Reflexões sobre a importância do currículo informal do estudante de medicina

Autores

  • Bartira Ercília Pinheiro da Costa PUCRS
  • Marta Ribeiro Hentschke Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
  • Aline Cristina Cruz da Silva UNISINOS
  • Annerose Barros
  • Margareth Salerno Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
  • Carlos Eduardo Poli-de-Figueiredo Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
  • Ivan Carlos Ferreira Antonello Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
  • Maria Helena Itaqui Lopes Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Palavras-chave:

ESTUDANTES DE MEDICINA, CURRÍCULO, EDUCAÇÃO EM SAÚDE, EDUCAÇÃO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA, FACULDADES DE MEDICINA, RELAÇÕES COMUNIDADE-INSTITUIÇÃO.

Resumo

OBJETIVOS: O presente trabalho analisa aspectos das oportunidades de formação pessoal do acadêmico de medicina e sua contribuição para os serviços de saúde. FONTE DE DADOS: Bases de dados Medline, LILACS e SciELO. SÍNTESE DOS DADOS: Trata-se de uma revisão de literatura por assunto. A saúde no Brasil tem sido abordada e analisada em diversas publicações. No entanto, a participação de estudantes da área da saúde, em especial da medicina, não é considerada como um dos elementos que nela possa ter impacto. Diversas atividades acadêmicas podem ter relevância sobre a saúde, e a participação do aluno pode ser assim considerada. No Brasil ocorreu um aumento no número de escolas médicas desde 1832 e, consequentemente, um aumento de alunos. Também se observa uma busca por maior qualidade na formação acadêmica, com diretrizes específicas para modificação nos currículos das escolas, exaradas pelo Conselho Nacional de Educação e Câmara de Educação Superior. As atividades extracurriculares, que constituem o currículo informal, são previstas nessa regulamentação, na qual os cursos devem disponibilizar oportunidades para que ocorra a busca de forma espontânea, visando a complementação da formação acadêmica. Como sugestões dessas atividades citam-se a iniciação científica, formação solidária, mobilidade acadêmica, monitorias, ligas acadêmicas, entre outras, que os alunos constroem espontaneamente. CONCLUSÕES: Através do aprimoramento do currículo informal, os alunos do curso de medicina agregam habilidades e práticas que cooperam para a melhoria do cuidado de pacientes, contribuindo para o alcance das metas em saúde no país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bartira Ercília Pinheiro da Costa, PUCRS

B

Marta Ribeiro Hentschke, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Médica, Doutoranda do PPGMCS- FAMED/PUCRS

Aline Cristina Cruz da Silva, UNISINOS

Graduanda da Faculdade de Nutrição da UNISINOS

Annerose Barros

Nutricionista graduada pelo Centro Universitário Metodista IPA. Mestre em Ciências da Saúde / Nefrologia pela PUCRS. Doutoranda em Medicina e Ciências da Saúde / Nefrologia pela PUCRS. Docente do Programa de Pós-Graduação em Nutrição Humana da Universidade Comunitária da Região de Chapecó (UNOCHAPECÓ).

Margareth Salerno, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

MD, Doutoranda do PPGMCS-FAMED/PUCRS, Profa do Departamento de Pediatria da FAMED/PUCRS; Coordenadora do Departamento de Pediatria - FAMED/PUCRS

Carlos Eduardo Poli-de-Figueiredo, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

MD, PhD, Prof do Departamento de Medicina Interna/Nefrologia e PPGMCS da FAMED/PUCRS; Chefe do Serviço de Nefrologia do HSL/PUCRS

Ivan Carlos Ferreira Antonello, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

MD, PhD, Prof do Departamento de Medicina Interna/Nefrologia e PPGMCS da FAMED/PUCRS; Diretor da FAMED/PUCRS

Maria Helena Itaqui Lopes, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

MD, PhD, Profa do Departamento de Medicina Interna/Gastroenterologia e PPGMCS da FAMED/PUCRS; Coordenadora do Curso de Graduação - FAMED/PUCRS

Publicado

2012-07-27

Como Citar

Pinheiro da Costa, B. E., Hentschke, M. R., da Silva, A. C. C., Barros, A., Salerno, M., Poli-de-Figueiredo, C. E., Antonello, I. C. F., & Lopes, M. H. I. (2012). Reflexões sobre a importância do currículo informal do estudante de medicina. Scientia Medica, 22(3), 162–168. Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/index.php/scientiamedica/article/view/10052

Edição

Seção

Educação em Ciências da Saúde