Prática da psicoterapia online por terapeutas psicodinâmicos

Palavras-chave: telepsicologia, internet e psicoterapia, psicoterapia online, processo de psicoterapia

Resumo

A psicoterapia online foi reconhecida pela Resolução nº 11/2018 do Conselho Federal de Psicologia. Com o reconhecimento oficial dessa prática, profissionais levantaram questões sobre sua equivalência à psicoterapia presencial e sobre a possível necessidade de adaptações técnicas. Considerando a falta de pesquisas sobre esse tema, este estudo teve como objetivo explorar como os psicoterapeutas psicodinâmicos percebem sua prática clínica online, incluindo os aspectos técnicos e relacionais do processo terapêutico, em comparação com a experiência em tratamentos face a face. Este é um estudo qualitativo, com abordagem exploratória. Oito psicólogos foram entrevistados em videoconferência. As entrevistas foram gravadas em áudio, transcritas integralmente, e analisadas por análise temática. Os resultados foram organizados em dois grandes temas (prática da psicoterapia online e técnica e processo psicodinâmico na psicoterapia online). Os principais resultados indicam que a psicoterapia psicodinâmica on-line tem muitas características específicas (por exemplo, depender da qualidade da conexão de Internet, promover um processo focal, ocorrer em um ambiente mais vulnerável e eliciar outro padrão de comunicação) que exigem adaptação do terapeuta. As implicações dos achados para o treinamento e prática da psicoterapia são discutidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leticia Fagundes Machado, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), São Leopoldo, RS, Brasil.

Psicóloga, Especializanda em Psicoterapia de Orientação Psicanalítica pelo IPSI Novo Hamburgo. Bolsista de  Iniciação Científica Egressa do Laboratório de Estudos  em Psicoterapia e Psicopatologia (LAEPsi – Unisinos).

Luan Paris Feijó, Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Psicólogo, Especialista em Teoria Psicanalítica, Mestre e Doutorando em Psicologia pela Unisinos. Integrante do Laboratório de Estudos em Psicoterapia e Psicopatologia (LAEPsi – Unisinos). Professor e Coordenador do Curso de Psicologia da Factum Faculdade.

Fernanda Barcellos Serralta, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), São Leopoldo, RS, Brasil.

Psicóloga, Especialista em Psicologia Clínica, Mestra em Psicologia e Doutora em Ciência Médicas:  Psiquiatria. Professora Permanente no Programa  de Pós-Graduação em Psicologia da Unisinos.  Coordenadora do Laboratório de Estudos em  Psicoterapia e Psicopatologia (LAEPsi – Unisinos).

Referências

American Psychological Association. (2013). Guidelines for the practice of telepsychology. American Psychologist, 68(9), 791-800. https://doi.org/10.1037/a0035001

Amichai-Hamburger, Y., Klomek, A. B., Friedman, D., Zuckerman, O., & Shani-Sherman, T. (2014). The future of online therapy. Computers in Human Behavior, 41, 288-294. https://doi.org/10.1016/j.chb.2014.09.016

Barak, A., Hen, L., Boniel-Nissim, M., & Shapira, N. (2008). A Comprehensive Review and a Meta-Analysis of the Effectiveness of Internet- Based Psychotherapeutic Interventions. Journal of Technology in Human Services, 26(2/4), 109-160. https://doi.org/10.1080/15228830802094429

Baranger, M., Baranger, W., & Mom, J. (2002). Processo e não processo no trabalho analítico. Revista FEPAL, 114-131.

Berger, T. (2017). The therapeutic alliance in internet interventions: A narrative review and suggestions for future research. Psychotherapy Research, 27(5), 511-524. https://doi.org/10.1080/10503307.2015.1119908

Bordin, E. S. (1979). The generalizability of the psychoanalytic concept of the working alliance. Psychotherapy: Theory, Research and Practice, 16(3), 252-260. https://doi.org/10.1037/h0085885

Braun, V. & Clarke, V. (2006). Using thematic analysis in psychology. Qualitative Research in Psychology, 3(2), 77-101. https://doi.org/10.1191/1478088706qp063oa

Committee on National Security Systems. (2010). National Information Assurance Glossary. Washington, DC: Author.

Carlino, R. (2011). Distance Psychoanalysis: The Theory and Practice of using Communication Technology in the Clinic. London: Karnac Books. Cipolletta, S., Frassoni, E., & Faccio, E. (2018).

Construing a therapeutic relationship online: An analysis of videoconference sessions. Clinical Psychologist, 22(2), 220-229. https://doi.org/10.1111/cp.12117

Conselho Federal de Psicologia. (2017). Resolução do Conselho Federal de Psicologia regulamenta prática on-line [Site CFP]. Distrito Federal: Autor.

Conselho Federal de Psicologia. (2018). Resolução no 11, de 11 de maio de 2018. Dispõe sobre a regulamentação da prática psicológica por meio das tecnologias de informação e comunicação. Distrito Federal: Autor.

Cook, J. E. & Doyle, C. (2002). Working Alliance in Online Therapy as Compared to Face to-Face Therapy: Preliminary Results. CyberPsychology & Behavior, 5(2), 95-105. https://doi.org/10.1089/ 109493102753770480

Crestana, T. (2015). Novas abordagens terapêuticas – terapias on-line. Revista Brasileira de Psicoterapia, 17(2), 3543.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: Métodos qualitativos, quantitativos e mistos (3. ed.). Porto Alegre: Artmed.

Ebert, D. D., Van Daele, T., Nordgreen, T., Karekla, M., Compare, A., Zarbo, C., . . . Baumeister, H. (2018). Internet- and mobile-based psychological interventions: Applications, efficacy, and potential for improving mental health – A report of the EFPA E-Health Taskforce. European Psychologist, 23, 167-187. https://doi.org/10.1027/10169040/a000318

Ehrlich, L. T. (2019). Teleanalysis: Slippery Slope or Rich Opportunity? Journal of the American Psychoanalytic Association, 67(2), 249-279. https://doi.org/10.1177/0003065119847170

Feijó, L. P. (2017). Manejo dos recursos tecnológicos de informação e comunicação em psicoterapia psicodinâmica presencial. (Dissertação de mestrado. Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Rio Grande do Sul, Brasil).

Feijó, L. P., Fermann, I. L., Andretta, I., & Serralta, F. B. (2018). Eficácia de tratamentos psicoterápicos utilizando a internet: Revisão sistemática. Anais Da 48a Reunião Anual Da Sociedade Brasileira de Psicologia.

Feijó, L. P., Silva, N. B., & Benetti, S. P. C. (2018a). Experiência e formação profissional de psicoterapeutas psicanalíticos na utilização das tecnologias de informação e comunicação. Psicologia: Ciência e Profissão, 38(2), 249-261. https://doi.org/10.1590/1982-3703003032017

Feijó, L. P., Silva, N. B., & Benetti, S. P. C. (2018b). Impacto das tecnologias de informação e comunicação na técnica psicoterápica psicanalítica. Temas em Psicologia, 26(3), 1633-1647. https://doi.org/10.9788/TP2018.3-18En

Flückiger, C., Del Re, A. C., Wampold, B. E., & Horvath, A. O. (2018, May 24). The Alliance in Adult Psychotherapy: A Meta-Analytic Synthesis. Psychotherapy. https://doi.org/10.1037/pst0000172

Fontanella, B. J. B., Ricas, J., & Turato, E. R. (2008). Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cadernos de Saúde Pública, 24(1), 17–27. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2008000100003

Gerhardt, T. E. & Silveira, D. T. (2009). A pesquisa científica. Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Hallberg, S. C. M. & Lisboa, C. S. M. (2016). Percepção e uso de tecnologias da informação e comunicação por psicoterapeutas. Temas em Psicologia, 24(4), 1297 1309. https://doi.org/10.9788/TP2016.4-06

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2016). Acesso à internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal – 2015. Rio de Janeiro: IBGE.

Lustgarten, S. D. & Elhai, J. D. (2018). Technology use in mental health practice and research: Legal and ethical risks. Clinical Psychology: Science and Practice, e12234(December 2017), 1-10. https://doi.org/10.1111/cpsp.12234

Machado, D. de B., Laskoski, P. B., Severo, C. T., Bassols, A., Sfoggia, A., Kowacs, C., . . . Eizirik, C. L. (2016). A Psychodynamic Perspective on a Systematic Review of Online Psychotherapy for Adults. British Journal of Psychotherapy, 32(1), 79-108. https://doi.org/10.1111/bjp.12204

Miclea, M., Miclea, Ş., Ciuca, A. M., & Budau, O. (2010). Computer-mediated psychotherapy. Present and prospects. A developer perspective. Cognition, Brain, Behavior. An Interdisciplinary Journal, XIV (3), 185-208.

Ministério da Saúde. (2016). Resolução n. 510, de 07 de abril de 2016. Dispõe sobre normas para pesquisas cientificas humanas e sociais. (2016). https://doi.org/10.1128/AAC.03728-14

Nóbrega, S. B. (2015). Psicanálise on-line finalmente saindo do armário? Estudos de Psicanálise, (44), 145-150.

Norcross, J. C. & Lambert, M. J. (Eds.). (2019). Psychotherapy relationships that work: Volume 1: Evidence-based therapist contributions. Oxford University Press.

Peres, R. S. (2009). Aliança terapêutica em psicoterapia de orientação psicanalítica: aspectos teóricos e manejo clínico. Estudos de Psicologia (Campinas), 26(3), 383-389. https://doi.org/10.1590/S0103-166X2009000300011

Pieta, M. A. M. (2014). Psicoterapia Pela Internet: a Relação Terapêutica. (Tese de doutorado). Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, Brasil.

Pieta, M. A. M. & Gomes, W. B. (2014). Psicoterapia pela internet: Viável ou inviável? Psicologia: Ciência e Profissâo, 34(1), 18-31. https://doi.org/10.1590/S1414-98932014000100003

Pires, A. C. J. (2015). Sobre os “tratamentos à distância” em psicoterapia de orientação analítica. Revista Brasileira de Psicoterapia, 17(2),

Prado, O., & Meyer, S. (2006). Avaliação da relação terapêutica na terapia assíncrona via internet. Psicologia Em Estudo, 11(2), 247-257. https://doi.org/10.1590/S141373722006000200003

Proudfoot, J., Klein, B., Barak, A., Carlbring, P., Cuijpers, P., Lange, A., . . . Andersson, G.(2011). Establishing guidelines for executing and reporting internet intervention research. Cognitive Behaviour Therapy, 40(2), 82-97. https://doi.org/10.1080/16506073.2011.573807

Rees, C. S. & Maclaine, E. (2015). A Systematic Review of Videoconference-Delivered Psychological Treatment for Anxiety Disorders. Australian Psychologist, 50(4), 259-264. https://doi.org/10.1111/ap.12122

Russell, G. I. (2015). Screen Relations: The Limits of Computer-Mediated Psychoanalysis and Psychotherapy. Karnac Books.

Serralta, F. B., Nunes, M. L. T., & Eizirik, C. L. (2011). Considerações metodológicas sobre o estudo de caso na pesquisa em psicoterapia. Estudos de Psicologia, 28(4), 501-510. https://doi.org/10.1590/S0103-166X2011000400010

Sfoggia, A., Kowacs, C., Gastaud, M. B., Laskoski, P. B., Bassols, A. M., Severo, C. T., . . . Eizirik, C. L. (2014). Therapeutic relationship on the web: To face or not to face? Trends in Psychiatry and Psychotherapy, 36(1), 3-10. https://doi.org/10.1590/2237-6089-20130048

Siegmund, G. & Lisboa, C. (2015). Orientação Psicológica On-line: Percepção dos Profissionais sobre a Relação com os Clientes. Psicologia: Ciência e Profissão, 35(1), 168-181. https://doi.org/10.1590/1982-3703001312012

Sucala, M., Schnur, J. B., Constantino, M. J., Miller, S. J., Brackman, E. H., & Montgomery, G. H. (2012). The therapeutic relationship in E-therapy for mental health: A systematic review. Journal of Medical Internet Research, 14(4), e110. https://doi.org/10.2196/jmir.2084

Ulkovski, E. P., Silva, L. P., & Ribeiro, A. B. (2017). Atendimento psicológico online: perspectivas e desafios atuais da psicoterapia. Revista de Iniciação Científica da Universidade Vale Do Rio Verde, Três Corações, 7(1), 59-68.

Zimerman, D. E. (2004). Manual de Técnica Psicanalítica: Uma re-visão. Porto Alegre: Artmed.

Publicado
2020-12-31
Como Citar
Fagundes Machado, L. ., Paris Feijó, L. ., & Barcellos Serralta, F. . (2020). Prática da psicoterapia online por terapeutas psicodinâmicos. Psico, 51(3), e36529. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2020.3.36529
Seção
Artigos