De dentro para fora e de fora para dentro: a prisão - no cinema - na sala de aula

  • Maira Rocha Machado Escola de Direito da Fundação Getulio Vargas
Palavras-chave: Ensino do direito. Cinema. Teoria da reabilitação prisional. Teoria da observação.

Resumo

Este artigo discute a utilização de material cinematográfico no curso de direito a partir de diferentes filmes produzidos sobre o sistema prisional paulista. Além de apresentar a atividade proposta aos alunos, o texto narra as possibilidades de utilização deste material em módulos ou cursos de criminologia e epistemologia.

Biografia do Autor

Maira Rocha Machado, Escola de Direito da Fundação Getulio Vargas

Maira Rocha Machado: Professora Associada na Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (DIREITO GV). Possui graduação em Direito pela Universidade de São Paulo (1997), doutorado em Filosofia e Teoria Geral Direito pela Universidade de São Paulo (2003) e pós-doutorado pela Cátedra Canadense de Pesquisa em Tradições Jurídicas e Racionalidade Penal da Universidade de Ottawa (2009-2010). Foi pesquisadora visitante na Universidade de Barcelona (2000-2003) e na Universidade de Nova Iorque - NYU (2012). Desde de 2004 é professora em tempo integral e dedicação exclusiva na DIREITOGV. Tem experiência na atividade de docência e pesquisa em Direito, atuando principalmente nos seguintes temas: direito penal, criminologia, internacionalização do direito e metodologia de pesquisa.

Referências

BERNARDET, Jean-Claude. Cineastas e imagens do povo. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BISILLIAT, Maureen (Org.). Aqui dentro, páginas de uma memória. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 2003.

BROWN, Michelle. Social documentary in prison: the art of catching the state in the act of punishment. In: The arts of imprisonment. Control, resistance and empowerment. Burlington: Ashgate, 2012. p. 101-117

CALIL, Carlos Augusto. A conquista da conquista do mercado. In: LABAKI, Amir; MOURÃO, Maria Dora (Org.). O Cinema do Real. São Paulo: CosacNaif, 2005. p. 158-173.

CANCELLI, Elizabeth. Carandiru: a prisão, o psiquiatra e o preso. Brasília: UnB, 2005.

COHEN, Ana Paula. “Cildo Meireles” em Através: Inhotim. Brumadinho, MG: Instituto Cultural Inhotim, 2008. p. 82-103.

CORDEIRO, Suzann. Até quando faremos relicários. A função social do espaço penitenciário. 2. ed. revista e ampliada. Maceió: EDUFAL, 2010.

CODEIRO, Suzann. De perto e de dentro: a relação entre o indivíduo-encarcerado e o espaço arquitetônico penitenciário a partir de lentes de aproximação. Maceió: EDUFAL, 2009.

CUNHA, Rodrigo de Moura. Memória dos ressentimentos. A Luta Armada através do Cinema brasileiros dos anos 1980 e 1990. Dissertação (Mestrado em História Social da Cultura) – Departamento de História, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), 2006.

DUBÉ, Richard. Système de pensée et réforme du droit criminel: les idées innovatrices du rapport Ouimet (1969). Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade do Quebec, 2008.

ESCOREL, Eduardo. A direção do olhar. In: LABAKI, Amir; MOURÃO, Maria Dora (Org.). O Cinema do Real. São Paulo: CosacNaif, 2005. p. 259-272.

FERREIRA, Carolina; MACHADO, Maira. Exclusão social como prestação do sistema de justiça: um retrato da produção legislativa atenta ao problema carcerário no Brasil. In: RODRIGUEZ, J. R. (Org.). Pensar o Brasil: problemas nacionais à luz do direito. São Paulo: Saraiva, 2012. p. 77-105.

FERREIRA, Luisa; MACHADO, Marta; MACHADO, Maira. Massacre do Carandiru: 20 anos sem responsabilização. Novos Estudos Cebrap.

FOUCAULT, Michel. A verdade e as formas jurídicas. 2. ed. Rio de Janeiro: Nau Editora, 2003.

GROSS, Hymanand; von HIRSCH, Andrew. Sentencing. New York: Oxford University Press, 1981. p. 52-56.

HAMBURGER, Esther. Políticas da representação: ficção e documentário em Ônibus 174. In: LABAKI, Amir; MOURÃO, Maria Dora (Org.). O Cinema do Real. São Paulo: CosacNaif, 2005. p. 196-215.

LABAKI, Amir. É tudo cinema: 15 anos de É tudo verdade. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010.

MACHADO, Maira. A superpopulação prisional como obstáculo ao desenvolvimento sustentável. In: OLIVEIRA, Carina; SAMPAIO, Romulo (Org.). Instrumentos jurídicos para a implementação do desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: FGV, 2012. p. 135-154. Disponível em: www.bibliotecadigital.fgv.br

MACHADO; PIRES; FERREIRA; SCHAFFA. A complexidade do problema e a simplicidade da solução: a questão das penas mínimas. Brasília: Secretaria de Assuntos Legislativos do Ministério da Justiça do Brasil, 2009. Vol. 17. Disponível em: http://portal.mj.gov.br/main.asp?View={329D6EB2-8AB0-4606-B054-4CAD3C53EE73

MACHADO, Ronilde Rocha et al. História. Ensino Médio. Brasília: CIB – Cisbrasil, 2007. Vol. 1, 2 e 3.

MOELLER, Hans-George. Luhmann explained: from souls to systems. Illinois: Open Court, 2006. (Especialmente o capítulo 3: “What is real?”, p. 65-78).

MIRAGLIA, Paula; SALLA, Fernando. O PCC e a Gestão dos Presídios em São Paulo. Entrevista com Nagashi Furukawa. Novos Estudos Cebrap, n. 80, p. 21-41, 2008.

PIRES, Alvaro. Sobre algumas questões epistemológicas de uma metodologia geral para as ciências sociais. In: PIRES, A. et al. (Org.). A pesquisa qualitativa. Enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 69-94.

RAFTER, Nicole. Shots in the mirror. Crime films and society. Oxford: Oxford University Press, 2006.

SALLA, Fernando. As prisões em São Paulo. 1822-1940. São Paulo: Annablume, 2006.

SARAIVA, Leandro. Câmara de mão em mão. Novos Estudos Cebrap, n. 68, p. 176-181, 2004.

XAVIER, Ismail. O olhar e a cena. Melodrama, Hollywood, Cinema Novo, Nelson Rodrigues. São Paulo: Cosac&Naify, 2003.

______. O discurso cinematográfico. A opacidade e a transparência. São Paulo: Paz e Terra, 2012.

Publicado
2014-06-11
Seção
Violência, Crime e Segurança Pública