Reflexões sobre o romance tradicional Dona Infanta

Palavras-chave: Romance tradicional, Cultura popular, Cultura letrada

Resumo

Este artigo parte de uma comparação entre Macabéa, a protagonista de A Hora da Estrela, de Clarice Lispector, D. Caçula, intérprete-narradora de Maruim, SE, e Carolina Maria de Jesus, autora do livro Quarto de Despejo, para estabelecer uma discussão sobre o lugar da cultura do romance tradicional D. Infanta dentro dos estudos literários nacionais. Com exceção da Paraíba e da Bahia, os romances, gênero baladístico de origem ibérica, têm sido pouco estudados no Brasil. Isso ocorre por causa da subalternidade social de suas intérpretes-narradoras e, igualmente, pelo fato de os estudos literários brasileiros contemporâneos voltarem sua atenção apenas para as chamadas “altas literaturas”, a literatura das classes letradas. Para abordar a questão, valho-me da contribuição de teóricos pós-coloniais e da subalternidade, além de autores como Martin Heidegger, Emil Staiger, Octavio Paz, Friedrich Schiller, Percy Bysshe Shelley, entre outros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Marcos dos Santos Trindade, Universidade Federal de Sergipe (UFS), São Cristóvão, SE, Brasil.

Doutor em Estudos Literários pela Universidade Federal de Sergipe (UFS), São Cristóvão, SE, Brasil. Professor de Educação Básica da Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura de Sergipe (SEDUC/SE) e Membro Pesquisador do CIMEEP (Centro Internacional e Multidisciplinar de Estudos Épicos). 

 

Referências

BARBAS, Helena. Almeida Garrett — o trovador moderno. Lisboa: Edições Salamandra, 1994.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaio sobre literatura e história da cultura. Tradução de Sérgio Paulo Rouanet; prefácio de Jeanne Marie Gagnebin. São Paulo: Brasiliense, 1994. (Obras escolhidas; v. 1).

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Tradução de Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis, Gláucia Renate Gonçalves. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998.

BOSI, Alfredo. O ser e o tempo da poesia. São Paulo: Cultrix, 1993.

BURKE, Peter. Cultura popular na Idade Moderna: Europa 1500-1800. Tradução de Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

CASCUDO, Luís da Câmara. Literatura Oral no Brasil. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia; São Paulo: Ed. Da Universidade de São Paulo, 1984.

DOBRANSZKY, E. A. Alguns aspectos da tradução de dois ensaios em defesa da poesia. Cadernos de Tradução, Florianópolis, v. 1, n. 5, p. 47-71, 2000. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/traducao/article/view/5607. Acesso em: 12 maio 2022.

FERRÉ, Pere. Algumas notas sobre a Bela Infanta Luso-brasileira. In: JORNADA SERGIPANA DE ESTUDOS MEDIEVAIS, 1., 1997, Aracaju. Anais [...]. Aracaju: Secretaria de Estado da Cultura, 1997. p. 45-58.

FERRÉ, Pere. Subsídios para a história do Romanceiro Português. In: JORNADA SERGIPANA DE ESTUDOS MEDIEVAIS, 2., 1998, Aracaju. Anais [...]. Aracaju: Secretaria de Estado da Cultura, 1998. p. 21-68.

GARRETT, Almeida. Obras completas de Almeida Garrett. Romances da tradição oral. Lisboa: Empreza da História de Portugal Sociedade Editora, 1904. v. 1.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Tradução de Beatriz Sidou. São Paulo: Centauro, 2003.

HEIDEGGER, Martin. A caminho da linguagem. Tradução de Marcia Sá Cavalcante Schuback. Petrópolis, RJ: Vozes; Bragança Paulista, SP: Editora Universitária São Francisco, 2003.

HEIDEGGER, Martin. Sobre o humanismo. Introdução, tradução e notas de Emmanuel Carneiro Leão. 2. ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1995.

JESUS, Carolina Maria de. Quarto de Despejo: diário de uma favelada. 8. ed. São Paulo: Ática, 2001.

JOYCE, James. Ulisses. Tradução de Antônio Houaiss. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

LIMA, Jackson da Silva. O Folclore em Sergipe, I: romanceiro. Rio de Janeiro: Cátedra; Brasília: INL, 1977.

LISPECTOR, Clarice. A Hora da Estrela. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

PAZ, O. O arco e a lira. Tradução de Ari Rotman e Paulina Wacht. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. Altas Literaturas: escolha e valor na obra crítica de escritores modernos. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

POUND, Ezra. ABC da Literatura. Tradução de Augusto de Campos e José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix, 2002.

PROPP, Vladímir. Morfologia do conto maravilhoso. Tradução de Jasna Paravisch Sarhan. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

SANTIAGO, Silviano. Uma literatura nos trópicos: ensaios sobre dependência cultural. 2. ed. Rio de Janeiro: Rocco: 2000.

SCHILLER, Friedrich. Poesia ingênua e sentimental. Tradução de Márcio Suzuki. São Paulo: Iluminuras, 1991.

SHELLEY, Percy Bysshe. Defesa da poesia. Tradução de J. Monteiro-Grillo. Lisboa: Guimarães Editores, 1986.

SILVA, Anazildo Vasconcelos da; RAMALHO, Christina. História da epopeia brasileira. Teoria, crítica e percurso. Rio de Janeiro: Editora Garamond, 2007. v. 1.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Tradução de Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa, André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

STAIGER, Emil. Conceitos Fundamentais da Poética. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1975.

TAVARES, Hênio Último da Cunha. Teoria Literária. Belo Horizonte: Villa Rica Editoras Reunidas Limitada, 1991.

ZUMTHOR, Paul. Introdução à Poesia Oral. Tradução de Jerusa Pires Ferreira, Maria Lúcia Diniz Pochat e Maria Inês de Almeida. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

ZUMTHOR, Paul. A letra e a voz: A “literatura” medieval. Tradução de Amálio Pinheiro e Jerusa Pires Ferreira. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

Publicado
2022-09-08
Seção
Libera (Seção livre)