A literatura e a música quando do “fim da canção” em Chico Buarque: uma comparação entre sistemas, tradições e sentidos

Palavras-chave: Sistema literário, sistema cancional, teoria literária, literatura comparada

Resumo

Em uma entrevista realizada em 2004, Chico Buarque pontuou uma certa agonia da forma canção no Brasil por conta da emergência do rap no cenário musical. Na visão do artista, menos do que a impossibilidade de se fazer canções, o que estaria em jogo seria o declínio de uma certa forma de sociabilidade brasileira que estaria no seio da formação do sistema cancional brasileiro. É intenção deste trabalho pensar o manejo que Chico Buarque procura mobilizar do sistema cancional brasileiro, bem como as saídas que procura elaborar na literatura. Nesse sentido, o que é posto em discussão são as especificidades que a tradição brasileira da canção ofereceria para lidar com a matéria histórica brasileira quando comparada com as possibilidades oferecidas pelo sistema literário local. Para tanto, procuraremos analisar tais sistemas (e suas respectivas possibilidades) por meio da fortuna crítica interessada em debater suas respectivas especificidades históricas, bem como pelas perspectivas que Chico Buarque levantou na entrevista de 2004 e em outros momentos.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Cambauva Breda, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas, SP

Fernando Cambauva Breda. Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Teoria e História Literária do Instituto de Estudos da Linguagem/UNICAMP. Desenvolve pesquisa sobre a "tradição da formação do Brasil" e suas implicações estéticas contemporâneas. Projeto de pesquisa orientado por Carlos Eduardo Ornelas Berriel, financiado por bolsa CAPES de 07/2018 a 10/2018 e pela FAPESP a partir de 11/2018 (processo 2018/12355-1). Graduado em Letras pela Universidade de São Paulo. Endereço de e-mail: [email protected]

Referências

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

ARANTES, Paulo. Sentimento da Dialética. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

ARANTES, Paulo. Sentidos da formação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

ARANTES, Paulo. A fratura brasileira do mundo. In: ARANTES, Paulo. Zero à esquerda. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2004, p. 25-79.

ARANTES, Paulo. Da noite para o dia. In: COLETIVO DAR (org.). Dichavando o Poder. São Paulo: Autonomia literária, 2016, p. 137-165.

ENTREVISTA com Paulo Eduardo ARANTES. Trans/Form/Ação, Marília, v. 31, n. 2, p. 7-18, 2008. https://doi.org/10.1590/S0101-31732008000200001.

BARROS E SILVA, Fernando. Folha explica: Chico Buarque. São Paulo: Publifolha, 2004a.

BARROS E SILVA, Fernando. O tempo e o artista. Folha de São Paulo [online], dez. 2004b. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq2612200408.htm. Acesso em 10 nov. 2019.

BARROS E SILVA, Fernando. O fim da canção (em torno do último Chico). Serrote, São Paulo, v. 3, 2009.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 2010.

BOSCO, Francisco. Cinema-canção. In: NESTROVSKI, Arthur (org.). Lendo música. São Paulo: Publifolha, 2007. p. 41-89.

BUARQUE, Chico. 2003. Chico ou o país da delicadeza perdida. [p1990]. Direção Walter Salles Jr. e Nelson Motta. BMG, 82876538929.

BUARQUE, Chico. Estorvo. São Paulo: Companhia das Letras, 1995a.

BUARQUE, Chico. Benjamin. São Paulo: Companhia das Letras, 1995b.

BUARQUE, Chico. O tempo e o artista. Folha de São Paulo, dez. De 2004.

BUARQUE, Chico. Já estou pegando o violão. Revista Ocas, [s. l.] 24 jul. 2004a. Disponível em: http://chicobuarque.com.br/texto/mestre.asp?pg=entrevistas/entre_ocas_240704.htm. Acesso em 30 jul. 2019.

CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira. Belo Horizonte: Editora Itatiaia, 2000.

CANDIDO, Antonio. A sociologia no Brasil. Tempo social, São Paulo, v. 18, n. 1, p. 271-301, jun. 2006. https://doi.org/10.1590/S0103-20702006000100015.

D’ANDREA, Tiaraju Pablo. A formação dos sujeitos periféricos. São Paulo: Programa de Pós-Graduação em Sociologia, USP, 2013.

FELTRAN, Gabriel de Santis. Sobre anjos e irmãos: cinquenta anos de expressão política do “crime” numa tradição musical das periferias. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, [s. l.], n. 56, p. 43-72, jun. 2013. https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i56p43-72.

FERRÉZ (org.). Literatura marginal: talentos da escrita periférica. Rio de Janeiro: Agir, 2005.

GARCIA, Walter. Diário de um detento: uma interpretação. In: NESTROVSKI, Arthur (org.). Lendo música. São Paulo: Publifolha, 2007. p. 179-216.

GARCIA, Walter. Radicalismos à brasileira. Celeuma, v. 1, n. 1, p. 21-31, maio 2013a. https://doi.org/10.11606/issn.2318-7875.v1i1p20-31.

GARCIA, Walter. Melancolias, mercadorias: Dorival Caymmi, Chico Buarque, o pregão de rua e a canção popular-comercial no Brasil. São Paulo: Ateliê Editorial, 2013b.

KEHL, Maria Rita. Radicais, Raciais, Racionais: a grande frátria do rap na periferia de São Paulo. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 13, n. 3,p. 95-106, set. 1999. https://doi.org/10.1590/S0102-88391999000300013.

LUKÁCS, Georg. Teoria do romance. São Paulo: Duas Cidades: Editora 34, 2000.

NAPOLITANO, Marcos. Seguindo a canção. São Paulo: Versão Digital, 2010. Disponível em: https://www.academia.edu/3821530/SEGUINDO_A_CANCAO_digital. Acesso em: 13 fev. 2019.

NAVES, Rodrigo. A forma difícil. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

NOBRE, Marcos. ‘Depois da ‘formação’. Cultura e política da nova modernização. Revista piauí [s. l.], n.74, nov. 2012. Disponível em: https://piaui.folha.uol.com.br/materia/depois-da-formacao/. Acesso em: 20 out. 2019.

OLIVEIRA, Acauam Silvério de. O fim da canção? Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

OLIVEIRA, Francisco. Crítica à razão dualista/O ornitorrinco. São Paulo: Boitempo, 2003a.

OLIVEIRA, Francisco. Programa Roda Viva, TV Cultura, 01 dez. 2003b. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=TFzPvVPLuqA. Acesso em: 03 mar. 2018

ORTIZ, Renato. Imagens do Brasil. Sociedade e estado, Brasília, DF, v. 28, n. 3, p. 609-633, dez. 2013. https://doi.org/10.1590/S0102-69922013000300008.

OTSUKA, Edu. Marcas da catástrofe: experiência urbana e indústria cultural em Rubem Fonseca, João Gilberto Noll e Chico Buarque. São Paulo: Nankin, 2001.

PASTA JR., José Antonio. O romance de Rosa: temas do Grande sertão e do Brasil. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 55, p. 61-70, 1999.

PASTA JR., José Antonio. Prodígios de ambivalência: notas sobre “Viva o povo brasileiro”. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 64, p. 61-72, 2002.

PASTA JR., José Antonio. Uma conversa com José Antonio Pasta. Sinal de Menos, v. 4, p. 13-25, 2010a.

PASTA JR., José Antonio. Volubilidade e ideia fixa: o outro no romance brasileiro. Sinal de Menos, v. 4, p. 13-25, 2010b.

PASTA JR., José Antonio. Formação supressiva. Tese (Livre docência) – USP, São Paulo, 2011.

QUERIDO, Fabio Mascaro. Depois do colapso da modernização. Blog da Boitempo, 04 fev. 2013. Disponível em: https://blogdaboitempo.com.br/2013/02/04/depois-do-colapso-da-modernizacao/. Acesso em: 24 jul. 2017.

RIDENTI, Marcelo Fantasma da revolução brasileira. São Paulo: Editora UNESP, 1993.

SCHWARZ, Roberto. O pai de família e outros estudos. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1978.

SCHWARZ, Roberto. Um mestre na periferia do capitalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

SCHWARZ, Roberto. Que horas são? São Paulo: Cia. das Letras, 2006.

SCHWARZ, Roberto. Desapareceu a perspectiva de um progresso que torne o país decente. In: CARIELLO, R. Folha de S. Paulo, Ilustrada, São Paulo, 2007. Disponível em: https://goo.gl/P7Tbil. Acesso em: 24 jan. 2019.

SCHWARZ, Roberto. Martinha versus Lucrécia. São Paulo: Cia. das Letras, 2012a.

SCHWARZ, Roberto. Ao vencedor as batatas. São Paulo: Duas cidades/Editora 34, 2012b.

SCHWARZ, Roberto. Sequências brasileiras: ensaios. São Paulo, Companhia das Letras, 2014.

SPIVAK, Gayatri. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

SZONDI, Peter. Teoria do drama moderno. São Paulo: Cosac Naify, 2011.

VELOSO, Caetano. Que caminho seguir na Música Popular Brasileira? Revista Civilização brasileira, [s. l.], ano I, n.7, maio 1966.

VELOSO, Caetano. Verdade tropical. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

WILLIAMS, Raymond. Marxismo e literatura. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

REFERÊNCIAS DISCOGRÁFICAS

CHICO BUARQUE. Carioca. Biscoito Fino, 2006

Publicado
2020-07-15
Seção
Temathis