As características desejadas em parceiros amorosos selecionados por meio da internet, intenções dos usuários e seus desdobramentos

Palavras-chave: redes sociais online, psicologia evolucionista, seleção de parceiros, comportamento sexual, aplicativos de busca de parceiro

Resumo

O presente estudo avaliou as características desejadas em um parceiro virtual quando há intenção de se casar ou ficar. Uma amostra de 210 estudantes universitários respondeu a um questionário com questões elaboradas pelos pesquisadores e a Escala de Atributos do Parceiro Ideal. Verificou-se qual a intenção amorosa dos sujeitos ao utilizarem os aplicativos, a quantidade de encontros concretizados e o tempo de acesso a eles. Os resultados mostraram que as características desejadas em um parceiro para ficar e em um para casar são diferentes, assim como as intenções amorosas entre os sexos e a quantidade de encontros que concretizaram. O tempo de acesso aos aplicativos foi semelhante e as mulheres consideraram que os homens criam mais expectativas sobre o desenvolvimento de um namoro por ferramentas virtuais. Concluiu-se que os homens são mais propensos ao envolvimento sexual casual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruna Benício Rodrigues, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Bauru, SP, Brasil.

Mestra em Psicologia pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), em Bauru, SP, Brasil; doutoranda em Mídia e Tecnologia na mesma instituição. Psicóloga com graduação pela Universidade do Sagrado Coração (USC).

Sandro Caramaschi, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Bauru, SP, Brasil.

Doutor em Psicologia pela Universidade de São Paulo (USP), em São Paulo, SP, Brasil; mestre em Psicologia pela mesma instituição. Biólogo com graduação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR), em São Carlos, SP, Brasil. Professor Assistente da Universidade Estadual Paulista (UNESP), em Bauru, SP, Brasil.

Referências

Ali, A.I., & Wibowo, K. (2011). Online dating service – Chronology and kye features comparison with traditional dating. Competition Forum, 9(2), 481-488. https://www.proquest.com/docview/912867897?pq- origsitegscholar

Bandeira, T. T. A., & Moura, M. L. S. (2012). Crenças de pais e mães sobre investimento parental. Paidéia, 22(53), 355-363. http://dx.doi.org/10.1590/1982-43272253201307

Blackhart, G. C., Fitzpatrick, J., & Williamson, J. (2014). Dispositional factors predicting use of online dating sites and behaviors related to online dating. Computers in Human Behavior, 33, 113-118. http://dx.doi.org/10.1016/j.chb.2014.01.022

Bendixen, M., Kennair, L. E. O., & Buss, D. M. (2015). Jealousy: Evidence of strong sex differences using both forced choice and continuous measure paradigms. Personality and Individual Differences, 86, 212-216. http://dx.doi.org/10.1016/j.paid.2015.05.035

Buss, D. M. (1989). Sex differences in human mate preferences: Evolutionary hypotheses tested in 37 cultures. Behavioral and Brain Science, 12, 1-49. http://dx.doi.org/10.1017/S0140525X00023992

Buss, D. M., Larsen, R., Westen, D., & Semmelroth, J. (1992). Sex differences in jealousy: evolution, physiology, and psychology. Psychological Review, 3, 251-255. http://dx.doi.org/10.1111/j.1467-9280.1992.tb00038.x

Canezin, P. F. M., & Almeida, T. (2015). O ciúme e as redes sociais: uma revisão sistemática. Pensando Famílias, 19(1), 142-155. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-494X2015000100012

Ceccarelli, P. R. (2012). Mitos, sexualidade e repressão. Ciência e Cultura, 64(1), 31-35. http://dx.doi.org/10.21800/S0009-67252012000100013

Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação no Brasil –

Cetic.br (2017). TIC domicílios. https://cetic.br

Conway, J. R., Noe, N., Stulp, G., & Pollet, T. V. (2015). Finding your Soulmate: Homosexual and heterosexual age preferences in online dating. Journal of the International Association for Relationship Research, 22(4), 666-678. http://dx.doi.org/10.1111/pere.12102

Costa, M. N. (2018). Transformando o patriarcado? O papel da luta feminista na reconfiguração das categorias marxistas. Trans/Form/Ação, 41(3), 125-144. http://dx.doi.org/10.1590/0101-3173.2018.v41n3.07.p125

Dantas, B. S. A. (2010). Sexualidade, cristianismo e poder. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 10(3), 700-728.

http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-42812010000300005

Darwin, C. R. (2004). A origem das espécies (E. Amado, Trad.). Itatiaia. (Texto original publicado em 1859).

De Castro, J. C. L. (2014). O amor virtual como instância de empreendedorismo e de reificação. Galáxia, 27, 72-84. http://dx.doi.org/10.1590/1982-25542014115069

Donnamaria, C. P, & Terzis, A. (2009). Sobre a evolução de vínculos conjugais originados na Internet. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 61(3), 75-86. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-52672009000300009&msclkid=df9152d2c29111eca8ce353c316e6070

Figueiredo, L. B. (2016). Tinderellas: busca amorosa por meios de aplicativos para smartphone [Tese de Doutorado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo]. https://tede2.pucsp.br/handle/handle/18981

Filha, C. X. (2016). Gênero e resistências em filmes de animação. Pro-Posições, 27(1), 19-36. http://dx.doi.org/10.1590/0103-7307201607902

Gouveia, V. V., Gonçalves, M. P., Gomes, A. I. A. B., Freires, L. A., & Coelho, J. A. P. M. (2014). Construção e validação da escala de atributos desejáveis do(a) parceiro(a) ideal. Avaliação Psicológica, 13(1), 105-114. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-04712014000100013&msclkid=fec2f6d3c29111ecb2b58bd2e160b4b7

Gozzo, T. O., Fustinoni, S. M., Barbieri, M., Roher, W. M., & Freitas, I. A. (2000). Sexualidade feminina: compreendendo seu significado. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 8(3), 84-90. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692000000300012

Hattori, W. T., & Castro, F. N. (2017). As origens do amor: evolução da escolha de parceiros. In M. L. Vieira, & A. D. Oliva (Orgs.), Evolução, Cultura e Comportamento Humano (pp. 220-281). Edições do Bosque.

Justo, J. S. (2005). O “ficar” na adolescência e paradigmas de relacionamento amoroso da contemporaneidade. Revista do Departamento de Psicologia, 17(1), 61-77. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-80232005000100005.

Kreager, D. A., Cavanagh, S. E., Yen, J., & Yu, M. (2014). “Where Have All the Good Men Gone?” Gendered Interactions in Online Dating. Journal of Marriage and Family, 2(76), 387-410. http://dx.doi.org/10.1111/jomf.12072

Lopes, R. G., & Vasconcellos, S. (2008). Implicações da teoria da evolução para a psicologia: a perspectiva da psicologia evolucionista. Estudos de Psicologia, 25(1), 123-130. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2008000100012

Nogueira, M. F. M.; Silva, T. T. (2016). O amor em suas mãos: um estudo sobre a sociabilidade entre os indivíduos no aplicativo tinder. Revista Científica de Comunicação Social, 6(2), 99-102. http://dx.doi.org/10.18224/pan.v6i2.5216

Miskolci, R., & Pelúcio, L. (2017). Gênero, sexualidades e mídias contemporâneas: do pessoal ao político. Revista de Estudos Feministas, 25(1), 263-268. http://dx.doi.org/10.1590/1806-9584.2017v25n1p263

Monteleone, J. M. (2019). Costureiras, mucamas, lavadeiras e vendedoras: o trabalho feminino no século XIX e o cuidado com as roupas (Rio de Janeiro, 1850-1920). Revista Estudos Feministas, 27(1), 1-11. http://dx.doi.org/10.1590/1806-9584-2019v27n148913

Moreira, J. O., Lima, N. L., Stengel, M., Pena, B. F., & Salomão, C. S. (2017). A exposição do amor na internet: público ou íntimo? Arquivos Brasileiros de Psicologia, 69(1), 5-18. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-52672017000100002-:~:text=A%20internet%20%C3%A9%20um%20espa%C3%A7o,o%20encontro%20corpo%20a%20corpo

Oliveira, C. O., Gomes, A. M. T., Marques, S. C., & Thiengo, M. A. (2007). “Pegar”, “ficar” e “namorar”: representações sociais de relacionamentos entre adolescentes. Revista Brasileira de Enfermagem, 60(5), 497-502. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672007000500003

Ong, D., & Wang, J. (2015). Income attraction: An online dating field experiment. Journal of Economic Behavior and Organization, 111, 13-22. http://dx.doi.org/10.1016/j.jebo.2014.12.011

Ortiz-Martínez, Y., Buelvas-Pérez, A., Martínez-Torres, A., Vásquez-Rada, K., Carrascal-Angelo, A. E. (2018). Dating apps and increased sexual risk behaviors while traveling: Challenges and opportunities for public health. Travel Medicine and Infectious Disease, 24(7), 1-7. https://www.researchgate.net/publication/324931257_Dating_apps_and_increased_sexual_risk_behaviors_while_traveling_Challenges_and_opportunities_for_public_health

Overbeek, G.; Bongardt, D. V.; Baams, L. (2018). Buffer or Brake? The role of sexuality- specific parenting in adolescents’ sexualized media consumption and sexual development. Journal of Youth and Adolescence, 47, 1427-1439. http://dx.doi.org/10.1007/s10964-018-0828-3

Paradis, C. G. (2018). A prostituição no marxismo clássico: crítica ao capitalismo e à dupla moral burguesa. Revista Estudos Feministas, 26(3), 1-20. http://dx.doi.org/10.1590/%25x

Pasqualin, F. A. (2018). O des(encanto) do casamento intercultural: Brasileiras casadas com muçulmanos e estramgeiros [Tese de doutorado, Universidade de São Paulo]. https://teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59137/tde-20062018-113017/pt-br.php

Pasqualin, F. A., Barbosa, F. C. (2017). Quando o amor se torna assunto de estado: brasileiras envolvidas com muçulmanos estrangeiros via Internet. Reflexão, 42(1), 31-43. http://dx.doi.org/10.24220/2447.6803v42n1a3821

Pincott, J. (2010). Os homens preferem mesmo as loiras? A ciência por trás do sexo, do amor e da atração (Angelo Ikeda, Trad.). Academia de Inteligência.

Polippo, P. M., Ferreira, V. R. T., & Wagner, M. F. (2016). Produção científica brasileira sobre psicologia evolucionista. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 9(2), 277-289. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-82202016000200009&msclkid= 5eea9f84c29211ec8ece22cee501cf4c

Ramirez, A., Summer, E. M., Fleuriet, C., & Cole, C. (2014). When Online Dating Partners Meet Offline: The Effect of Modality Switching on Relational Communication Between Online Daters. Journal of Computer-Mediated Communication, 20, 99-114. http://dx.doi.org/10.1111/jcc4.12101

Ramos, C. M., & Lencastre, M. P. A. (2013). O feminino e o masculino na etologia, sociobiologia e psicologia evolutiva: revisão de alguns conceitos. Psicologia, 27(2), 33-61. https://www.researchgate.net/publication/279171426_O_Feminino_e_o_masculino_na_etologia_sociobiologia_e_psicologia_evolutiva_Revisao_de_alguns_conceitos?msclkid=7aae8405c29211ec91e374205ede5e19

Rochadiat, A. M. P., Tong, S. T., Novak, J. M. (2018). Online dating and courtship among Muslim American women: Negotiating technology, religious identity, and culture. Sage Journals, 20(4), 1618-1639. http://dx.doi.org/10.1177/1461444817702396

Rodrigues, B. B. (2019). Redes sociais online e as novas formas de interação amorosa [Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”]. https: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/181477?show=full

Rodrigues, B. B. (2020). O comportamento sexual é aprendido? A diferença entre homens e mulheres no uso dos aplicativos de relacionamento. Editora Appris.

Silva, A. A. (2006). O conteúdo da vida amorosa de estudantes universitários. Interação em Psicologia, 10(2), 301-312. http://dx.doi.org/10.5380/psi.v10i2.7684

Silva, V. V. A., & Takeuti, N. M. (2011). Quão romance é minha vida amorosa: namoro virtual e narrativas. Cronos, 12(2), 96-114. https://www.bing.com/ck/a?!&&p=456cfb5215919c232662b4cc52e7fdf0a2583cc95754316c96d8a1de325dcac9JmltdHM9MTY1MDY2OTYwMCZpZ3VpZD1jM2Y1NzEzMi1mYTNjLTRiYjctYmJmMi1iZmQ5ZTJjNDc5N2MmaW5zaWQ9NTE1Ng&ptn=3&fclid=bb014c01-c292-11ec-a42f-10a5f9242140&u=a1aHR0cHM6Ly9wZXJpb2RpY29zLnVmcm4uYnIvY3Jvbm9zL2FydGljbGUvZG93bmxvYWQvMjIyMi9wZGY_bXNjbGtpZD1iYjAxNGMwMWMyOTIxMWVjYTQyZjEwYTVmOTI0MjE0MA&ntb=1

Serrano-Barquín, C., Serrano-Barquín, H., Zarza-Delgado, P., Vélez-Bautista, G. (2018). Estereotipos de género que fomentan violencia simbólica: desnudez y cabellera. Revista Estudos Feministas, 26(3), 1-14. http://dx.doi.org/10.1590/1806-9584-2018v26n344848

Sorensen, J. B., & Pollet, T. V. (2016). Sex Differences in Mate Preferences: a Replication Study, 20 Years Later. Evolutionary Psychological Science, 2, 171-176. http://dx.doi.org/10.1007/s40806-016-0048-6.

Souza, E., Baldwin, J., & Rosa, F. H. (2000). A Construção Social dos Papéis Sexuais Femininos. Psicologia: Reflexão e Crítica, 13(3), 485-496. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722000000300016

Trivers, R. L. (1972). Parental investment and sexual selection. In B. Champbell (Org.), Sexual selection and the descent of man, 1871-1971 (pp.136-207). Aldine Publishing.

Valkenburg, P. M., & Peter, J. (2007). Who Visits Online Dating Sites? Exploring Some Characteristics of Online Daters. Cyber Psychology and Behavior, 10(6), 849-852. http://dx.doi.org/10.1089/cpb.2007.9941

Vermelho, S. C., Velho, A. P. M., & Bertoncello, V. (2015). Sobre o conceito de redes sociais e seus pesquisadores. Educação e Pesquisa, 41(4), 863-881. http://dx.doi.org/10.1590/s1517-97022015041612

Xia, P., Tu, K., Ribeiro, B., Jiang, H., Wang, X., Chen, C., Liu, B., & Towsley, D. (2014). Who is Dating Whom: Characterizing User Behaviors of a Large Online Dating Site. Social and Information Networks, 1(22), 2-22. https://arxiv.org/abs/1401.5710?msclkid=3f591bdac29411ecb7e3b8e91c633c06

Whyte, S., & Torgler, B. (2017). Things change with age: Educational assortment in online dating. Personality and Indivudual Differences, 109, 5-11. http://dx.doi.org/10.1016/j.paid.2016.12.031

Yamamoto, M. E., & Moura, M. L. S. (2010). Dossiê psicologia evolucionista. Estudos de Psicologia, 15(1), 53-54. https://www.scielo.br/j/epsic/a/rxyMhGt8VHcxSKwMjhkpZ7B/?format=pdf&lang=pt

Publicado
2022-08-09
Como Citar
Rodrigues, B. B., & Caramaschi, S. (2022). As características desejadas em parceiros amorosos selecionados por meio da internet, intenções dos usuários e seus desdobramentos. Psico, 53(1), e37164. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2022.1.37164