Autoeficácia e procrastinação acadêmica em estudantes do ensino superior

Um estudo correlacional

Palavras-chave: autorregulação, autoeficácia, estudantes universitários, ensino superior

Resumo

Os objetivos do estudo são analisar as diferenças da autoeficácia na formação superior (AEFS) e da procrastinação acadêmica em função do sexo, idade e momento do curso e estabelecer relações entre os construtos. Participaram da investigação 1.635 estudantes do ensino superior, 66,5% mulheres, 48,6% ingressantes e 67,5% menores de 22 anos. Os instrumentos utilizados foram a Escala de Autoeficácia na Formação Superior e a Escala de Procrastinação Acadêmica. As mulheres relataram níveis superiores na AEFS e nas dimensões regulação da formação, ações proativas e gestão acadêmica. Os estudantes mais velhos descreveram autoeficácia mais elevada na totalidade da escala e em todas as dimensões e os ingressantes indicaram menor nível de autoeficácia acadêmica. Os homens e os estudantes mais jovens relataram resultados mais elevados na procrastinação. As correlações entre a autoeficácia e a procrastinação são negativas e, na maioria, moderadas. Os achados reforçam a relação conceitual entre os construtos e potenciais implicações para o sucesso acadêmico são discutidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Alves Fior, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, SP, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em Campinas, SP, Brasil; mestre em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em Campinas, SP, Brasil. Professora da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em Campinas, SP, Brasil.

Rita Karina Nobre Sampaio, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, SP, Brasil.

Mestre em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em Campinas, SP, Brasil. Doutoranda em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em Campinas, SP, Brasil; Professora do Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio (CEUNSP), em Itu, SP, Brasil.

Cláudia Angélica do Carmo Reis, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, SP, Brasil.

Mestre em Educação Tecnológica pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG), em Belo Horizonte, MG, Brasil. Doutoranda em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em Campinas, SP, Brasil. Técnico Administrativo em Educação do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG), em Belo Horizonte, MG, Brasil.

Soely Aparecida Jorge Polydoro, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, SP, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em Campinas, SP, Brasil; mestre em Psicologia Escolar pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUCC), em Campinas, SP, Brasil. Professora da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em Campinas, SP, Brasil.

Referências

Araújo, A. M. (2017). Sucesso no Ensino Superior: Uma revisão e conceptualização. Revista de Estudios e Investigación en Psicología y Educación, 4(2), 132-141. https://doi.org/10.17979/reipe.2017.4.2.3207

Arias-Chávez, D., Ramos-Quispe, T., Condori, K. O. V., & Postigo-Zumarán, J. E. (2020) Academic Procrastination, Self Esteem, and Self-Efficacy in First Term University Students in the City of Lima. International Journal of Innovation, Creativity and Change, 11(10), 339-357.

Bandura, A. (1997). Self-efficacy: The exercise of control. Freeman.

Batool, S. S., Khursheed, S., & Jahangir, H (2017). Academic Procrastination as a Product of Low Self-Esteem: A Mediational Role of Academic Self-efficacy. Pakistan Journal of Psychological Research, 32(1), 195-211. https://www.pjprnip.edu.pk/index.php/pjpr/article/view/601/518

Borzone-Valdebenito, M. A. (2017). Autoeficácia e vivências acadêmicas em estudos universitários. Acta Colombiana de Psicología, 20(1), 266-274. https://www.dx.doi.org/10.14718/ACP.2017.20.1.13

Casanova, J. R., Araújo, A. M., & Almeida, L. S. (2020). Dificuldades na adaptação académica dos estudantes do 1o ano do Ensino Superior. Revista E-Psi, 9(1), 165-181. https://doi.org/10.35699/2237-5864.2020.24742

Casanova, J. R., Fernandez-Castañon, A. C., Pérez, J. C. N., Gutiérrez, A. B. B., & Almeida, L. S. (2018). Abandono no Ensino Superior: Impacto da autoeficácia na intenção de abandono. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 19(1), 41-49. https://dx.doi.org/1026707/1984-7270/2019v19n1p41

Costa, M. (2007). Procrastinação, auto-regulação e género. [Dissertação de mestrado, UMinho]. Repositório da Universidade de Minho. http://hdl.handle.net/1822/6961

Dancey, C. P., & Reidy, J. (2019). Estatística sem matemática para psicologia (7. ed.). Penso.

Demirören, M., Turan, S., & Öztuna, D. (2016). Medical students’ self-efficacy in problem-based learning and its relationship with self-regulated learning. Medical Education Online, 21(1), 30049. https://doi.org/10.3402/meo.v21.30049

Dominguez-Lara, S. (2018). Procrastinación en Universitarios: Evidencia Preliminar del Efecto de Contextualización en Asignaturas Específicas. Avaliação Psicológica, 17(1), 12-19. https://doi.org/10.15689/ap.2017.1701.02.13028

Dominguez-Lara, S., Prada-Chapoñan, R., Moreta-Herrera, R., & Moreta-Herrera, R. (2019). Diferencias de género en la influencia de la personalidad sobre la procrastinación académica en estudiantes universitarios peruanos. Acta Colombiana de Psicología, 242(2), 137-147. http://www.doi.org/10.14718/ACP.2019.22.2.7

Elias, R. Z. (2008). Anti-Intellectual Attitudes and Academic Self-Efficacy Among Business Students. Journal of Education for Business, 84(2), 110-117. https://doi.org/10.3200/JOEB.84.2.110-117

Fisher, C. R., Thompson, C. D., & Brookes, R. H. (2020). Gender differences in the Australian undergraduate STEM student experience: a systematic review. Higher Education Research and Development, 39(6) 1155-1168. https://doi.org/10.1080/07294360.2020.1721441

Flett, A. L., Haghbin, M., & Pychyl, T. A. (2016). Procrastination and depression from a cognitive perspective: An exploration of the associations among procrastinatory automatic thoughts, rumination, and mindfulness. Journal of Rational-Emotive & Cognitive-Behavior Therapy, 34(3), 169-186. https://doi.org/10.1007/s10942-016-0235-1

Fritz, C. O., Morris, P. E., & Richler, J. J. (2012). Effect size estimates: Current use, calculations, and interpretation. Journal of Experimental Psychology: General, 141(1), 2-18. https://doi.org/10.1037/a0024338

Ganda, D. & Boruchovitch, E. (2016). As Atribuições de Causalidade e as Estratégias Autoprejudiciais de Alunos do Curso de Pedagogia. Psico-USF, 21(2), 331-340. https://doi.org/10.1590/1413-82712016210210

Geara, G. B., Hauck Filho, N., & Pereira Teixeira, M. A. (2017). Construção da escala de motivos da procrastinação acadêmica. Psico, 48(2), 140-151. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2017.2.24635

Gómez C., CA., Ortiz, N., & Perdomo, L. (2016). Procrastinación y factores relacionados en la educación superior. I+D Revista de Investigaciones, 7(1), 32-39. https://www.udi.edu.co/revistainvestigaciones/index.php/ID/article/view/63

Guerreiro-Casanova, D. C., & Polydoro, S. A. J. (2011). Autoeficácia na formação superior: percepções durante o primeiro ano de graduação. Psicologia: ciência e profissão. 31(1), 50‑65. https://doi.org/10.1590/S1414-98932011000100006

He, S. C. (2017). A Multivariate Investigation into Academic Procrastination of University Students. Open Journal of Social Science, 5(10), 12-24. https://doi.org/10.4236/jss.2017.510002

Heringer, R. (2018). Democratização da educação superior no Brasil: das metas de inclusão ao sucesso acadêmico. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 19(1), 7-17. http://dx.doi.org/1026707/1984-7270/2019v19n1p7

Huang, C. (2013). Gender differences in academic self-efficacy: A meta-analysis. European Journal of Psychology of Education, 28(1), 1-35. https://doi.org/10.1007/s10212-011-0097-y

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (2021). Resumo técnico do Censo da Educação Superior 2019 [recurso eletrônico]. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira.

Krispenz, A., Gort, C., Schültke, L., & Dickhäuser, O. (2019) How to Reduce Test Anxiety and Academic Procrastination Through Inquiry of Cognitive Appraisals: A Pilot Study Investigating the Role of Academic Self-Efficacy. Frontiers in Psychology, 10(20), 1917. http://dx.doi.org/10.3389/fpsyg.2019.01917

Kurtovic, A., Vrdoljak, G., & Idzanovic, A. (2019). Predicting Procrastination: The Role of Academic Achievement, Self-efficacy and Perfectionism. International Journal of Educational Psychology, 8(1), 1-26. http://dx.doi.org/10.17583/ijep.2019.2993

Limone, P., Sinatra, M., Ceglie, F., & Monacis L. (2020). Examining Procrastination among University Students through the Lens of the Self-Regulated Learning Model. Behav. Sci., 10(12), 184. http://dx.doi.org/10.3390/bs10120184.

Lopes, J. M., Castro, J. G. F., Peixoto, J. M., & Moura, E. P. (2020). Autoeficácia de Estudantes de Medicina em Duas Escolas com Metodologias de Ensino Diferentes (Aprendizado Baseado em Problemas versus Tradicional). Revista Brasileira de Educação Médica, 44(2), 1-7. http://dx.doi.org/ 10.1590/1981-5271v44.2-20190187.ing

Lowinger, R. J., Kuo, B. C. H., Song, H., Mahadevan, L., Kim, E., Liao, K. Y., Chang, C. Y., Kwon, K., & Han, S. (2016) Predictors of Academic Procrastination in Asian International College Students, Journal of Student Affairs Research and Practice, 53(1), 90-104. https://dx.doi.org/10.1080/19496591.2016.1110036

Malkoç, A., & Mutlu, A. K. (2018). Academic Self-efficacy and Academic Procrastination: Exploring the Mediating Role of Academic Motivation in Turkish University Students. Universal Journal of Educational Research, 6(10), 2087-2093. https://dx.doi.org/ 10.13189/ujer.2018.061005

Martins, R. M. M., & Santos, A. A. A. (2019). Estratégias de aprendizagem e autoeficácia acadêmica em universitários ingressantes: estudo correlacional. Psicologia Escolar e Educacional, 23, e176346. https://.dx.doi.org/10.1590/2175-35392019016346

Polydoro, S. A. J., & Guerreiro-Casanova, D. C. (2010). Escala de auto-eficácia na formação superior: construção e estudo de validação. Avaliação Psicológica, 9(2), 267-278. http://pepsic.bvsalud.org/pdf/avp/v9n2/v9n2a11.pdf

Polydoro, S. A. J., Pelissoni, A. M. S., Carmo, M. C., E., E. R. V., Dantas, M. A., & Rosario, P. (2015). Promoção da autorregulação da aprendizagem na universidade: percepção do impacto de uma disciplina eletiva. Revista de Educação PUC-Campinas, 20, 201-213. https://doi.org/10.24220/2318-0870v20n3a2877

Salgado, F. A. F., Polydoro, S. A. J., & Rosário, P. (2018). Programa de Promoção da Autorregulação da Aprendizagem de Ingressantes da Educação Superior. Psico-USF, 23(4), 667-679. https://doi.org/10.1590/1413-82712018230407

Sampaio, R. K. N. (2011). Procrastinação acadêmica e autorregulação da aprendizagem em estudantes universitários [Dissertação de mestrado, UNICAMP]. Repositório da Produção Científica e Intelectual da Unicamp. http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/251142

Sampaio, R. K. N., Polydoro, S. A. J., & Rosário, P. S. L. F. (2012). Autorregulação da aprendizagem e a procrastinação acadêmica em estudantes universitários. Cadernos de Educação, 42, 119-142. http://dx.doi.org/10.15210/caduc.v0i42.2151

Santos, A. A. A., Zanon, C., & Ilha, V. D. (2019). Autoeficácia na formação superior: seu papel preditivo na satisfação com a experiência acadêmica. Estudos de Psicologia, 36, 1-9. http://dx.doi.org/10.1590/1982-0275201936e160077

Soares, A. M., Pinheiro, M. R., & Canavarro, J. M. P. (2015). Transição e adaptação ao ensino superior e a demanda pelo sucesso nas instituições portuguesas. Psychologica. 58(2), 1-22. http://dx.doi.org/10.14195/1647-8606_582_6

Steel, P. (2007). The nature of procrastination: A meta-analytic and theoretical review of quintessential self-regulatory failure. Psychological Bulletin, 133(1), 65-94. http://dx.doi.or/10.1037/0033-2909.133.1.65

Steels, P., & Ferrari, F. (2013) Sex, Education and Procrastination: An Epidemiological Study of Procrastinators’ Characteristics from a Global Sample. European Journal of Personality, 27(1), 51-58. http://dx.doi.org/10.1002/per.1851

Teixeira, M. O., & Costa, C. J. (2018). Fontes de autoeficácia em estudantes do ensino superior. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 19(2), 143-155. http://dx.doi.org/1026707/1984-7270/2019v19n2p143

Tinto, V. (2017). Through the Eyes of Students. Journal of College Student Retention: Research, Theory and Practice, 19(3), 254-269. https://doi.org/10.1177/1521025115621917

Usher, E. L., & Pajares, F (2008). Sources of Self-Efficacy in School: Critical Review of the Literature and Future Directions. Review of Educational Research December, 78(4), 751-796. http://dx.doi.org/10.3102/0034654308321456

Vega, H. B., Contreras, M. O., Chávez, J. F. A., & Delgado, J. C. G. (2012). Autoeficacia percibida en conductas académicas: diferencias entre hombres y mujeres. Revista mexicana de investigación educativa, 17(53), 557-571. https://www.scielo.org.mx/pdf/rmie/v17n53/v17n53a11.pdf

Wolters, C.A. (2003). Understanding procrastination from a self-regulated learning. Journal of Education Psychology, 95(1), 179-87. http://dx.doi.org/10.1037/0022-0663.95.1.179

Zhang, Y., Dong, S., Fang, W., Chai, X., Mei, J., & Fan, X. (2018). Self-efficacy for self-regulation and fear of failure as mediators between self-esteem and academic procrastination among undergraduates in health professions. Advances in Health Sciences Education, 23(4), 817-830. https://doi.org/10.1007/s10459-018-9832-3

Zimmerman, B. J. (2002). Becoming a Self-Regulated Learner: An Overview. Theory Into Practice, 41(2), 64-70. https://doi.org/10.1207/s15430421tip4102

Zimmerman, B. J. (2013). From Cognitive Modeling to Self-Regulation: A Social Cognitive Career Path. Educational Psychologist, 48(3), 135-147. https://doi.org/10.1080/00461520.2013.794676

Publicado
2022-09-21
Como Citar
Fior, C. A., Sampaio, R. K. N., Reis, C. A. do C., & Polydoro, S. A. J. (2022). Autoeficácia e procrastinação acadêmica em estudantes do ensino superior: Um estudo correlacional. Psico, 53(1), e38943. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2022.1.38943