A importância da música na construção da atmosfera e do efeito em uma narrativa de terror

Palavras-chave: Escrita Criativa. Narrativas de terror. Efeito. Atmosfera.

Resumo

Por meio das ideias de Edgar Allan Poe a respeito das formas de criação de um efeito no leitor e com base nas lições de H. P. Lovecraft sobre a atmosfera das narrativas sobrenaturais, o presente artigo se propõe a discutir como a música pode ser um fator decisivo na construção de uma obra literária do gênero terror. Para tanto, o artigo analisa a forma com que as músicas são elementos importantes para o desenvolvimento da tensão narrativa em contos de H. P. Lovecraft, Nathaniel Hawthorne e Stephen King, detalhando as estratégias narrativas adotadas por cada um para destacar uma música imaginada pelo leitor como parte integrante da atmosfera de uma história de terror.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Melo Czekster, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS

Possui graduação em Ciências Jurídicas e Sociais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), especialização em Pós-Graduação em Assessoria Linguística e Textual pelo Centro Universitário Ritter dos Reis (UniRitter) e mestrado em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Referências

ALVES, Claudia; MATOS, Gabriela. Na trilha do medo. ECLÉTICA, n. 30, p. 17-20, 2010. Disponível em:http://puc-riodigital.com.puc-rio.br/media/4_-_a_trilha_do_medo.pdf Acesso em: 14 set. 2019.

ARISTÓTELES. Política. 6. ed. Tradução de Pedro ConstantinTolens. São Paulo: Martin Claret, 2006.

BARTHES, Roland. O óbvio e o obtusoi ensaios críticos III. Tradução de Léa Novaes. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.

BORGES, Jorge Luis. Esse ofício do verso. Tradução de José Marcos Macedo. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

BURROWS, John (org.). Guia de música clássica. 4. ed. Tradução de André Telles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2010.

CARPEAUX, Otto Maria. O livro de ouro da História da Música, da Idade Média ao século XX. 7. ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 2005.

CARREIRO, Rodrigo. Sobre o som no cinema de horror: padrões recorrentes de estilo. Ciberlegenda, v. 1, n. 24, p. 43-53, 2011. Disponível em: http://www.ciberlegenda.uff.br/index.php/revista/article/view/381/254 Acesso em: 13 set. 2019. https://doi.org/10.22409/c-legenda.v1i24.26201.

CASTELLO, José. Ribamar. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

CASTRO, Gustavo. O Compêndio de música de René Descartes - entendimento e anotações sobre a tradução. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Filosofia, UFPB, 2005. Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/tede/8327. Acesso em: 14 set. 2019.

CIENTISTAS descobrem por que as trilhas sonoras de filmes de terror assustam. VEJA [online], 26 maio 2010. Disponível em: https://veja.abril.com.br/entretenimento/cientistas-descobrem-por-que-as-trilhas-sonoras-dos-filmes-de-terror-assustam/ Acesso em: 13 set. 2019.

COMPAGNON, Antoine. O demônio da teoria: literatura e senso comum. Tradução de Cleonice Paes Barreto Mourão e Consuelo Fortes Santiago. Belo Horizonte:UFMG, 1999.

CURRIE, Gregory. The nature of fiction. New York: Cambridge University Press, 1993.

CZEKSTER, Gustavo Melo. O tempo, a música e a narrativa. (Des)limiares da linguagem. In: COLÓQUIO DE LINGUÍSTICA, LITERATURA E ESCRITA CRIATIVA. PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS DA PUC-RS, 9., 2016, Porto Alegre. Anais [...]. Porto Alegre: PUCRS, 2016. p. 299-310.

HAWTHORNE, Nathaniel. O jovem Goodman Brown. In: COSTA, Flávio Moreira da. Os melhores contos fantásticos. 2. ed. Tradução de Maria Luiza X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016. p. 57-72.

JOURDAIN, Robert. Música, cérebro e êxtase: como a música captura nossa imaginação. Tradução de Sonia Coutinho. Rio de Janeiro: Objetiva, 1998.

KEATS, John. Ode on a Grecian Urn. Chicago: Poetry Foundation, 2017. Disponível em: https://www.poetryfoundation.org/poems/44477/ode-on-a-grecian-urn Acesso em: 12 set. 2019.

KING, Stephen. Pesadelos e paisagens noturnas. Vol. I. Tradução de M. H. C. Cortês. Rio de Janeiro: Objetiva, 1997.

KING, Stephen. Sobre a escrita: a arte em memórias. Tradução de Michel Teixeira. Rio de Janeiro: Objetiva, 2015.

KOTHE, Flávio R. Literatura e sistemas intersemióticos. São Paulo: Cortez Autores Associados, 1981.

LOVECRAFT, H. P. O chamado de Cthulhu e outros contos. Tradução de Alexandre Boide. Porto Alegre: L&PM, 2018.

LOVECRAFT, H. P. O horror sobrenatural em literatura. Tradução de Celso M. Paciornik. São Paulo: Iluminuras, 2007.

MLA style: The Nobel Prize in Literature 2016 -- PressRelease. Nobelprize.org, [s. l.], Nobel Media AB 2014, 2016. Disponível em: http://www.nobelprize.org/nobel_prizes/literature/laureates/2016/press.html. Acesso em: 12 set. 2019.

PAREYSON, Luigi. Os problemas da estética. 3. ed.Tradução de Maria Helena Nery Garcez. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

POE, Edgar Allan. Poemas e ensaios. 3. ed. Tradução de Oscar Mendes e Milton Amado. São Paulo: Globo, 1999.

POUND, Ezra. A arte da poesia: ensaios escolhidos. Tradução de Heloysa de Lima Dantas e José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix, 1976.

RHODES, James. Instrumental: memórias de música, medicação e loucura. Tradução de Luís Reyes Gil. Rio de Janeiro: Rádio Londres, 2017.

SANCHES NETO, Miguel. Contos para ler ouvindo música. Rio de Janeiro: Record, 2005.

SCHER, Steven Paul. Literature and music. In: BERNHART, Walter; WOLF, Werner. Word and music studies. Essays on literature and music (1967-2004) by Steven Paul Scher. Nova York: Rodopi, 2004. p. 173-202.

TAVARES, Sérgio (org.). Cobain: 25 contos inspirados em 25 anos do álbum Nevermind + bônus tracks. [S. l.: s. n.]: 2016. Disponível em: https://issuu.com/coletaneacobain/docs/cobain. Acesso em: 14 set. 2019.

WAGNER, Richard. Beethoven. Tradução de Anna Hartmann Cavalcanti. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

Publicado
2020-07-16
Seção
Temathis