Poesia, música e algumas reflexões geográficas

Palavras-chave: Poesia, Música, Pampa, Payada, Milonga

Resumo

O presente ensaio busca refletir as noções de poesia e música a partir de uma própria poética. Dessa forma, a partir de exemplos de poemas de autoria própria, busco discutir algumas noções de musicalidade, ritmo e oralidade na criação poética inserida no que entendo como imaginário do pampa. A partir desse espaço geográfico, procuro discutir a influência da música, em especial, da milonga nos versos produzidos nesse mesmo contexto, com foco na payada. Poesia e música, dessa forma, são duas artes quase sempre indissociáveis e que se amparam na oralidade para a criação poética. Dessa forma, destaca-se a importância do idioma nesse espaço de fronteira, em que o português e o espanhol convivem e dão caráter ao cancioneiro pampeano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriel Eduardo Bortulini, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Doutor em Letras, na área de concentração em Escrita Criativa pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil.

Referências

BORGES, Jorge Luis. Esse ofício do verso. São Paulo: Cia das Letras, 2000.

BORGES, Jorge Luis. Obras completas. Buenos Aires: Emecé Editores,1997. v. 1

CESAR, Guilhermino. História da Literatura do Rio Grande do Sul (1737-1902). Porto Alegre: Instituto Estadual do Livro; Corag, 2006.

ELIOT, Thomas Stearns. Musicalidade da poesia. In: ELIOT, Thomas Stearns. A essência da poesia. Estudos e Ensaios. Rio de Janeiro: Artenova, 1972. p. 43-60.

FINAZZI-AGRÒ, Ettore. Entretempos: mapeando a história da cultura brasileira. São Paulo: Editora Unesp, 2013.

HERNÁNDEZ, José. Martín Fierro: edición crítica. 1. Ed. Coordenação de Élida Lois y Ángel Nuñez. Madrid: ALLCA XX, 2001.

MARTÍNEZ ESTRADA, Ezequiel. Radiografia de la pampa. Edición crítica. 2. ed.. Leo Pollmann, coordinador. Madrid: ALLCA XX, 1996.

NIETO, Ramón. A inspiração. In: NIETO, Ramón. O ofício de escrever. São Paulo: Angra, 2001. p. 67-70.

OSUNA LUCENA, Maria Isabel. Sobre un “Latinista, poeta y músico...” llamado Vicente Espinel. Laboratorio de Arte: Revista del Departamento de Historia del Arte, Sevilla, n. 4, p. 129-148, 1991. Disponível em: http://institucional.us.es/revistas/arte/04/08%20osuna.pdf. Acesso em: 3 jul. 2017.

PAZ, Octavio. O arco e a lira. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

POETRY, Music and identity | Jorge Drexler. [S. l.: s. n.], 2017. 1 vídeo (16 min). Publicado pelo canal TED: Technology, Entertainment and Design. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=C2p42GASnUo. Acesso em: 14 set. 2019.

RAMIL, Vitor. A estética do frio: conferência de Genebra. Pelotas: Satolep Livros, 2004. Disponível em: https://www.vitorramil.com.br/d/Vitor%20Ramil%20-%20A%20estetica%20do%20frio.pdf. Acesso em: 8 jun. 2021.

ROJAS, Elena M. Índice Onomástico, toponímico y glosario. In: MARTÍNEZ ESTRADA, Ezequiel. Radiografia de la pampa. Edición crítica. 2. ed. Coordenação de Leo Pollmann. Madrid: ALLCA XX, 1996. p. 259-315.

SCHMIDT, Siegfried J. Sobre a escrita de história da literatura. Observações de um ponto de vista construtivista. In: OLINTO, Heidrun Krieger. Histórias de literatura. As novas teorias alemãs. São Paulo: Ática, 1996. p. 101-131.

TRAPERO, Maximiano. Vicente Espinel, la décima espinela y lo que de ellos dicen los decimistas. In: VI Encuentro-Festival Iberoamericano de la Décima y el Verso improvisado. 1., 2000, Las Palmas. Actas [...]. Las Palmas: Estudios, 2000. p. 117-137. Disponível em: http://www.serraniavirtual.com/download/pdf/Vicente_Espinel%20la%20decima%20espinela%20y%20lo%20que%20de%20ellos.pdf. Acesso em: 3 jul. 2017.

VALÉRY, Paul. Poesia e pensamento abstrato. In: VALÉRY, Paul. Variedades. São Paulo: Iluminuras, 1991. p. 201-218.

YEATS, William Butler. El simbolismo de la poesía. In: Cómo se escribe un poema. Argentina: El Ateneo, 1994. p. 29-37.

Publicado
2020-12-31
Seção
Temathis (Dossiê temático)