Significados atribuídos por pais enlutados às suas experiências e aos cuidados da equipe de saúde

Palavras-chave: morte, luto, relações pais-criança, profissional da saúde

Resumo

O adoecimento e a morte de uma criança repercutem diretamente na vida dos pais. Diante disso, este artigo, de abordagem qualitativa, objetivou compreender os significados atribuídos por pais enlutados às suas experiências diante da perda do filho e aos cuidados desempenhados pela equipe de saúde. Realizaram-se 11 entrevistas semiestruturadas com pais que perderam filhos crianças em virtude de doença, cujos dados foram tratados conforme análise de conteúdo temática. Os resultados mostraram: a importância da participação no cuidado da criança adoecida e do contato com o filho morto; e as percepções ambivalentes em relação à equipe de saúde, que evidenciaram atenção e comunicação compreensiva e despreparo para a atuação, comunicação inadequada e falta de seguimento na assistência. Destaca-se a importância da comunicação clara e do reconhecimento da perda, além de capacitações aos profissionais para atuarem com situações de morte e luto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristine Gabrielle da Costa dos Reis, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, SC, Brasil.

Doutora em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em Florianópolis, SC, Brasil.

Alberto Manuel Quintana, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS, Brasil.

Doutor em Antropologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), em São Paulo, SP, Brasil; professor titular da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), em Santa Maria, RS, Brasil.

Luísa da Rosa Olesiak, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS, Brasil.

Mestre e doutoranda em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), em Santa Maria, RS, Brasil.

Fernanda Nardino, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS, Brasil.

Mestre pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), em Santa Maria, RS, Brasil.

Mikaela Aline Bade München, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS, Brasil.

Psicóloga graduada pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), em Santa Maria, RS, Brasil.

Referências

Azeredo, N. S. G. de. (2016). O cuidado com o luto para além das portas das unidades de terapia intensiva: uma aposta e uma proposta [Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul]. https://www.lume. ufrgs.br/bitstream/handle/10183/148127/000998698.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Bardin, L. (2010). Análise de conteúdo. Edições 70.

Cherer, E. Q., Quintana, A. M., & Pinheiro, U. M. S. (2013). Sofrimento e Libertação: Significações Sobre a Morte na UTI Pediátrica. Psico, 44(4), 482-489. http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/view/10982

Collins, A., Hennessy-Anderson, N., Hosking, S., Hynson, J., Remedios, C., & Thomas, K. (2016). Lived experiences of parents caring for a child with a life-limiting condition in Australia: A qualitative study. Palliative Medicine, 30(10), 950-959. https://doi.org/10.1177/0269216316634245

Donovan, L. A., Wakefield, C. E., Russell, V., & Cohn, R. J. (2015). Hospital-based bereavement services following the death of a child: A mixed study review. Palliative Medicine, 29(3), 193-210. https://doi.org/10.1177/0269216314556851

Dutta, O., Tan-Ho, G., Choo, P. Y., Low, X. C., Chong, P. H., Ng, C., Ganapathy, S., & Ho, A. H. Y. (2020). Trauma to Transformation: the lived experience of bereaved parents of children, BMC Palliative Care, 19(46). https://doi.org/10.1186/s12904-020-00555-8

Faria-Schützer, D. B., Lovorato Neto, G., Duarte, C. A. M., Vieira, C. M., & Turato, E. R. (2014). Fica um grande vazio: Relatos de mulheres que experienciaram morte fetal durante a gestação. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, 5(2), 113-132. https://doi.org/10.5433/2236-6407.2014v5n2p113

Freud, S. (2006). Luto e melancolia. In S. Freud, Edição Standard das Obras Completas de S. Freud (vol. XIV). Imago. (Trabalho original publicado em 1917)

Jordan, J., Price, J., & Prior, L. (2015). Disorder and disconnection: parent experiences of liminality when caring for their dying child. Sociology of health and illness, 37(6), 839-55. https://doi.org/10.1111/1467-9566.12235

Laplanche, J., & Pontalis, J. B. (2001). Vocabulário de psicanálise. Martins Fontes.

Lei nº 8.069/1990. (1990). Estatuto da criança e do adolescente. Diário da República. Nº 83, 13.563.

Lima, M. J. V., & Andrade, N. M. de. (2017). A atuação do profissional de saúde residente em contato com a morte e o morrer. Saúde e Sociedade, 26(4), 958-972. https://doi.org/10.1590/S0104-12902017163041

Ljungman L., Boger, M., Ander, M., Ljótsson, B., Cernvall, M., Von Essen, L., Hovén, E. (2016). Impressions That Last: Particularly Negative and Positive Experiences Reported by Parents Five Years after the End of a Child’s Successful Cancer Treatment or Death. PLoS ONE, 11(6), e0157076. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0157076

Meert, K. L., Briller, S. H., Schim, S. M., Thurston, C., & Kabel, A. (2009) Examining the Needs of Bereaved Parents in the Pediatric Intensive Care Unit: A Qualitative Study. Death Studies, 33(8), 712-740. https://doi.org/10.1080/07481180903070434

Minayo, M. C. S. (2014). O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde (14. ed.). Hucitec.

Muza, J. C., Souza, E. N., Arrais, A. R., & Iaconelli, V. (2013). Quando a morte visita a maternidade: atenção psicológica durante a perda perinatal. Revista Psicologia: Teoria e Prática, 15(3), 34-48. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-36872013000300003&lng=pt&tlng=pt

Parkes, C. M. (1998). Luto: estudos sobre a perda na vida adulta (Tradução de Maria Helena Franco). Summus.

Pazes, M. C., Nunes, L., & Barbosa, A. (2014). Fatores que influenciam a vivência da fase terminal e de luto: perspetiva do cuidador principal. Revista de Enfermagem Referência, 4(3), 95-104. http://dx.doi.org/10.12707/RIII12135

Pereira, I. C. O. (2014). Avaliação do processo de luto: na perspectiva do cuidador enlutado [Dissertação de mestrado, Universidade de Lisboa]. https://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/23495/1/10975.pdf

Pereira, M. U. L., Gonçalves, L. L. M., Loyola, C. M. D., Anunciação, P. S., Dias, R. S., Reis, I. N., Pereira, L. A. S., Lamy, Z. C. (2018). Comunicação da notícia de morte e suporte ao luto de mulheres que perderam filhos recém-nascidos. Revista Paulista de Pediatria, 36(4), 422-427. https://doi.org/10.1590/1984-0462/;2018;36;4;00013

Pohlkamp, L., Kreicbergs, U., & Sveen, J. (2019). Factors During a Child’s Illness Are Associated With Levels of Prolonged Grief Symptoms in Bereaved Mothers and Fathers. Journal of Clinical Oncology, 38(2), 137-144. https://doi.org/10.1200/JCO.19.01493

Quintana, A. M., Wottrich, S. H., Camargo, V. P., Cherer, E. de Q., & Ries, P. K. (2011). Lutos e lutas: Reestruturações familiares diante do câncer em uma criança/adolescente. Psicologia Argumento, 29(65), 143 154. https://doi.org/10.7213/rpa.v29i65.20035

Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Diretrizes e normas regulamentadas de pesquisas envolvendo seres humanos. Ministério de Saúde/Conselho Nacional de Saúde. http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf

Rios, T. dos. S., Santos, C. S. S., & Dell’Aglio, D. D. (2016). Elaboração do processo de luto após uma perda fetal: relato de experiência. Revista de Psicologia da IMED, 8(1), 98-107. https://doi.org/10.18256/2175-5027/psico-imed.v8n1p98-107

Santos, M. R. dos., Wiegand, D. L., Sá, N. N. de., Misko, M. D., & Szylit, R. (2019). Da hospitalização ao luto: significados atribuídos por pais aos relacionamentos com profissionais em oncologia pediátrica. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 53, e03521. https://doi.org/10.1590/s1980-220x2018049603521

Snaman, J. M., Kaye, E. C., Torres, C., Gibson, D. V., & Baker, J. N. (2016). Helping Parents Live With the Hole in Their Heart: The Role of Health Care Providers and Institutions in the Bereaved Parents’ Grief Journeys. Cancer, 122, 2757-2765. https://doi.org/10.1002/cncr.30087

Turato, E. R. (2013). Tratado da metodologia da pesquisa clínico-qualitativa: Construção teórico-epistemológica discussão comparada e aplicação nas áreas da saúde e humanas (6. ed.). Vozes.

Publicado
2021-06-14
Como Citar
da Costa dos Reis, C. G., Quintana, A. M., da Rosa Olesiak, L., Nardino, F., & Bade München, M. A. (2021). Significados atribuídos por pais enlutados às suas experiências e aos cuidados da equipe de saúde. Psico, 52(1), e36028. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2021.1.36028
Seção
Artigos