Cidades, imagens, olhares da infância

Wim Wenders

Palavras-chave: Wim Winters, Cinema, Infância, Estética

Resumo

O trabalho se ocupa da infância como expressão estética em dois filmes do alemão Wim Wenders, Alice nas cidades e Lisbon Story. Para isso procura construir um jogo entre ambos, em que cada uma das obras aparece simultaneamente como testemunho histórico e síntese de questões que dizem respeito à existência e às próprias possibilidades do cinema. Comparecem, portanto, o amor, a amizade, a memória, a reelaboração do passado, as cidades, o progresso e a regressão, bem como as técnicas de captação e produção de imagens e sons, os destinos e a memória do cinema como inconsciente onírico de uma época. O apoio se encontra principalmente em Walter Benjamin, nem tanto em seus comentários sobre cinema, mas muito mais no que se refere ao que escreveu sobre a infância na cidade, demarcando, assim, como Wenders o fará, um olhar infantil, oblíquo em relação ao seu destino, mas não infantilizado, sobre as coisas do mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Fernandez Vaz, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, SC, Brasil.

Doutor em Ciências Humanas e Sociais pela Gottfried Wilhelm Leibniz Universität Hannover. Professor do PPG-Filosofia e em Ciências Humanas da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em Florianópolis, SC, Brasil.

Referências

ADORNO, Theodor. W. Tabus que pairam sobre a profissão de ensinar. In: Palavras e sinais: modelos críticos 2. Tradução de Maria Helena Ruschel. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995. p. 83-103.

AGAMBEN, Giorgio. L’aperto. L’uomo e l’animale. Turim: Bollati Boringhieri, 2002. 99 p.

ARENDT, Hannah. Homens em tempos sombrios. Tradução de Denise Bottmann. São Paulo: Companhia de Bolso, 2008. 297 p.

BENJAMIN, Walter. Rua de mão única/Infância berlinense: 1900. Organização e tradução de João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica, 2013a. 155 p.

BENJAMIN, Walter. Das Kunstwerk im Zeitalter seiner technischen Reproduzierbarkeit. Organização de BurkhardtLindner. Stuttgart: Reclam, 2013b. 117 p.

BENJAMIN, Walter. Sobre alguns motivos na obra de Baudelaire. In: BARRENTO, João (org.). Baudelaire e a modernidade. Tradução de João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica, 2015a. p. 103-149.

BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito da História. In: BARRENTO, João (org.). O anjo da história. 2. ed. Tradução de João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica, 2016. p. 7-20.

BUCHKA, Peter. Os olhos não se compram: Wim Wenders e seus filmes. Tradução de Lúcia Nagib.São Paulo: Companhia das Letras, 1987. 154 p.

KOHAN, Martín. Los ojos de la infancia. In: Fuga de materiales. Seleção de textos e edição de Leila Guerriero.

Santiago: Universidad Diego Portales, 2008. p. 231-240.

WENDERS, Wim. The act of seeing. Essays, Reden und Gespräche. Frankfurt am Main: Verlag der Autoren, 1992. 259 p.

WENDERS, WIM. A sense of place: Texte und Interwiews. Organizado por Daniel Bickermann. Frankfurt: Verlag der Autoren, 2005. 334 p.

WENDERS, Wim. Die Logik der Bilder. Essays und Gespräche. 3. ed. Frankfurt am Main: Verlag der Autoren, 2015.

Publicado
2021-08-27
Como Citar
Vaz, A. F. (2021). Cidades, imagens, olhares da infância: Wim Wenders. Veritas (Porto Alegre), 66(1), e40249. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2021.1.40249