A crise jurisdicional-ambiental

Uma leitura arendtiana

Palavras-chave: Crise da jurisdição, Hannah Arendt, Crise ambiental.

Resumo

O presente trabalho pretende ler o fenômeno da crise da jurisdição e alguns de seus corolários, em especial na seara de proteção ambiental, à luz do pensamento de Hannah Arendt. Para tanto, busca estabelecer paralelos entre as reflexões jurídicas, mormente assentadas na crítica do paradigma racionalista e da “consumerização” do Direito, e as meditações arendtianas. Sinaliza a necessidade de paradigma capaz de lançar luzes a um Direito igualmente exortado a responsabilizar-se pelo meio ambiente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Dagostini Gardelin, Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul, RS, Brasil

Graduado em Direito pela Universidade de Caxias do Sul (UCS), em Caxias do Sul, RS, Brasil; mestrando em
Direito Ambiental em Direito da Universidade de Caxias do Sul (UCS), em Caxias do Sul, RS, Brasil.

Cleide Calgaro, Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul, RS, Brasil

Doutora em Ciências Sociais na Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), em São Leopoldo, RS, Brasil. Doutora em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil; Doutora em Direito pela Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC), em Santa Cruz do Sul, RS, Brasil; professora da Graduação e Pós-Graduação em Direito na Universidade de Caxias do Sul (UCS), em Caxias do Sul, RS, Brasil. Pós-doutora em Filosofia e em Direito, ambos pela PUCRS.

Draiton Gonzaga de Souza, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Doutor em Filosofia (Universidade de Kassel, Alemanha) e em Direito pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre, RS, Brasil; professor titular e Decano da Escola de Humanidades da PUCRS, atuando, na graduação e na pós-graduação, como Professor Permanente no PPG em Filosofia e no PPG em Direito.

Referências

ARENDT, Hannah. Homens em tempos sombrios. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

ARENDT, Hannah. Origens do Totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

ARENDT, Hannah. A dignidade da política: ensaios e conferências. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1993.

ARENDT, Hannah. Responsabilidade e julgamento. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

ARENDT, Hannah. Sobre a revolução. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 2014.

ARENDT, Hannah. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2016a.

ARENDT, Hannah. Escritos judaicos. Barueri, São Paulo: Amarilys, 2016b.

ARENDT, Hannah. A vida do espírito: o pensar, o querer, o julgar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016c.

ARENDT, Hannah. Diario filosófico: 1950-1973. Edición de Ursula Ludz e Ingeborg Nordmann. Traducción de Raúl Gabás. Barcelona: Empresa Editorial Herder S.A., 2018.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 10 jul. 2019.

BRONZE, José Fernando. Lições de Introdução ao Direito. Coimbra: Coimbra Editora, 2010.

CASTANHEIRA NEVES, António. Entre o “legislador”, a “sociedade” e o “juiz” ou entre “sistema”, “função” e “problema”: os modelos actualmente alternativos da realização jurisdicional do direito. Boletim da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, vol. LXXIV, Coimbra, 1998a. Disponível em: https://www.uc.pt/fduc/corpo_docente/galeria_retratos/castanheira_neves/pdf/doutrina_LXXIV_1998.pdf. Acesso em: 10 jul. 2019.

CASTANHEIRA NEVES, António. Teoria do Direito: Lições proferidas no ano lectivo de 1998/1999, policopiado, Coimbra, 1998b.

CORREIA, Adriano. Hannah Arendt e a modernidade: política, economia e a disputa por uma fronteira. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014.

DUARTE, André. Modernidade, biopolítica e violência: a crítica arendtiana ao presente. In: DUARTE, André; LOPREATO, Christina; BREPOHL, Marion. (Orgs.). A banalização da violência: a atualidade do pensamento de Hannah Arendt. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2004.

ÉSQUILO. Prometeu acorrentado: uma tragédia grega. Tradução do grego por Mário da Gama Kury. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2013.

FERRAZ JUNIOR, Tercio Sampaio. Introdução ao estudo do direito: técnica, decisão, dominação. São Paulo: Atlas, 2012.

FERRAZ JUNIOR, Tercio Sampaio. Estudos de filosofia do direito: reflexões sobre o poder, a liberdade, a justiça e o direito. São Paulo: Atlas, 2002.

GOETHE, Johann Wolfgang von. Fausto: uma tragédia – segunda parte. Tradução de Jenny Klabin Segall; apresentação, comentários e notas de Marcus Vinicius Mazzari. São Paulo: Ed. 34, 2011.

LEFF, Enrique. Racionalidade ambiental: a reapropriação social da natureza. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

LOPES SALDANHA, Jânia Maria. A paradoxal face "hipermoderna" do processo constitucional: um olhar sobre o direito processual brasileiro. Estudios Constitucionales, vol. 8, n.2, 2010, pp.675-706, Santiago, Chile. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=82015660020. Acesso em: 25. jul. 2019.

LUNELLI, Carlos Alberto. Por um novo paradigma processual nas ações destinadas à proteção do bem ambiental. A contribuição do contempt of court. In: LUNELLI, Carlos Alberto; MARIN, Jeferson (Orgs.). Estado, meio ambiente e jurisdição. Caxias do Sul: Educs, 2012.

LUNELLI, Carlos Alberto. Direito ambiental e novos direitos. In: RECH, Adir Ubaldo; MARIN, Jeferson; AUGUSTIN, Sérgio. (Orgs.). Direito ambiental e sociedade. Caxias do Sul: Educs, 2015.

MARIN, Jeferson Dytz. Relativização da coisa julgada e inefetividade da jurisdição: de acordo com a lei 13.105 de 16.03.2015 – Novo Código de Processo Civil. Curitiba: Juruá, 2015a.

MARIN, Jeferson Dytz. Crise da jurisdição e decisionismo em Alexy: prisioneiros da liberdade. Curitiba: Juruá, 2015b.

OST, François. A natureza à margem da lei: a ecologia à prova do direito. Lisboa: Instituto Piaget, 1997.

PILATI, José Isaac. Propriedade e função social na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2013.

PLATÃO. Fedro. Edição bilíngue; tradução e apresentação de José Cavalcante de Souza; posfácio e notas de José Trindade Santos. São Paulo: Editora 34, 2016.

SARLET, Ingo Wolfgang; FENSTERSEIFER, Tiago. Direito ambiental: introdução, fundamentos e teoria geral. São Paulo: Saraiva, 2014.

SERRES, Michel. O contrato natural. Lisboa: Instituto Piaget, 1990.

SILVA, Ovídio Araújo B. da. Sentença e coisa julgada. Rio de Janeiro: Forense, 2003.

SILVA, Ovídio Araújo B. da. Processo e ideologia: o paradigma racionalista. Rio de Janeiro: Forense, 2006.

SILVEIRA, Clóvis Eduardo Malinverni da. Risco ecológico abusivo: a tutela do patrimônio ambiental nos Processos Coletivos em face do risco socialmente intolerável. Caxias do Sul: Educs, 2014.

Publicado
2020-12-31
Como Citar
Gardelin, L. D., Calgaro, C., & de Souza, D. G. (2020). A crise jurisdicional-ambiental: Uma leitura arendtiana. Veritas (Porto Alegre), 65(3), e37346. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2020.3.37346
Seção
Varia