O cancionista e a releitura do cânone literário

Palavras-chave: Poesia, Vocoperformance, Cânone Literário, Canção Popular.

Resumo

Cantar um poema é encontrar a entonação embrionária das palavras; é reativar o uso primário da linguagem. E reafirmar que a palavra cantada é anterior à palavra escrita. A tarefa de transformar a estrutura autotélica da poesia escrita na heterotélica canção requer do cancionista conhecimentos interartes. De que modo cancionistas dos séculos XX/XXI estão lendo poemas de séculos anteriores e repensando o cânone literário? Este trabalho busca compreender a questão através da interpretação da parceria entre Ferreira Gullar e Moacyr Luz; da parceria entre Hilda Hilst e Verônica Sabino; da parceria entre Carlos Drummond de Andrade e Dulce Nunes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonardo Davino de Oliveira, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Doutor em Literatura Comparada pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil; professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Referências

ANDRADE, Carlos Drummond de. Poesia e prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1979.

ANDRADE, Carlos Drummond de, Claro enigma. São Paulo: Companhia das Letras, 2012

CAMUS, Albert. O mito de Sísifo. Lisboa: Livros do Brasil, 1978.

CAVARERO, Adriana. Vozes plurais: filosofia da expressão vocal. Tradução de Flavio Terrigno Barbeitas. Belo Horizonte: UFMG, 2011.

COSTA LIMA, Luiz. Lira e antilira: Mário, Drummond, Cabral. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

ELIOTT, T. S. De poesia e poetas. Tradução de Ivan Junqueira. São Paulo: Brasiliense, 1991.

EURÍPIDES. As bacantes. Tradução de Trajano Vieira. São Paulo: Perspectiva, 2010.

GOLDSTEIN, Norma. Versos, sons, ritmos. São Paulo: Ática, 1986.

GULLAR, Ferreira. Vanguarda e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969.

GULLAR, Ferreira. Cancioneiro. Organizado por Antonio Carlos Secchin. Rio de Janeiro: Topbooks, 2015.

GULLAR, Ferreira. Toda poesia. Rio de Janeiro: José Olympio, 2015.

HILST, Hilda. Júbilo, memória, noviciado da paixão. Organizado por Alcir Pécora. São Paulo: Globo, 2001.

HILST, Hilda. Da poesia. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

KRISTEVA, Julia. Histórias de amor. Tradução de Leda Tenório da Motta. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

LLANSOL, Maria Gabriela. Onde vais, drama-poesia? Lisboa: Relógio d’Água, 2000.

ODE descontínua e remota para flauta e oboé. De Ariana para Dionísio. Intérprete: diversas. São Paulo: Saravá Discos, 2005. 1 CD.

OBRIST, Hans-Ulrich. Entrevistas. Rio de Janeiro: Cobogó, 2012. v. 6.

SAFO. The poetry of Sappho. Translated by Jim Powell. Oxford: Oxford University Press, 2007.

SAMBA do escritor. Intérprete: Dulce Nunes. Rio de Janeiro: Forma, 1968. 1 LP.

SEDUÇÃO carioca do poeta brasileiro. Intérprete: Moacyr Luz. Rio de janeiro: Lua Music, 2005. 1 CD.

TSVETÁEVA, Marina. O poeta e o tempo. Tradução de Aurora Fornoni Bernardini. Belo Horizonte: Âyiné, 2017

WISNIK, José Miguel. Maquinação do mundo: Drummond e a mineração. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

Publicado
2020-12-31
Seção
Temathis (Dossiê temático)