Reforma do controle social na China: Antes e depois de 1978

  • Vítor Eduardo Alessandri Ribeiro Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: China, controle social, reforma institucional.

Resumo

O presente artigo aborda o processo de reforma de instituições de controle social na China em perspectiva histórica compreendida entre dois momentos, anterior e posterior ao ano de 1978. A pesquisa apoia-se em dados contextuais e evidências empíricas documentais tratadas não como elementos dotados de valor metodológico em si, mas cuja relevância persiste porquanto permaneçam referidas ao ambiente social mais amplo. O trabalho apresenta traços gerais em torno dos quais a reforma institucional do controle social na China pode ser compreendida.

Biografia do Autor

Vítor Eduardo Alessandri Ribeiro, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Graduado em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (USP)

Graduado em Relações Internacionais pela Pontifícia Universidade Católica da São Paulo (PUC-SP)

Mestre em Sociologia pelo Programa de Pós-graduação em Sociolodia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGS-UFRGS)

Doutorando em Sociologia pelo Programa de Pós-graduação em Sociolodia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGS-UFRGS)

Referências

ARRIGHI, G. Adam Smith in Beijing: Lineages of the Twenty-First

Century. London, New York: Verso, 2010 [2007].

AZEVEDO, R. G. O controle penal sob a ótica da teoria sociológica. Revista Transdisciplinar de Ciências Penitenciárias, Pelotas,

v. 3, n. 1, p. 63-85, 2005.

BALME, S. Constituição. In: SANJUAN, Thierry. China contemporânea. São Paulo: Edições 70, 2009. p. 127-8.

Banco Mundial (2014). Disponível em: <http://data.worldbank.org/country/china>.

BIDDULPH, S. Legal Reform and Administrative Detention Powers in China. Cambridge: Cambridge University Press, 2007.

CASTRO, A. B. de. No espelho da China. Rio de Janeiro: Universidade

Federal do Rio de Janeiro, 2007. Disponível em:

gr.unicamp.br/ceav/content/pdf/pdf_textobrasilnoespelhodachina.pdf>.

Constituição do Partido Comunista Chinês (1921). Disponível em: <http://cpc.people.com.cn/GB/64162/64168/64554/4428163.html>

FAIRBANK, J. K. Creating a new State. In: The Great Chinese Revolution: 1800-1985. New York: Harper & Row, 1986, p. 273-295.

Disponível em: <http://archives.cerium.ca/IMG/pdf/Fairbank_-_Great_revolution_Chap-_15.pdf>.

GOLDENBERG, M. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. Rio de Janeiro: Record, 2011.

GUIHUA, X. Market transition of laid-off workers in urban China. In: SATO, Yoshimichi (Ed.). Deciphering stratification and

inequality: Japan and beyond. Melbourne: Trans Pacific Press, 2007. p. 183-216.

Gongan jiguan renmin jingcha zhifa guocuo zeren zhuijiu guiding (“Decisão sobre Malfeitos na Aplicação da Lei pelas Agências

de Segurança Pública e Departamentos de Segurança Pública”). Disponível em: <http://www.mps.gov.cn/n16/n1282/n3493/n3823/

n443822/457121.html>.

JING, Z. Évolution politique et justification des normes de légitimité dans le discours social. In: ROULLEAU-BERGER, L.; YUHUA,

G.; PEILIN, L.; SHIDING, L. (Eds.). La nouvelle sociologie chinoise. Paris: CNRS Éditions, 2008. p. 381-408.

KREISSLER, F. Longa marcha. In: SANJUAN, T. China contemporânea. São Paulo: Edições 70, 2009. p. 292-293.

Lei de Polícia da China (1957). Disponível em: <http://bbs.tiexue.net/post2_5471035_1.html>.

Lei de Polícia do Povo da China (1995). Disponível em: <http://www.lawinfochina.com/display.aspx?lib=law&id=123>.

LIPING, S.; JUN, J.; YUAN, S.; YUHUA, G. Des chercheurs chinois réclament des reformes dans leur pays. 2011. Disponível em:

<http://www.monde-diplomatique.fr/2011/07/JUN/20764>.

LUBMAN, S. B. Bird in a Cage – legal reform in China after Mao. Stanford University Press, 1999.

MAY, T. Pesquisa social: questões, métodos e processos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

MUHLHAHN, K. Criminal Justice in China. Harvard University Press, 2009.

MUNIZ, J. de O.; PAES-MACHADO, E. Polícia para quem precisa de polícia: contribuições aos estudos sobre policiamento. Caderno

CRH, Salvador, v. 23, n. 60, p. 437-447, set.-dez. 2010.

PEILIN, L.; YUHUA, G.; SHIDING, L. La sociologie chinoise face à la transition sociale. In: ROULLEAU-BERGER, L.; YUHUA,

G.; PEILIN, L.; SHIDING, L. (Eds.). La nouvelle sociologie chinoise. Paris: CNRS Éditions, 2008. p. 81-89.

PEILIN, L. Changes in China’s social stratification since 1978. In: PEILIN, L. et al. (Orgs.). Handbook on Social Stratification in the

BRIC countries: change and perspective. Singapore: World Scientific, 2013. p. 59-84.

RIBEIRO, V. E. A. Policiar na China contemporânea. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Programa de Pós-graduação em

Sociologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.

ROULLEAU-BERGER, L.; YUHUA, G.; PEILIN, L.; SHIDING, L. (Eds.). La nouvelle sociologie chinoise. Paris: CNRS Éditions,

SANJUAN, T. Prefácio: A China contemporânea. In: SANJUAN, T. China contemporânea. São Paulo: Edições 70, 2009. p. 9-16.

SANTOS, B. de S. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez, 2009.

SKOCPOL, T. States and Social Revolutions. Cambridge, London, New York, New Rochelle, Melbourne, Sydney: Cambridge

University Press, 2008.

SKOCPOL, T. Emerging agendas and recurrent strategies in historical sociology. In: SKOCPOL, T. (Ed.). Vision and method in

historical sociology. Cambridge University Press: 2013. p. 356-391.

WONG, K. C. Chinese Policing: history and reform. New York: Peter Lang Publishing, 2009. <http://dx.doi.org/10.1201/9781420093599.

ch10>

WONG, K. C. Police Reform in China: advances in Police Theory and practice. Boca Raton, CRC Press, 2012.

Nota oficial sobre a 20ª Conferência Nacional de Segurança Pública publicada pelo governo central da República Popular da China.

<http://www.gov.cn/ztzl/content_355438.htm>

Publicado
2015-11-30
Seção
Dossiê Crime, Polícia e Justiça no Brasil