Elza Soares

Da tradição à ruptura, uma tradução do ser contemporâneo

Palavras-chave: samba, Biopolítica, Elza Soares, Políticas identitárias, Música brasileira

Resumo

O samba a partir da década de 1910 conseguiu vencer a biopolítica racialista do governo brasileiro, pois, sem ter qualquer compaixão pela população mais pobre e negra após à abolição da escravatura, ainda incentivou a política imigratória. O samba, cunhado essencialmente por negros, conseguiu se tornar patrimônio nacional. Por outro lado, todo artista negro da nossa música, sobretudo a mulher, já era posto no escaninho do samba pelos produtores. Elza Soares se tornou uma grande sambista, mas não queria apenas este posto. Ao longo da vida, tentou se reinventar algumas vezes, até que finalmente, aos 85 anos, alcança o sucesso sem este rótulo. Mostrou ser a perfeita tradução do “ser contemporâneo”, ressignificando também seu discurso, virando também ativista para chegar a um público jovem que a tem como uma deusa negra, feminista e pró-LGBTQ+.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Faour Teixeira, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Literatura, Cultura e Contemporaneidade do Departamento de Letras da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil; graduado em Jornalismo pela mesma instituição.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O campo como paradigma biopolítico do moderno. In: Homo sacer, o poder soberano e a vida nua. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1995. p. 125-193.

AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo? Chapecó: Argos, 2009.

BANHO. Intérprete: Elza Soares. Compositora: Tulipa Ruiz. In: DEUS é mulher. Intérprete: Elza Soares. [S. I.]: Deck Disc, 2018. 1 CD, faixa 3.

CREDO. Intérprete: Elza Soares. Compositor: Douglas Germano. In: DEUS é mulher. Intérprete: Elza Soares. [S. I.]: Deck Disc, 2018. 1 CD, faixa 9.

DEUS há de ser. Intérprete: Elza Soares. Compositor: Pedro Luís. In: DEUS é mulher. Intérprete: Elza Soares. [S. I.]: Deck Disc, 2018. 1 CD, faixa 11.

EU quero comer você. Intérprete: Elza Soares. Compositores: Rômulo Fróes e Alice Coutinho. In: DEUS é mulher. Intérprete: Elza Soares. [S. I.]: Deck Disc, 2018. 1 CD, faixa 4.

EXÚ nas escolas. Intérprete: Elza Soares. Compositores: Kiko Dinucci e Edgar. In: DEUS é mulher. Intérprete: Elza Soares. [S. I.]: Deck Disc, 2018. 1 CD, faixa 2.

FOUCAULT, Michel. Aula de 17 de março de 1976. In: Em defesa da sociedade. São Paulo. Martins Fontes, 2005. p. 285-315.

LAPOUJADE, David. O corpo que não aguenta mais. Tradução de Tiago Seixas Themudo. In: Revista Polichinello. Belém do Pará, 29 abr. 2011. Disponível em: https://revistapolichinelo.blogspot.com/2011/04/o-corpo-que-nao-aguenta-mais.html. Acesso em: 8 jun. 2021.

LÍNGUA solta. Intérprete: Elza Soares. Compositores: Rômulo Fróes e Alice Coutinho. In: DEUS é mulher. Intérprete: Elza Soares. [S. I.]: Deck Disc, 2018. 1 CD, faixa 5.

MARIA de Vila Matilde (Porque se a da Penha é brava imagine a de Vila Matilde). Intérprete: Elza Soares. Compositor: Douglas Germano In: A MULHER do fim do mundo. Intérprete: Elza Soares. [S. I.]: Circus: Natura Musical, 2015. 1 CD, faixa 3.

MILAGRES. Intérprete: Elza Soares. Compositores: Frejat, Cazuza e Denise Barroso. In: SOMOS todos iguais. Intérprete: Elza Soares. [S. I.]: Som Livre: Discobertas, 1985. 1 CD, faixa 11.

MULHER do fim do mundo. Intérprete: Elza Soares. Compositores: Rômulo Fróes e Alice Coutinho. In: A MULHER do fim do mundo. Intérprete: Elza Soaers. [S. I.]: Circus: Natura Musical, 2015. 1 CD, faixa 2.

NBEMBE, Achille. Necropolítica – Biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. Arte & Ensaio, Rio de Janeiro, n. 32, p. 123-151, dez. 2016.

NETO, Lira. Uma história do samba. São Paulo. Companhia das Letras, 2017.

NIETZSCHE, Friedrich. Segunda consideração intempestiva: da utilidade e desvantagem da história para a vida (1874). Rio de Janeiro: Ed. Relume Dumará, 2003.

O QUE se cala. Intérprete: Elza Soares. Compositor: Douglas Germano. In: DEUS é mulher. Intérprete: Elza Soares. [S. I.]: Deck Disc, 2018. 1 CD, faixa 1.

PELBART, Peter Pál. A vida (em) comum. In: Vida capital, Ensaios de biopolítica. São Paulo: Iluminuras, 2003.

PRA fuder. Intérprete: Elza Soares. Compositor: Kiko Dinucci In: A MULHER do fim do mundo. Intérprete: Elza Soares. [S. I.]: Circus: Natura Musical, 2015. 1 CD, faixa 5.

SANTIAGO, Silviano. O cosmopolitismo do pobre. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2004.

SANTIAGO, Silviano. Ser atual, ser paradoxal. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 29 mar. 2013. Disponível em: https://cultura.estadao.com.br/noticias/geral,ser-atual-ser-paradoxal,1014774. Acesso em: 8 jun. 2021.

EU quero comer você. Intérprete: Elza Soares. Compositores: Rômulo Fróes e Alice Coutinho. In: DEUS é mulher. Intérprete: Elza Soares. [S. I.]: Deck Disc, 2018. 1 CD, faixa 4.

EXÚ nas escolas. Intérprete: Elza Soares. Compositores: Kiko Dinucci e Edgar. In: DEUS é mulher. Intérprete: Elza Soares. [S. I.]: Deck Disc, 2018. 1 CD, faixa 2.

FOUCAULT, Michel. Aula de 17 de março de 1976. In: Em defesa da sociedade. São Paulo. Martins Fontes, 2005. p. 285-315.

LAPOUJADE, David. O corpo que não aguenta mais. Tradução de Tiago Seixas Themudo. In: Revista Polichinello. Belém do Pará, 29 abr. 2011. Disponível em: https://revistapolichinelo.blogspot.com/2011/04/o-corpo-que-nao-aguenta-mais.html. Acesso em: 8 jun. 2021.

LÍNGUA solta. Intérprete: Elza Soares. Compositores: Rômulo Fróes e Alice Coutinho. In: DEUS é mulher. Intérprete: Elza Soares. [S. I.]: Deck Disc, 2018. 1 CD, faixa 5.

MARIA de Vila Matilde (Porque se a da Penha é brava imagine a de Vila Matilde). Intérprete: Elza Soares. Compositor: Douglas Germano In: A MULHER do fim do mundo. Intérprete: Elza Soares. [S. I.]: Circus: Natura Musical, 2015. 1 CD, faixa 3.

MILAGRES. Intérprete: Elza Soares. Compositores: Frejat, Cazuza e Denise Barroso. In: SOMOS todos iguais. Intérprete: Elza Soares. [S. I.]: Som Livre: Discobertas, 1985. 1 CD, faixa 11.

MULHER do fim do mundo. Intérprete: Elza Soares. Compositores: Rômulo Fróes e Alice Coutinho. In: A MULHER do fim do mundo. Intérprete: Elza Soaers. [S. I.]: Circus: Natura Musical, 2015. 1 CD, faixa 2.

NBEMBE, Achille. Necropolítica – Biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. Arte & Ensaio, Rio de Janeiro, n. 32, p. 123-151, dez. 2016.

NETO, Lira. Uma história do samba. São Paulo. Companhia das Letras, 2017.

NIETZSCHE, Friedrich. Segunda consideração intempestiva: da utilidade e desvantagem da história para a vida (1874). Rio de Janeiro: Ed. Relume Dumará, 2003.

O QUE se cala. Intérprete: Elza Soares. Compositor: Douglas Germano. In: DEUS é mulher. Intérprete: Elza Soares. [S. I.]: Deck Disc, 2018. 1 CD, faixa 1.

PELBART, Peter Pál. A vida (em) comum. In: Vida capital, Ensaios de biopolítica. São Paulo: Iluminuras, 2003.

PRA fuder. Intérprete: Elza Soares. Compositor: Kiko Dinucci In: A MULHER do fim do mundo. Intérprete: Elza Soares. [S. I.]: Circus: Natura Musical, 2015. 1 CD, faixa 5.

SANTIAGO, Silviano. O cosmopolitismo do pobre. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2004.

SANTIAGO, Silviano. Ser atual, ser paradoxal. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 29 mar. 2013. Disponível em: https://cultura.estadao.com.br/noticias/geral,ser-atual-ser-paradoxal,1014774. Acesso em: 8 jun. 2021.

SEVERIANO, Jairo. Uma história da Música Popular Brasileira. São Paulo: Ed. 34, 2008.

Publicado
2020-12-31
Seção
Temathis (Dossiê temático)