A pacificação e suas tramas Conflitos em torno da construção de normas sociais em duas favelas cariocas

  • Rodrigo de Araujo Monteiro Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: políticas de segurança pública, conflitos, violência urbana, Unidades de Polícia Pacificadora, sociologia figuracional.

Resumo

A partir da sociologia figuracional de Norbert Elias, onde o conflito e o poder estão presentes em todas as relações sociais e onde cada grupo ou indivíduo possui uma fração de poder, buscarei explorar nesse artigo as relações de dominação, poder e as tensões entre moradores, policiais e traficantes em duas favelas do Rio de Janeiro com Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) onde realizei pesquisa de campo. Dessa forma, entendo o crescimento da tensão entre policiais e moradores também como disputas pela internalização de normas e elaboração de regras que constituem a vida social nas favelas. O crescimento da tensão entre policiais e traficantes tem levado ao questionamento da autoridade policial, sua legitimidade e aquiescência. Tais fatores ratificam a ideia de favelas como espaços segmentados e marcados por intensas disputas de poder político, econômico e simbólico. Personagens chaves nesses cenários são: lideranças comunitárias, gestores de políticas públicas locais, comerciantes, policiais e traficantes.

Biografia do Autor

Rodrigo de Araujo Monteiro, Universidade Federal Fluminense
Graduado em Ciências Sociais (UFRJ - 1997), Mestre em Ciências Sociais (2001), Doutor em Saúde Coletiva (2009). Professor Adjunto de Sociologia do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal Fluminense - Campos dos Goytacazes.

Referências

ALBERNAZ et alli. Tensões e Desafios de um policiamento comunitário em favelas do Rio de Janeiro: o caso do Grupamento de Policiamento em Áreas Especiais. São Paulo em Perspectiva, v. 21, n. 2, p. 39-52, jul./dez. 2007.

ELIAS, Norbert. Introdução à Sociologia. Lisboa: Edições 70, 2008.

FLEURY, Sonia. Militarização do social como estratégia de integração: o caso da UPP do Santa Marta. Sociologias, Porto Alegre, v. 14, n. 30, ago. 2012.

GLEDHILL , John. Segurança humana: uma meta viável? Cad. CRH, Salvador, v. 25, n. 66, p. 519-533, Dec. 2012. n. 23, Apr. 2015.

HARVEY, David. Cidades Rebeldes. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

MACHADO, Luiz Antonio. Sociabilidade Violenta: por uma interpretação da criminalidade contemporânea no Brasil urbano. Sociedade e Estado, Brasília, v. 19, n. 1, p. 53-84, jan.-jun. 2004. <http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69922004000100004>

MISSE, Michel. Crime organizado e crime comum no Rio de Janeiro: diferenças e afinidades. Rev. Sociol. Polit., Curitiba, v. 19, n. 40, oct. 2011.

MUNIZ, Jacqueline & MELL O, Katia. Nem tão perto nem tão longe: o dilema da construção da autoridade policial nas UPPs. Civitas, Porto Alegre, v. 15, n. 1, p. 44-65, jan.-mar. 2015.

SASSEN, Saskia. Cities in a World Economy. California: Pine Force Press, 2006.

SIMMEL, Georg. Simmel. Organizado por Evaristo Moraes Filho. São Paulo: Ática, 1983. (Coleção Grandes Cientistas Sociais).

WOUTERS, Cas. Como continuaram os processos civilizadores: rumo a uma informalização dos comportamentos e a uma personalidade de terceira natureza. Revista Sociedade e Estado, Brasília, v. 27, n. 3, p. 546-570, set.-dez. 2012. <http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69922012000300006>

ZALUAR, Alba. Integração Perversa: Pobreza e Tráfico de Drogas. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

Publicado
2015-11-14
Seção
Dossiê Crime, Polícia e Justiça no Brasil