Repare bem: a narrativa fílmica por uma justiça reconstrutiva

  • Vanessa Schinke Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
  • Jeniffer Cuty Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Bruno Rigon Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
  • Henrique Bull Richter Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
  • Júlia Freitas Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Justiça de Transição. Justiça Restaurativa. Narrativa Fílmica. Memória Coletiva. Anistia.

Resumo

Este artigo busca promover uma reflexão sobre justiça de transição a partir da interpretação de aspectos do documentário Repare Bem (2012), de autoria de Maria de Medeiros. Nesta narrativa fílmica observamos a força do relato de vida de duas mulheres, Denise Crispim, a mãe, e Eduarda Crispim Leite, sua filha, as quais foram perseguidas pelas ditaduras civil-militares no Brasil e no Chile nos anos 1970. Aderimos conceitualmente, para esta leitura, ao referencial teórico dos estudos sobre justiça de transição, justiça restaurativa e justiça reconstrutiva, bem como do campo do imaginário social e da memória coletiva. O texto foi produzido no âmbito do debate do grupo de pesquisa Direito à Memória e à Verdade e Justiça de Transição, ligado ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Criminais da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.


DOI: http://dx.doi.org/10.15448/2177-6784.2014.1.17235

Biografia do Autor

Vanessa Schinke, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Doutoranda em Ciências Criminais, na linha "Violência, Crime e Segurança Pública", pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade de Brasília (UnB), na linha de pesquisa "Constituição, Processo e Teoria Constitucionais, Direito Fundamentais". Atualmente dedica-se à linha relativa à memória constitucional, especificamente aos fenômenos relacionados à Anistia Poítica. Foi analista processual da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça/Brasil. Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais, pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) e pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), do Curso de Bacharelado em Letras, com habilitação para Tradução. Presta consultoria para Municípios, assessoria em políticas públicas e demandas relativas a agentes políticos.
Jeniffer Cuty, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Professora adjunta da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), lotada no Departamento de Ciência da Informação, na Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação. Doutora em Planejamento urbano, arquiteta e urbanista pela UFRGS, graduanda em Direito pela PUCRS.
Bruno Rigon, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Mestrando em Ciências Criminais na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Bolsista CAPES. Graduação em Ciências Jurídicas e Sociais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).
Henrique Bull Richter, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Mestrando em Ciências Criminais na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Graduação em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Júlia Freitas, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Graduanda em Ciências Jurídicas e Sociais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Bolsista FAPERGS de Iniciação Científica.

Referências

ANDRADE, Vera Regina Pereira de. Minimalismos, Abolicionismos e Eficientismo: a crise do sistema penal entre a deslegitimação e a expansão. Revista Seqüência, n. 52, p. 170-174, jul. 2006.

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

BACHOF, Otto. Jueces y Constitución. Madrid, 1985.

BENJAMIN, Walter. O narrador. Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre Literatura e Historia da Cultura. São Paulo, Brasiliense, 1993. p. 197-221.

______. Passagens. Belo Horizonte: Editora da UFMG; São Paulo: Imprensa Oficial, 2006.

BUENO, Tomás Valladolid Bueno. La Justicia Reconstructiva: Presentación de un Nuevo Paradigma. In: MATE, Reyes; ZAMORA, José A. (Orgs.). Justicia y Memoria: Hacia una teoria de la justicia anamnética. Barcelona: Anthropos, 2011.

CAPPELLETTI, Mauro. Juízes legisladores? Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 1999.

______. Juízes irresponsáveis? Porto Alegre: Sérgio Antonio Fabris Editor, 1989.

______. O controle judicial de constitucionalidade das leis no direito comparado. Porto Alegre: Sérgio Antonio Fabris Editor, 1984.

CAPPELLETTI, Mauro; GARTH, Bryant. Acesso à justiça. Fabris, 1988.

DWORKIN, Ronald. O império do direito. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

GARAPON, Antoine. Crimes que não se podem punir nem perdoar: para uma justiça internacional. Lisboa: Piaget, 2002.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2006.

HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Editora 34, 2003.

LACLAU, Ernesto. A razão populista. São Paulo: Três Estrelas, 2013.

______. O retorno do povo: razão populista, antagonismo e identidades coletivas. Revista Política & Trabalho, v. 23, 2005.

MATE, Reyes. Memórias de Auschwitz: Atualidade e política. São Leopoldo: Nova Harmonia, 2005.

MOUFFE, Chantal. Toward an agonistic model of democracy. Revista de Sociologia e Política, n. 25, p. 11-23, 2005a.

______. On the political. Routledge, 2005b.

MOUFFE, Chantal. The democratic paradox. Verso, 2000.

______. Pensando a democracia moderna com, e contra, Carl Schmitt. Cadernos da Escola do Legislativo, n. 1, 1994.

PALLAMOLLA, Raffaella da Porciuncula. Justiça Restaurativa: Da teoria à prática. São Paulo: IBCCRIM, 2009.

RICOEUR, Paul. O si-mesmo como um outro. Campinas, Papirus, 1991.

RODRÍGUEZ, Alejandro Martínez. La rendición de cuentas y lo imprescritible. In: ZAMORA, Jose Antonio; MATE, Reyes (Eds.). Justicia y memoria – hacia una teoría de la justiça anamnética. Barcelona: Anthropos, 2011.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Introdução à sociologia da administração da justiça. In: FARIA, José Eduardo (Org.). Direito e Justiça: a função social do judiciário. 3. ed. São Paulo: Ática, 1997. p. 39-65.

SCHMITT, Carl. O conceito do político – teoria do partisan. São Paulo: Del Rey, 2009.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Narrar o trauma. A questão dos testemunhos de catástrofes históricas. In: UMBACH, Rosani Ketzer (Org.). Memórias da repressão. Santa Maria: UFSM, PPGL, 2008. p. 74-78.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Direito pós-fáustico: por um novo tribunal como espaço de Rememoração e elaboração dos traumas sociais. In: ABRÃO, Paulo; SILVA FILHO, José Carlos Moreira da; TORELLY, Marcelo (Orgs.). Justiça de Transição nas Américas: olhares interdisciplinares, fundamentos e padrões de efetivação. Belo Horizonte: Fórum, 2013.

ZAFFARONI, Eugenio Raúl. Poder judiciário: crise, acertos e desacertos. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1995.

Publicado
2014-06-04
Seção
Dossiê Justiça Restaurativa