O horror passado permanece vivo: acerca de Setenta, de Henrique Schneider

Palavras-chave: Setenta, Brasil, Romance, Ditadura, Tortura

Resumo

Este ensaio procura trazer à tona os elementos contemporâneos do romance Setenta, de Henrique Schneider, publicado em 2019, tratando de apontar algumas das principais imagens que o livro expõe. O romance desconstrói a consciência apaziguada de um estado de coisas conduzido a sua repetição no Brasil em que vivemos, país ao mesmo tempo oligárquico e paupérrimo. Este ensaio trata de abordar a construção narrativa do romance e os problemas filosóficos e históricos subjacentes a ele, dialogando com algumas referências nacionais e internacionais sobre o tema da memória ética e do testemunho desde a perspectiva literária. Foca no caráter fragmentário do romance para lidar com o horror vivido no passado recente no Brasil e na América Latina, desde uma consciência crítica a respeito do tema, apontando para a necessidade estética de lidar com os traumas provocados na sociedade brasileira nesse período.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Pandolfo, Pesquisador independente
Formado em Direito (PUCRS), atuando como bolsista de Iniciação Científica PIBIC/CNPq. Mestre em Ciências Criminais (PUCRS), bolsista CAPES. Doutor em Teorias Críticas da Literatura (PUCRS), bolsista CNPq. Pós-doutor em Letras (UFPel), bolsista PNPD/CAPES. Pós-doutor em Literatura (UFSC), bolsista PNPD/CAPES.

Referências

ADORNO, Theodor. “O que significa elaborar o passado?” In Educação e Emancipação. Trad. Wolfgang Leo Maar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

ARANTES, Paulo. “1964, o ano que não terminou”. In TELES, E.; SAFATLE, V. (Orgs.) O que resta da ditadura. São Paulo: Boitempo, 2010.

ARENDT, Hannah. Verdade e política. Trad. Manuel Alberto. Lisboa: Relógio D`água, 1995.

BENJAMIN, Walter. Passagens. Trad. Irene Aron e Cleonice Paes B. Mourão. Belo Horizonte: UFMG, 2018.

BENJAMIN, Walter. “Sobre o conceito de história”. In: Obras escolhidas, I, Magia e técnica, arte e política. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1994.

CHEUICHE, Alcy. Ana sem terra. Porto Alegre: L&PM, 2007.

DERRIDA, Jacques. História da mentira: prolegômenos. Estudos Avançados. Vol. 10, nº 27, 1996.

FIGUEIREDO, Eurídice. A literatura como arquivo da ditadura. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2017.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. “O preço de uma reconciliação extorquida”. In TELES, E.; SAFATLE, V. (Orgs.) O que resta da ditadura. São Paulo: Boitempo, 2010.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. “O que significa elaborar o passado?” In Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Ed. 34, 2006a.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. “Verdade e memória do passado”. In Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Ed. 34, 2006b.

KEHL, Maria Rita. “Tortura e sintoma social”. In TELES, E.; SAFATLE, V. (Orgs.) O que resta da ditadura. São Paulo: Boitempo, 2010.

KUCINSKI, Bernardo. K – relato de uma busca. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

PANDOLFO, Alexandre. Apuros – ficção e aforismas contra o estado das coisas. Porto Alegre: Lapices, 2017.

SCHNEIDER, Henrique. Setenta. Porto Alegre: Não Editora, 2019.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. “Fotografia como arte do trauma e imagem-ação: jogo de espectros da fotografia de desaparecidos das ditaduras na América Latina. Temas em Psicologia. Vol. 17, nº 2, 2009.

VECCHI, Roberto. “(Re)citando o extremo: o olhar da Medusa, o finito e o infinito do horror”. In SELIGMANN-SILVA, Márcio; et all. Escritas da violência. O testemunho. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2012.

VIÑAR, Marcelo; VIÑAR, Maren. Exílio e tortura. Trad. Wladimir Lisboa. São Paulo: Escuta, 1992.

Publicado
2020-07-16
Seção
Libera