Hegel e a liberdade social

Uma abordagem a partir de Honneth

Palavras-chave: Liberdade social, Justiça, Normatividade, Hegel, Honneth

Resumo

Neste artigo eu pretendo apresentar a abordagem de Honneth acerca da liberdade social em Hegel do ponto de vista da eticidade. A pesquisa se concentra na Filosofia do Direito de Hegel e no Direito da Liberdade de Honneth enquanto dois pilares principais de análise. Em um primeiro momento, eu esboço alguns elementos da liberdade social como um terceiro tipo de liberdade pensada como alternativa aos modelos negativo e reflexivo; em um segundo momento proponho aportes metodológicos da liberdade social a partir da reconstrução normativa em oposição às “versões kantianas da justiça”; em um terceiro momento apresento uma proposta de “componentes normativo-conceituais” da liberdade social de Hegel a partir da abordagem honnethiana. Na minha análise são três componentes fundamentais: o pressuposto ontológico da cossubjetividade; a tessitura dos processos sociais de reconhecimento mútuo; o componente institucional da vida ética. A tese central subjacente a esta reconstrução é que o indivíduo só vivencia a sua liberdade completa e plena nas relações sociais no interior de instituições justas. Sem isso, a liberdade padece de um déficit de eticidade. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco Jozivan Guedes de Lima, Universidade Federal do Piauí (UFPI), Teresina, PI, Brasil.

Doutor em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil; estágio pós-doutoral em Filosofia e em Direito pela PUCRS. Professor do Departamento e dos Programas de Pós-Graduação em Filosofia e em Ciência Política da Universidade Federal do Piauí (UFPI), em Teresina, PI, Brasil. Bolsista produtividade CNPq.

Referências

ACKERMAN, Bruce. Social Justice in the Liberal State. New Haven: Yale University Press, 1980.

ALLEN, Amy. The End of Progress: Decolonizing the Normative Foundations of Critical Theory. New York: Columbia University Press, 2016.

BERLIN, Isaiah. Quatro ensaios sobre a liberdade. Tradução de Wamberto Ferreira. Brasília: Editora da UNB, 1981.

AGOSTINHO, Santo. Confissões. 2. ed. Tradução de J. Oliveira Santos; Ambrósio de Pina. São Paulo: Abril Cultural, 1980.

CONSTANT, Benjamin. A liberdade dos Antigos comparada à dos Modernos. Tradução de Emerson Garcia. São Paulo: Atlas, 2015.

FLICKINGER, Hans-Georg. Em nome da liberdade: elementos da crítica ao liberalismo contemporâneo. Porto Alegre: Edipucrs, 2003.

FLICKINGER, Hans-Georg. Between Civil Society and State: Considerations on Axel Honneth’s Critical Theory of Justice. In: OLIVEIRA, Nythamar de; HRUBEC, Marek; SOBOTTKA, Emil; SAAVEDRA, Giovani (ed.). Justice and Recognition: On Axel Honneth and Critical Theory. Porto Alegre: PUCRS; Prague: Filosofia, 2015. p. 181-197.

FORST, Rainer. Kontexte der Gerechtigkeit: Politische Philosophie jenseits von Liberalismus und Kommunitarismus. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1994.

HEGEL, Georg W. F. Linhas fundamentais da filosofia do direito, ou direito natural e ciência do Estado em compêndio. Tradução de Paulo Meneses et al. São Leopoldo: Ed. UNISINOS, 2010.

HEGEL, Georg W.F. Wissenschaft der Logik. Hamburg: Meiner, 2008.

HEGEL, Georg W.F. „Über die wissenschaftlichen Behandlungsarten des Naturrechts, seine Stelle in der praktischen Philosophie und sein Verhältnis zu den positiven Rechtswissenschaften“. In: HEGEL, Georg W.F. Jenaer Schriften (1801-1807). Werke 2. Frankfurt am Main: Suhrkamp Verlag, 1970.

HOBBES, Thomas. Leviatã ou matéria, forma e poder de uma república eclesiástica e civil. Tradução de João Paulo Monteiro, Maria Beatriz Nizza da Silva, Claudia Berliner. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

HOBBES, Thomas. Leviathan. New York: Oxford University Press, 1998.

HONNETH, Axel. „Anerkennung: Eine europäische Ideengeschichte“. Berlin: Suhrkamp, 2018.

HONNETH, Axel. O direito da liberdade. Tradução de Saulo Krieger. São Paulo: Martins Fontes, 2015.

HONNETH, Axel. Das Recht der Freiheit: Grundriß einer demokratischen Sittlichkeit. Berlin: Suhrkamp Verlag, 2011.

HONNETH, Axel. Sofrimento de indeterminação: Uma reatualização da filosofia do direito de Hegel. Tradução de Rúrion Soares Melo. São Paulo: Editora Singular: Esfera Pública, 2007.

HONNETH, Axel. A textura da justiça: Sobre os limites do procedimentalismo contemporâneo. Civitas, Porto Alegre, v. 9, n. 3, p. 345-368, set./dez. 2009.

HONNETH, Axel. The Normativity of Ethical Life. Philosophy and Social Criticism, [S. l.], v. 40, n. 8, p. 817-826, 2014.

KANT, Immanuel. Metaphysik der Sitten (MS). In: Gesammelte Schriften, Königlich preussischen Akademie der Wissenschaft. Berlin: De Gruyter, 1980. v. VI.

KANT, Immanuel. Grundlegung zur Metaphysik der Sitten (GMS). In: Gesammelte Schriften, Vol. IV. Königlich preussischen Akademie der Wissenschaft. Berlin: De Gruyter, 1980.

KANT, Immanuel. Crítica da Razão Prática. Tradução de Valerio Rohden. São Paulo: Martins Fontes, 2016.

NEUHOUSER, Frederick. Foundations of Hegel’s Social Theory: Actualizing Freedom. Cambridge: Harvard University Press, 2000.

STAHL, Titus. The Metaethics of Critical Theories. In: THOMPSON, Michael (ed.). The Palgrave Handbook of Critical Theory. New York: Palgrave MacMillan, 2017. p. 515-522.

TUOMELA, Raimo. The Philosophy of Sociality: The shared point of view. New York: Oxford University Press, 2007.

Publicado
2022-09-16
Como Citar
Lima, F. J. G. de. (2022). Hegel e a liberdade social: Uma abordagem a partir de Honneth. Veritas (Porto Alegre), 67(1), e41862. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2022.1.41862
Seção
Ética e Filosofia Política