Memória ética e reparação nas teses sobre o conceito da história de Walter Benjamin

Palavras-chave: Walter Benjamin, Memória ética, Reparação, Conceito da história

Resumo

O presente artigo discute o conceito de memória ética em Walter Benjamin a partir das teses Sobre o conceito da história. Argumenta-se que a partir deste autor se pode atribuir um papel ético e reparador às investigações acerca dos fenômenos humanos, retirando-os do lugar comum de “fatos sociais” e reivindicando-se uma memória ética na sua intepretação, que desde o início está comprometida em “escovar a história a contrapelo”. Isso significa escavar as ruínas dos monumentos e documentos de cultura e extrair deles o seu teor de documentos de barbárie. A partir da alegoria do Angelus Novus, apresentada pelo autor na IX Tese, sugere-se que a função do método de investigação histórica é de despertar as vozes que foram silenciadas pela versão oficial da história, iluminando o presente com rememorações prenhes de compromisso ético com uma noção de história que não tem fim em si mesma, mas que foi forjada sobre o jugo das opressões dos vencedores. Sugere-se que a alegoria do Anjo se reporta à própria função social do investigador materialista, cujo compromisso é preencher o “tempo vazio e homogêneo” com o “tempo de agora” [Kairós], rico em histórias e memórias dos esquecidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lidnei Ventura, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Florianópolis, SC, Brasil

Doutor em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC, Florianópolis, SC, Brasil), professor da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) em Florianópolis, SC, Brasil.

Referências

ARENDT, H. Homens em tempos sombrios. Tradução Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

BARRENTO, J. Comentários. Sobre o conceito da história. In: BENJAMIN, W.; BARRENTO, João (org). O anjo da história. Tradução João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

BENJAMIN, W. A modernidade e os modernos. Tradução Heindrun K. M. da Silva, Arlete de Brito e Tania Jatobá. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1975.

BENJAMIN, W. Passagens. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007.

BENJAMIN, W. A tarefa do tradutor. In: CASTELO BRANCO, L. (org.). A tarefa do tradutor, de Walter Benjamin: quatro traduções para o português. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2008.

BENJAMIN, W. Obras Escolhidas I, Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução Sérgio P. Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 2012a.

BENJAMIN, W. Obras escolhidas II, Rua de mão única. Tradução Rubens J. T. Filho e José Carlos M. Barbosa. São Paulo: Brasiliense, 2012b.

BENJAMIN, W. O anjo da história. Organização e tradução João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

BENJAMIN, W. Origem do drama trágico alemão. Tradução João Barrento. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

BENJAMIN, W. Baudelaire e a modernidade. Organização e tradução João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

CAPANI, C. A. Fundamentos da cabala: sêfer yetsirá. Pelotas: Editora Universitária/UFPEL, 2011.

CERTEAU, M. de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. 21. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

GADAMER, H. J. Verdade e método I. Tradução Flávio Paulo Meurer. 14. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

GAGNEBIN, J-M. História e narração em Walter Benjamin. São Paulo: Perspectiva, 2013.

GAGNEBIN, J-M. Limiar, aura e rememoração: ensaios sobre Walter Benjamin. São Paulo: Editora 34, 2014.

KOTHE, F. R. A alegoria. São Paulo: Ática, 1986.

Publicado
2020-12-31
Como Citar
Ventura, L. (2020). Memória ética e reparação nas teses sobre o conceito da história de Walter Benjamin. Veritas (Porto Alegre), 65(3), e36726. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2020.3.36726
Seção
Varia