Os métodos de prova nos Primeiros Analíticos de Aristóteles e sua natureza normativa

Palavras-chave: Lógica, Silogismo, Prova, Inferencialismo

Resumo

Este artigo se divide em duas etapas. A primeira etapa tem o objetivo de apresentar, dos tópicos 1 ao 5, três métodos de prova e um de contraprova presentes nos Primeiros Analíticos de Aristóteles. Fornecendo uma notação de fácil acesso, compreensão e relativamente neutra à interpretações com o objetivo de demonstrar que a silogística preserva interessantes ferramentas de dedução e questões intuitivamente férteis para investigação filosófica, em especial, àqueles que desejam compreender leituras filosóficas à lógica de Aristóteles, como as presentes em Łucasievicz (1957) e Corcoran (2009). A segunda etapa consiste em oferecer uma interpretação inferencialista ao estilo de Robert Brandom (1999) para a silogística aristotélica. Para realizar esta tarefa, iniciaremos com a apresentação do contexto e dos elementos formais de desenvolvimento do método aristotélico de prova de argumentos chamado silogística. Em seguida, apresentarei o método direto de prova que envolve converter sentenças em silogismos imperfeitos e permutar a posição sujeito-predicado delas, de modo a obter um silogismo perfeito. Depois, apresentarei o método chamado reductio ad impossibile que se vale das regras do método direto, das relações semânticas entre sentenças categóricas e de hipóteses para provar a validade do silogismo. Por fim, apresento o método de prova chamado ekthesis, que envolve a introdução de categorias intermediárias e suas manipulações entre esquemas dedutivos a fim de provar a validade do silogismo. A segunda etapa, dos tópicos 6 ao 8, consiste na discussão da silogística como um sistema baseado em regras, inspirado nos trabalhos de Żłarnecka–Biały (1993) e Corcoran (2018). A partir do qual exploro a possibilidade de interpretar a silogística de uma perspectiva inferencialista, como uma estratégia lógica de explicitação do “jogo de dar e pedir razões” que marcou a filosofia por cerca de dois milênios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ralph Leal Heck, Faculdade Católica de Fortaleza (FCF), Fortaleza, CE, Brasil

Doutor em Filosofia pela Universidade Federal do Ceará (UFC), em Fortaleza, CE, Brasil; professor da Faculdade Católica de Fortaleza (FCF), em Fortaleza, CE, Brasil; professor da Universidade Federal do Ceará (UFC), em Fortaleza, CE, Brasil.

Referências

ANGIONI, L. Introdução à Teoria da Predicação em Aristóteles. São Paulo: UNICAMP, 2006.

ARISTÓFANES. As Nuvens. Tradução Gilda Maria Reale Strazynski. São Paulo: Nova Cultural, 1987. (Coleção os Pensadores).

ARISTÓTELES. The Complete Works of Aristotle. Ed. Jonathan Barnes. New Jersey: Princeton University Press, 1995. 2 v.

ARISTÓTELES. Órganon. Trad. Edson Bini. São Paulo: Edipro, 2010.

ARISTÓTELES. Metafísica. 3 v. Trad. para o Italiano de Giovanni Reale; Trad. para o Português de Marcelo Perine. São Paulo: Loyola, 2002.

BARNES, J. (org.) Aristóteles. São Paulo: Ideias & Letras, 2009.

BÉZIAU, J.-Y. New Light on the Square of Oppositions and its Nameless Corner. Logical Investigations, [s. l.], v. 10, p. 218-233.,2003.

BLANCHÊ, R.; DUBUCS, J. História da Lógica: de Aristóteles a Bertrand Russel. Lisboa: Edições 70, 1996.

BRANDOM, Robert B. Articulating Reasons: An Introduction to Inferencialism. Cambridge: Harvard University Press, 2000.

BRANDOM, Robert B. Making it Explicit: Reasoning, Representing and Discursive Commitment. Cambridge: Harvard University Press, 1998.

COPI, I. Introdução à lógica. São Paulo: Mestre Jou, 1978.

CORCORAN, J. Logical form. In: AUDI, R. (ed.). Cambridge Dictionary of Philosophy. 2. ed. Cambridge University Press, Cambridge, 1999.

CORCORAN, J. Aristotle’s demonstrative logic. History and Philosophy of Logic, Londres, v. 30, p.1-20, 2009. https://doi.org/10.1080/01445340802228362.

CORCORAN, J. Aristotle’s Prototype Rule-Based Underlying Logic. Logica Universalis, Basel, v. 12, n. 1-2, p. 9-35, 2018. https://doi.org/10.1007/s11787-018-0189-4.

HINTIKKA, J. Aristotelian induction. Rev. Int. Philos. [s. l.], v. 34, p. 422-439, 1980.

KNEALE, M.; KNEALE, W. O Desenvolvimento da Lógica, 3. ed. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 1968.

LAGERLUND, H. Medieval Theories of the Syllogism. In: The Stanford Encyclopedia of Philosophy (Winter 2017 Edition). Disponível em: https://plato.stanford.edu/archives/win2017/entries/medieval-syllogism/. Acessado em: 05 set. 2019.

LUKASIEWICZ, J. Aristotle’s Syllogistic from the Standpoint of Modern Formal Logic. Oxford: Oxford University Press, 1957.

MORTARI, C.A. Introdução à Lógica. 2. ed. São Paulo: Ed. Unesp, 2016.

PATZIG, G. Aristotle’s Theory of the Syllogism. Trans. Jonathan Barnes. Dordrecht: D. Reidel, 1969.

PLATÃO. A República. 2. ed. Tradução Edson Bini. São Paulo: Edipro, 2012.

PLATÃO. Protágoras. Tradução Daniel R. N. Lopes. São Paulo: Perspectiva, 2017.

SMITH, R. Aristotle’s Logic. In: The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Summer 2019 Edition. Disponível em: https://plato.stanford.edu/archives/sum2019/entries/aristotle-logic/. Acessado em: 05 set. 2019.

SMITH, R. What Is Aristotelian Ecthesis? History and Philosophy of Logic, Londres, v.3, n. 2, p.113–127. 1982. https://doi.org/10.1080/01445348208837035.

ŻŁARNECKA–BIAŁY, E. Aristotle’s Proofs by Ecthesis. Bulletin of the Section of Logic, Lodz, v. 22, n.1, p. 40-44, 1993.

Publicado
2020-12-31
Como Citar
Heck, R. L. (2020). Os métodos de prova nos Primeiros Analíticos de Aristóteles e sua natureza normativa. Veritas (Porto Alegre), 65(3), e35620. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2020.3.35620
Seção
Epistemologia & Filosofia da Linguagem