Evidências de validade do “Cuestionario para la Evaluacion del Sindrome de Quemarse por el Tabajo” em profissionais da saúde

Palavras-chave: Estresse Ocupacional, Saúde Ocupacional, Burnout, validade do teste, precisão do teste

Resumo

A síndrome de burnout é uma das principais causas de afastamento do trabalho, sendo necessário instrumentos psicometricamente adequados em diferentes populações. Assim, objetivou-se reunir evidências de validade de construto da versão brasileira do “Cuestionario para la Evaluación del Síndrome de Quemarse por el Trabajo” em profissionais da saúde. Participaram 322 profissionais da área da saúde, com idade entre 21 a 62 anos (Média = 37,56; DP = 10,09), sendo 66,1% mulheres, de instituições públicas e privadas. Foram respondidos: (1) Questionário sociodemográfico; (2) “Cuestionario para la Evaluación del Síndrome de Quemarse por el Trabajo” (CESQT); (3) Escala de Estresse no Trabalho (Job Stress Scale - JSS). A análise fatorial exploratória indicou uma estrutura de quatro fatores e a confiabilidade (alfa de Cronbach) para cada uma das dimensões apresentaram-se adequados. Também são apresentadas evidências de validade convergente com os fatores da JSS. Os resultados sugerem que o CESQT apresenta boas propriedades psicométricas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Germano Gabriel Lima Esteves, Universidade de Rio Verde (UniRV)/ Universidade Nacional de Brasília (UnB), Brasília, DF, Brasil.

Doutorando em Psicologia Social do Trabalho e das Organizações pela Universidade de Brasília (PSTO- UnB), em Brasília, DF, Brasil; professor adjunto II da Universidade de Rio Verde (UniRV), em Rio Verde, GO, Brasil.

Ana Adelaide Martins Leão, Universidade de Rio Verde (UniRV), Rio Verde, GO, Brasil.

Psicóloga pela Universidade de Rio Verde (UniRV), em Rio Verde, GO, Brasil.

Esther de Oliveira Alves, Universidade de Rio Verde (UniRV), Rio Verde, GO, Brasil.

Psicóloga pela Universidade de Rio Verde (UniRV), em Rio Verde, GO, Brasil.

Referências

American Educational Research Association, American Psychological Association & National Council on Measurement in Education. (2014). Standards for Educational and Psychological Testing (5. ed.). Washington, DC: American Educational Research Association.

Alves, M. G. M., Chor, D., Faerstein, E., Lopes, C. S., & Werneck, G. L. (2004). Versão resumida da “job stress scale”: adaptação para o português. Revista Saúde Pública, 38(2):164-71. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102004000200003.

Andolhe, R., Barbosa, R. L., Oliveira, E. M., Costa, A. L. S., & Padilha, K. G. (2015). Estresse, coping e burnout da Equipe de Enfermagem de Unidades de Terapia Intensiva: fatores associados. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 49(spe), 58-64. doi: https://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420150000700009

Batista, J. B. V., Carlotto, M. S., Coutinho, A. S., & Augusto, L. G. da S. (2011). Síndrome de Burnout: confronto entre o conhecimento médico e a realidade das fichas médicas. Psicologia em Estudo, 16(3), 429-435. doi: 10.1590/S1413-73722011000300010

Bambula, F. D. & Gómez, I. C. (2016). Pesquisa sobre a síndrome de burnout na América Latina entre 2000 e 2010. Psychology from the Caribbean, 33(1), 113-131 http://dx.doi.org/10.14482/psdc.33.1.8065

Benevides-Pereira, A. M. (2014). Burnout: O processo de adoecimento pelo trabalho. In A. M. Benevides-Pereira (Ed.), Burnout: Quando o trabalho ameaça o bem-estar do trabalhador (4. ed.). São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Cardoso, H. F., Baptista, M. N., Sousa, D. F. A., & Goulart Júnior, E. (2017). Síndrome de burnout: análise da literatura nacional entre 2006 e 2015. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 17 (2), 121-128. doi: https://dx.doi.org/10.17652/rpot/2017.2.12796

Coelho, J. A. P. M., Souza, G. H. S., Cerqueira, C. L. C., Esteves, G. G. L., & Barros, B. N. R. (2018). Estresse como preditor da Síndrome de Burnout em bancários. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 18(1), 306-315. doi: https://dx.doi.org/10.17652/rpot/2018.1.13162

Cohen, J. (1992). A power primer. Psychological Bulletin, 112, 155-159. (DOI INEXISTENTE)

Costa, L. S. T., Gil-Monte, P. R., Possobon, R. F., & Ambrosano, G. M. B. (2013). Prevalência da Síndrome de Burnout em uma amostra de professores universitários brasileiros. Psicologia: Reflexão e Crítica, 26(4), 636-642. doi: https://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722013000400003

Ebling, M., & Carlotto, M. S. (2012). Burnout syndrome and associated factors among health profes- sionals of a public hospital. Trends in Psychiatry and Psychotherapy, 34(2), 93-100. doi:10.1590/ S2237-60892012000200008

Gil-Monte P.R. (2005). El síndrome de quemarse por el trabajo (Burnout): una enfermedad laboral en la sociedad del bienestar. Madrid: Pirámide.

Gil-Monte, P. R., Carlotto, M. S., & Câmara, S. G. (2010). Validação da versão brasileira do "Cuestionario para la Evaluación del Síndrome de Quemarse por el Trabajo" em professores. Revista de Saúde Pública, 44(1), 140-147. doi: https://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102010000100015

Gil-Monte, P. R., Viotti, S., & Converso, D. (2017). Propiedades psicométricas del «Cuestionario para la Evaluación del Síndrome de Quemarse por el Trabajo» (CESQT) en profesionales de la salud italianos: una perspectiva de género. Liberabit, 23(2), 153-168. doi: https://dx.doi.org/https://doi.org/10.24265/liberabit.2017.v23n2.01

Gil-Monte, P. R., & Zúñiga-Caballero, L. C. (2010). Validez factorial del “Cuestionario para la Evaluación del Síndrome de Quemarse por el Trabajo” (CESQT) en una muestra de médicos mexicanos [Factorial validity of the “Spanish Burnout Inventory” (SBI) in a sample of Mexican doctors]. Universitas Psychologica, 9(1), 169-178. doi: http://dx.doi.org/10.1037/t21442-000

Gómez, S. H. M., Rivera, G. B. R., Tiznado, O. J., & Grisales, V. D. (2018). Spanish Burnout inventory: A meta analysis based approach. Contaduría y administración, 63(2). https://dx.doi.org/10.22201/fca.24488410e.2018.1120

Karasek, R., & Theörell, T. (1990). Healthy work: Stress, productivity and the reconstruction of working life. New York: Basic Books.

Koga, G. K. C., Melanda, F. N., Santos, H. G., Sant'Anna, F. L., González, A. D., Mesas, A. E., & Andrade, S. M. (2015). Fatores associados a piores níveis na escala de Burnout em professores da educação básica. Cadernos Saúde Coletiva, 23(3), 268-275. doi: https://dx.doi.org/10.1590/1414-462X201500030121

Kristensen, T. S., Borrritz, M., Villadsen, E., & Christensen, K. B. (2005). The Copenhagen Burnout Inventory: a new tool for the assessment of Burnout. Work Stress, 19(3),192-207. https://dx.doi.org/10.1080/02678370500297720

Maslach, C., Schaufeli, W. B., & Leiter, M. P. (2001). Job burnout. Annual Review of Psychology, 522:397-422. doi: https://doi.org/10.1146/annurev.psych.52.1.397.

Ministério da Economia – Secretaria de Previdência (2020). Acompanhamento mensal do benefício auxílio-doença previdenciário concedido segundo os códigos da DID-10 - janeiro a dezembro de 2019. Recuperado de http://sa.previdencia.gov.br/site/2020/03/Acompanhamento-Mensal_Auxilio-Doenca-Previdenciario_2019_completo_CID-10.pdf

Moreira, H. A., Souza, K. N., & Yamaguchi, M. U. (2018). Síndrome de Burnout em médicos: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 43. doi: https://dx.doi.org/10.1590/2317-6369000013316

Pelegrini, A., Cardoso, T. E., Claumann, G. S., Pinto, A. A., & Felden, E. P. G. (2018). Percepção das condições de trabalho e estresse ocupacional em policiais civis e militares de unidades de operações especiais. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, 26(2), 423-430. doi: https://dx.doi.org/10.4322/2526-8910.ctoao1160

Poletto, N. A., Probst, L. F., Oliveira, T. L., Guerra, L. M., Ambrosano, G. M. B., Cortellazzi, K. L., Gil-Monte, P. R., & Possobon, R. F. (2016). Síndrome de burnout em gestores municipais da saúde. Cadernos de Saúde Coletiva, 24(2):209-215. doi: 10.1590/1414-462X201600020005.

Silva, R. P., Barbosa, S. C., Silva, S. S., & Patrício, D. F. (2015). Burnout e estratégias de enfrentamento em profissionais de enfermagem. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 67(1), 130-145. (DOI INEXISTENTE)

Silveira, S. L. M., Câmara, S. G., & Amazarray, M. R. (2014). Preditores da Síndrome de Burnout em profissionais da saúde na atenção básica de Porto Alegre/RS. Cadernos Saúde Coletiva, 22(4), 386-392. doi: https://dx.doi.org/10.1590/1414-462X201400040012

Souza, A. C., Milani, D. & Alexandre, N. M. C. (2015). Adaptação cultural de um instrumento para avaliar a satisfação no trabalho. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 40(132), 219-227. doi: https://dx.doi.org/10.1590/0303-7657000113715

Theorell T. (1996). The demand-control-support model for studying health in relation to the work environment: an interactive model. In: Orth-Gómer K, Schneiderman N, editors. Behavioral medicine approaches to cardiovascular disease. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum Associates, p. 69-85.

Trindade, L. L., Lautert, L., Beck, C. L. C., Amestoy, S. C., & Pires, D. E. P. (2010). Estresse e síndrome de burnout entre trabalhadores da equipe de Saúde da Família. Acta Paulista de Enfermagem, 23(5), 684-689. doi: https://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002010000500016

Valverde, Z. Y. V. (2019). Propiedades psicométricas del cuestionario para la evaluación del síndrome de quemarse por el trabajo en docentes del distrito de Juanjuí, 2017 (Tese de doutorado não publicada, Faculdade de Humanas, Universidad César Vallejo) Tarapoto, Peru.

Vasconcelos, E. M., & Martino, M. M. F. (2017). Preditores da síndrome de burnout em enfermeiros de unidade de terapia intensiva. Revista Gaúcha de Enfermagem, 38(4). doi: https://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2017.04.65354

Vidotti, V., Ribeiro, R. P., Galdino, M. J. Q. & Martins, J. T. (2018). Burnout Syndrome and shift work among the nursing staff. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 26. doi: https://dx.doi.org/10.1590/1518-8345.2550.3022

Publicado
2020-12-31
Como Citar
Esteves, G. G. L., Leão, A. A. M., & Alves, E. de O. (2020). Evidências de validade do “Cuestionario para la Evaluacion del Sindrome de Quemarse por el Tabajo” em profissionais da saúde. Psico, 51(4), e33335. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2020.4.33335
Seção
Artigo Original