O paradoxo da democracia: a participação política dos alunos da Universidade de Brasília

  • Debora Messenberg Universidade de Brasília
Palavras-chave: Participação política. Motivações políticas. Alunos da Universidade de Brasília.

Resumo

É consenso entre os estudiosos da política que as formas de representação e participação nas democracias contemporâneas vêm sofrendo modificações profundas desde meados do século 20, não só no que diz respeito à pluralização dos atores políticos, mas também no que se refere aos espaços onde tais processos são exercidos. Entretanto, muito se tem investigado acerca do perfil dos atores e das instituições políticas em termos de sua caracterização ou sobre a intensidade da participação e da representação; porém poucos são os trabalhos que dirigem suas análises para a compreensão das avaliações subjetivas dos atores sociais a respeito de suas ações e instituições políticas. No sentido de trazer contribuição para esse debate, o artigo apresenta os resultados de pesquisa realizada, no último trimestre de 2013, junto aos alunos da Universidade de Brasília, sobre os seus interesses em participar ativamente ou não do universo da política. Trata-se de estudo que discute, fundamentalmente, a intensidade e a qualificação da participação política dos alunos da UnB, com destaque para a interpretação de suas motivações e de suas percepções acerca do fazer e do pensar a política no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Debora Messenberg, Universidade de Brasília
Professora adjunto do Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília (UnB) Doutora pela Universidade de São Paulo (2000) Pós doutorado na UnB (2004) Estágio Senior na Universidade de Oxford (2014)

Referências

BAUMAN, Zygmunt. A vida líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

BAUMAN, Zygmunt. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus. 1996.

BORBA, Julian. Participação política: uma revisão dos modelos de classificação. Revista Sociedade e Estado, v. 27, n. 2, p. 263-288, 2012 .

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

CASTELLS, Manuel. Communication power. Oxford: Oxford University Press, 2009.

DOMINGUES, José M. Interpretando a modernidade: imaginário e instituições. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2002.

FUKS, Mario. Atitudes, cognição e participação política: padrões de influência dos ambientes de socialização sobre o perfil políticos dos jovens. Opinião Pública, v. 18, n. 1, p. 88-108, 2012

.

FUKS, Mario. Juventude e socialização política: Parlamento Jovem. Belo Horizonte: UFMG, 2008.

GERBAUDO, Paolo. Tweets and streets: social media and contemporary activism. London: Plutobooks, 2012.

GILL, Rosalind. Análise do discurso. In: Martin W. Bauer; George Gaskell (orgs.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2002.

HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Editora 34, 2003.

HONNETH, Axel. Educação e esfera pública democrática: um capítulo negligenciado da filosofia política. Civitas, v. 13, n. 3, p. 544-562, 2013.

MAINGUENEAU, D. Novas tendências em análise do discurso. Campinas: Ponte, 1993.

MOISÉS, José Álvaro. A desconfiança dos cidadãos nas instituições democráticas. São Paulo: Nupes-USP, 2006.

NOGUEIRA, Marco A. Representação, crise e mal-estar institucional. Revista Sociedade e Estado, v. 29, n. 1, p. 91-111, 2014 .

PINTO, Céli R. J. A banalidade da corrupção: uma forma de governar o Brasil. Belo Horizonte: UFMG, 2011.

SOUZA, Jessé. A ralé brasileira: quem é e como vive. Belo Horizonte: UFMG, 2009.

Publicado
2015-04-27
Como Citar
Messenberg, D. (2015). O paradoxo da democracia: a participação política dos alunos da Universidade de Brasília. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 15(1), e1-e23. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2015.1.18937