Em busca de uma filosofia colonial brasileira

Palavras-chave: Escritos coloniais, Ensino superior, Colégios, Corpora philosophica

Resumo

Se é difícil pensar em um significado para a expressão “filosofia brasileira”, pensar o que possa signficar uma “filosofia colonial brasileira” torna-se ainda mais desafiador. Para isso, necessário será justificar tanto o significado quanto o alcance da questão no período. Neste artigo o faremos em três passos: o primeiro situa a relação entre filosofia e colonialidade na constituição da América Portuguesa, considerando as escolas e o alcance do ensino na colônia, e traz um breve estado da arte da pesquisa; o segundo elenca os corpora philosophica provenientes dos colégios do Maranhão, Pará, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Mato Grosso; o terceiro caracteriza as formas dos escritos, os níveis de ensino dos colégios e professores-autores e, por fim, as principais matrizes filosóficas reconhecíveis nos escritos coloniais. Enfim, não obstante a dificuldade geral da questão, propomo-nos a afrontar diretamente a hipótese: o que significa uma filosofia colonial brasileira?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lúcio Álvaro Marques, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, MG, Brasil.

Doutor em Filosofia PUCRS. Professor Adjunto na Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM).

Referências

ALMEIDA, P. M. R. Dicionário de autores no Brasil Colonial. 2ª Ed. Lisboa: Colibri, 2010.

CAMPOS, F. A. Uma disputa escolástica no século XVIII. Documentário de filosofia no Brasil. Revista Brasileira de Filosofia, v. XVII, p. 203-208, 1967.

CARRATO, J. F. O ensino do latim no Colégio do Caraça. Revista de História, v. 37, n. 75, p. 105-127, 1968. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/128467. Acesso em: 28 /8/2020.

DOMINGUES, I. Filosofia no Brasil. Legados e perspectivas. São Paulo: UNESP, 2017.

GOMES, J. P. Os Conimbricenses. Lisboa: Guimarães, 2005.

LEITE, S. História da Companhia de Jesus no Brasil VII. Belo Horizonte: Itatiaia, 2006.

LIMA JR., F. P.; CASTRO, D. A. B. História das idéias filosóficas na Bahia (séculos XVI a XIX). Salvador: CDPB, 2006.

MARGUTTI, P. História da filosofia do Brasil (1500-hoje): 1ª parte: o período colonial (1500-1822). São Paulo: Loyola, 2013.

MARGUTTI, P. História da filosofia do Brasil (1500-hoje): 2ª parte: a ruptura iluminista (1808-1843). São Paulo: Loyola, 2020.

MARQUES, L.A.; PEREIRA, J. P. R. Escritos sobre escravidão. Porto Alegre: Fi, 2020.

MARQUES, L.A. A lógica da necessidade: o ensino de Rodrigo Homem no Colégio do Maranhão (1720-1725). Porto Alegre: Fi, 2018.

MARQUES, L.A. Philosophia brasiliensis: história, conhecimento e metafísica no período colonial. Porto Alegre: Fi, 2015.

MARQUES, L.A. The Jesuitical philosophical heritage in Brazil. Massachusetts: Boston College, 2020 (no prelo).

MATTOS, C. L. Frei Gaspar da Madre de Deus. Revista Brasileira de Filosofia, v. XX, fasc. 78, p. 222-5, 1970.

MATTOS, C. L. Trechos de Frei Gaspar da Madre de Deus. Revista Brasileira de Filosofia v. XXII, fasc. 85, p. 70-86, 1972.

PAIM, A. Etapas iniciais da filosofia brasileira. Vol. III. Londrina: UEL, 1998.

VAINFAS, R. Dicionário do Brasil colonial, 1500-1808. Rio de Janeiro: Objetiva, 2000.

Publicado
2021-06-07
Como Citar
Marques, L. Álvaro. (2021). Em busca de uma filosofia colonial brasileira. Veritas (Porto Alegre), 66(1), e39730. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2021.1.39730
Seção
Ética e Filosofia Política