Maternagem de filhos com dificuldades graves de desenvolvimento

Palavras-chave: maternidade, práticas de criação infantil, autismo, psicanálise– metodologia

Resumo

Considerando que o cuidado infantil é socialmente visto como responsabilidade materna, justifica-se a realização de pesquisas que abordem as maneiras pelas quais se concretiza tal tarefa. A presente investigação objetiva compreender a experiência de mães de filhos que apresentam dificuldades no processo de conquista de independência. Delineia-se por meio da abordagem de mães de crianças autistas, tendo em vista que tal condição representa, de modo emblemático, situações de vida nas quais o cuidado infantil se intensifica e se faz duradouro. O material de pesquisa foi produzido a partir de quatro entrevistas psicológicas individuais, organizadas ao redor do Procedimento de Desenhos-Estórias com Tema. A consideração psicanalítica do material permitiu a produção interpretativa de três campos de sentido afetivo-emocional: “É culpa da mãe”, “Dedicando-se exclusivamente” e “Cuidado espontâneo”. O quadro geral revela que a experiência materna pode tanto se realizar de modo angustiante, quanto fluir como gesto espontâneo de atendimento do filho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marina Miranda Fabris-Zavaglia, Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), Campinas, SP, Brasil.

Mestre e doutoranda em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), em Campinas, SP, Brasil.

Carlos Del Negro Visintin, Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), Campinas, SP, Brasil.

Doutor e mestre em psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), em Campinas, SP, Brasil.

Tânia Maria José Aiello-Vaisberg, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil.

Livre docente em Psicopatologia, doutora e mestre pelo Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP), em São Paulo, SP, Brasil. Professora Sênior do Departamento de Psicologia Clínica da USP.

Referências

Aching, M. C., & Granato, T. M. M. (2016). The good enough mother under social vulnerability conditions. Estudos de Psicologia (Campinas), 33(1), 15-24. https://doi.org/10.1590/1982-02752016000100003

Aching, M. C., & Granato, T. M. M. (2018). Role of a support network for refugee mothers. Estudos de Psicologia (Campinas), 35(2), 137-147. https://doi.org/10.1590/1982-02752018000200003

Aiello-Vaisberg, T. M. J. (1999). Encontro com a loucura: transicionalidade e ensino de psicopatologia [Tese de livre-docência, Instituto de Psicologia, Universidade São Paulo] www.teses.usp.br

Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2006). Prefácio. In Aiello-Vaisberg, T., & Granato, T. (2006). Ser e Fazer na clínica winnicottiana da maternidade. Ideias e Letras.

Aiello-Vaisberg, T. M. J., & Machado, M. C. L. (2008). Pesquisa psicanalítica de imaginários coletivos à luz da Teoria dos Campos. In Josette Monzani, & Luiz, R. Monzani (Orgs.), Olhar: Fábio Herrmann – uma viagem psicanalítica (pp. 311-324). Editora Pedro e João Editores/ CECH- UFSCar.

Aiello-Vaisberg, T. M. J., Machado, M. C. L., & Ambrósio, F. F. (2009). O aluno desmotivado como desafio ao educador físico. In M. Vaisberg, & M. T. Mello (Coord.), Exercícios na saúde e doença (pp. 10-20). Manole.

Aiello-Vaisberg, T. M. J., & Assis, N. D. P. (2017). O uso da literatura científica na pesquisa qualitativa com método psicanalítico. In L. S. L. P. C. Tardivo (Org.), O procedimento de desenhos-estórias na clínica e na pesquisa: 45 anos de percurso (pp. 539-553). Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo.

Ambrosio, F. F. (2013). O estilo clínico ser e fazer na investigação de benefícios clínicos de psicoterapias [Tese de doutorado, Pontifícia Universidade Católica de Campinas]. http://tede.bibliotecadigital.puc-campinas.edu.br:8080/jspui/bitstream/tede/452/1/Fabiana%20Follador%20e%20Ambrosio.pdf

Biroli, F. (2018). Gênero e desigualdades: limites da democracia no Brasil. Boitempo Editorial.

Bleger, J. (2004). Entrevista Psicológica. In J. Bleger, Temas de Psicologia (pp. 1-48). Martins Fontes. (Obra original publicada em 1963).

Bleger, J. (2007). Psicologia da conduta. Paidós. (Obra original publicada em 1963).

Dejours C. (1993). Travail, usure mentale. De la psychopathologie à la psychodynamique du travail. Bayard.

Federici, S. (2019). O ponto zero da revolução: trabalho doméstico, reprodução e luta feminista. Editora Elefante.

Frederico, C. (1969). Vanguarda operária. Símbolo.

Freud, S. (1955). Delusion and dream in Jensen’s Gradiva. In S. Freud, The Standard Edition of the Complete Psychological Works of Sigmund Freud, vol. IX (pp. 111-213). The Hogarth Press and the Institute of Psychoanalysis. (Original publicado em 1907).

Freud, S. (1955). Two encyclopaedia articles. In S. Freud, The Standard Edition of the Complete Psychological Works of Sigmund Freud (pp. 235-259). The Hogarth Press and the Institute of Psychoanalysis. (Original publicado em 1922).

Freud, S. (2010). Os instintos e seus destinos. In S. Freud, Introdução ao narcisismo, ensaios da metapsicologia e outros textos (1914-1916) (pp. 51-81, Obras Completas, 12). Companhia das Letras.

Gottlieb, A., & DeLoache, J. S. (2016). A world of babies: Imagined childcare guides for eight societies. Cambridge University Press. https://doi.org/10.1017/CBO9781316480625

Greenberg, J. & Mitchell S. A. (1983). Object relations in psychoanalytic theory. Harvard University Press. https://doi.org/10.2307/j.ctvjk2xv6

Guggenheim, E. S., Guimarães, L. G. P., & Pinheiro, A. M. (2019). A escuta psicanalítica no núcleo perinatal: o processo de ser mãe como uma construção. Revista da SBPH, 22(SPE), 174-185.

Herrmann, F. (1979). O Método Psicanalítico. EPU.

Hinshelwood, R. D. (1989). A dictionary of Kleinian thought. Free Association Books.

Katz, M., Cassorla, R, & Civitarese, G. (2016). Advances in Contemporary Psychoanalytic Field Theory. Routledge. https://doi.org/10.4324/9781315715971

Kleinman, A., Das, V., Lock, M., & Lock, M. M. (1997). Social suffering. University of California Press.

Lévinas, E. (2004). Entre nós: ensaios sobre a alteridade. Vozes. (Original publicado em 1991).

Madalozzo, R., & Blofield, M. (2017). Como famílias de baixa renda em São Paulo conciliam trabalho e família? Estudos Feministas, 25(1), 215-240. https://doi.org/10.1590/1806-9584.2017v25n1p215

Manna, R. E., Leite, J. C. A., & Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2018). Imaginário coletivo de idosos participantes da Rede de Proteção e Defesa da Pessoa Idosa. Saúde e Sociedade, 27(4), 987-996. https://dx.doi.org/10.1590/s0104-12902018180888

Medeiros, M., & Pinheiro, L. S. (2018). Desigualdades de gênero em tempo de trabalho pago e não pago no Brasil, 2013. Sociedade e Estado, 33(1), 159-185. https://doi.org/10.1590/s0102-699220183301007

Parker, I (2005). Qualittive Psychology: Introducing Radical Research. McGraw-Hill.

Plastino, C. (2012). A emergência espontânea do sentimento ético como tendência da natureza humana. Winnicott e-prints, 7(1), 80-113.

Plastino, C. A. (2018). Fantasia, criatividade e realidade no pensamento de Winnicott. TRÁGICA: Estudos de Filosofia da Imanência, 11(1), 11-36.

Pussetti, C., & Brazzabeni, M. (2011). Sofrimento social: idiomas da exclusão e políticas do assistencialismo. Etnográfica. Revista do Centro em Rede de Investigação em Antropologia, 15(3), 467-478. https://doi.org/10.4000/etnografica.1036

Ribeiro, L. J. (2018). A experiência parental de casais homoafetivos: uma abordagem psicanalítica [Dissertação de mestrado, Pontifícia Universidade Católica de Campinas]. http://tede.bibliotecadigital.puc-campinas.edu.br:8080/jspui/handle/tede/1178

Rosa, D. C. J. (2018). Imaginário coletivo de enfermeiros em relação ao paciente com diagnóstico de esquizofrenia na Atenção Primária à Saúde [Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Uberlândia]. https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/24911

Rosa, D. C. J., Lima, D. M. D., Peres, R. S., & Santos, M. A. D. (2019). The concept of collective imaginary in its psychoanalytic sense: an integrative review. Psicologia Clínica, 31(3), 577-595. http://dx.doi.org/10.33208/PC1980-5438v0031n03A09

Salomonsson, M., W. & Barimani, M. (2017). Mothers’experiences of mother‐infant psychoanalytic treatment — a qualitative study. Infant mental health journal, 38(4), 486-498. https://doi.org/10.1002/imhj.21649

Schulte, A. A., Gallo-Belluzzo, S. R., & Vaisberg, T. M. J. A. (2019). A experiência emocional de autoras de mommy blogs. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, 10, 107-130.

Tachibana, M. (2011). Fim do mundo: o imaginário coletivo da equipe de enfermagem sobre a gestação interrompida [Tese de Doutorado, Pontifícia Universidade Católica de Campinas]. http://tede.bibliotecadigital.puc-campinas.edu.br:8080/jspui/handle/tede/436

Visintin, C. D. N. (2016). Maternidade e sofrimento social estudo de mommy blogs [Dissertação de mestrado, PUC-Campinas]. http://tede.bibliotecadigital.puc-campinas.edu.br:8080/jspui/handle/tede/895

Visintin, C. D. N., & Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2017). Maternidade e sofrimento social em mommy blogs brasileiros. Revista e Psicologia: Teoria e Prática (Online), 19(2), 98-107.

Werlang, R., & Mendes, J. M. R. (2013). Sofrimento social. Serviço Social & Sociedade, (116), 743-768. https://doi.org/10.1590/S0101-66282013000400009

Winnicott, D. W. (2014). Primary maternal preoccupation. In D. W. Winnicott, Through pediatrics to psycho analysis: Collected papers (pp. 300-306). Routledge. (Original publicado em 1956).

Winnicott, D. W. (2014). Through pediatrics to psycho-analysis: Collected papers. Routledge. (Original publicado em 1958).

Winnicott, D. W. (2018). Ego Integration in Child Development. In D. W. Winnicott, The maturational processes and the facilitating environment: Studies in the theory of emotional development (pp. 56-64). Routledge. (Original publicado em 1962).

Winnicott, D. W. (2012). The family and individual development. Routledge. (Original publicado em 1965).

Winnicott, D.W. (1989). The Squiggle game. In D. W. Winnicott, C. E. Winnicott, R. E. Shepard, & M. E. Davis, Psycho-analytic explorations. (pp. 299-318) Harvard University Press. (Original publicado em 1968).

Publicado
2022-05-23
Como Citar
Fabris-Zavaglia, M. M., Visintin, C. D. N., & Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2022). Maternagem de filhos com dificuldades graves de desenvolvimento. Psico, 53(1), e37103. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2022.1.37103