doi.org/10.22439/fs.v0i17.4305

BUTLER, Judith. Subjects of desire: Hegelian reflections in twentieth-century France. New York: Columbia University Press, 1987.

https://doi.org/10.5040/9781472545688.ch-001

BUTLER, Judith. Fundamentos contingentes: o feminismo e a questão do ‘pósmodernismo’. Cadernos Pagu, Campinas, v. 11, p. 11-42, 1998.

BUTLER, Judith. Precarious life: the powers of mourning and violence. London: Verso, 2004.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão de identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

https://doi.org/10.30715/rbpe.v19.n1.2017.10819

BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

BUTLER, Judith; SPIVAK, Gayatri. Who sings the Nation-State. Calcuta: Seagull Books, 2007.

https://doi.org/10.1177/0263276409106356

COOLE, Diana. Is class a difference that makes a difference? Radical Philosophy, v. 77, p. 17-25, 1996.

CRAIG, Edward. Pluralism. Routledge encyclopedia of Philosophy. London: Routledge, 2004. v. 14.

https://doi.org/10.4324/9780203086711

FORST, Rainer. Contextos da justiça. São Paulo: Boitempo, 2010.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FRASER. Nancy. Da redistribuição ao reconhecimento? Dilemas da justiça na era pós-socialista. In: SOUZA, Jessé (org.). Democracia hoje. Brasília: Editora UNB, 2001. p. 245-282.

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v15i14-15p231-239

FRASER, Nancy; HONNETH, Axel. Redistribution or recognition? London: Verso, 2003.

GILROY, Paul. The black Atlantic, modernity and double consciousness. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1993.

HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento. São Paulo: Editora 34, 2003.

HONNETH, Axel. Reconhecimento ou redistribuição? A mudança de perspectiva na ordem moral da sociedade. In: SOUZA, Jessé; MATOS, Patrícia (org.). Teoria crítica no século 21. São Paulo: Annablume, 2007. p. 79-93.

JAEGGI, Rahel. Reconhecimento e subjugação: da relação entre teorias positivas e negativas da intersubjetividade. Sociologias, Porto Alegre, v. 33, p. 120-140, 2013.

https://doi.org/10.1590/s1517-45222013000200005

KYMLICKA, Will. Multicultural citizenship: a liberal theory of minority rights. Oxford: Oxford University Press, 1996.

https://doi.org/10.1093/0198290918.001.0001

KRITSCH, Raquel; VENTURA, Raissa W. Cuidado, justiça e autonomia: contribuições da teoria política feminista para os debates sobre gênero e democracia. Ivs Fvgit, Valparaíso, v. 21, p. 97-124, 2018.

LUGONES, Maria. Colonialidad y género. Tabula Rasa, Bogotá, v. 9, p. 73-101, 2008.

https://doi.org/10.25058/20112742.340

MARKELL, Patchen. Bound by recognition. New Jersey: Princeton University Press, 2003.

MIGNOLO, Walter. Historias locales/diseños globales: colonialidad, conocimientos subalternos y pensamiento fronterizo. Madrid: Akal, 2013.

MIGNOLO, Walter. The geopolitics of knowledge and the colonial difference. The South Atlantic Quarterly, v. 101, n. 1, p. 57-95, 2002.

https://doi.org/10.1215/00382876-101-1-57

MOHANTY, Chandra T. Under Western eyes: feminist scholarship and colonial discourses. Boundary 2: a journal of postmodern literature and culture, New York, v. 2, p. 333-358, 1984.

https://doi.org/10.2307/302821

MOUFFE, Chantal. Feminismo, ciudadanía y política democrática radical. Revista Debate Feminista, Mexico, v. 7, p. 3-22, 1993.

PAREKH, Bhikhu. A new politics of identity: political principles for an interdependent world. Basingstoke: Palgrave Macmillan, 2008.

https://doi.org/10.1111/j.1468-2265.2011.00729_35.x

PAREKH, Bhikhu. Integrating minorities. London: Institute of Contemporary Arts, 2001.

PHILLIPS, Anne. Da desigualdade à diferença: um caso grave de deslocamento? Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 2, p. 223-240, jul./dez. 2009.

SIEP, Ludwig. Anerkennung in der Phänomenologie des Geistes und in der heutigen praktischen Philosophie. In: SCHMIDT am BUSCH, Hans-Christoph; ZURN, Christoph F. (orgs.) Anerkennung. Berlin: Akad, 2009. p. 107-124.

https://doi.org/10.3726/978-3-653-02093-9/5

SPIVAK, Gayatri. Can the subaltern speak? In: NELSON, Cary; GROSSBERG, Lawrence (org.). Marxism and the interpretation of culture. Chicago: University of Illinois Press, 1988. p. 271–316.

DOI: 10.1007/978-1-349-19059-1_20.

https://doi.org/10.1007/978-3-658-13213-2_84

TAYLOR, Charles. Argumentos filosóficos. São Paulo: Edições Loyola, 2000.

THEUNISSEN, Michael. Selbstverwirklichung und Allgemeinheit. Berlin:

De Gruyter, 1982.

DOI: 10.1515/9783110851069. https://doi.org/10.1515/9783110851069

WERLE, Denilson; MELO, Rurion S. Introdução: teoria crítica, teorias da justiça e a ‘reatualização’ de Hegel. In: HONNETH, Axel. Sofrimento de indeterminação: uma reatualização da filosofia do direito de Hegel. São Paulo: Esfera Pública, 2007. p. 7-44.

https://doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v0i11p127-140

WILLIG, Rasmus. Recognition and critique: an interview with Judith Butler. Distinktion: Journal of Social Theory, London, v. 13, p. 139-144, 2012.

https://doi.org/10.1080/1600910x.2012.648742

YOUNG, Iris M. Categorias desajustadas: uma crítica à teoria dual de sistemas de Nancy Fraser. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, v. 2, p. 193-214, 2009.

Publicado
2019-08-09
Como Citar
Kritsch, R., & Ventura, R. W. (2019). Reconhecimento, identidade(s) e conflito social: debates a partir da teoria política e social. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 19(2), 441-463. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2019.2.29915