O conceito de comunidade na Comunicação

  • Eduardo Yuji Yamamoto Universidade Estadual do Centro Oeste
Palavras-chave: Comunidade, Ontologia, Interpretação (Fonte, Thesauro da UNESCO)

Resumo

Este estudo lança a possibilidade de pensar um outro conceito de “comunidade” ante o atual cenário mediatizado, um conceito distinto daquele herdado das Ciências Sociais do século XIX que a entende, exclusivamente, enquanto substância comum compartilhada (território, cultura, etnia, classe etc.). Este outro conceito, reivindicado por importantes pensadores (Bataille, Blanchot, Nancy, Rancière, Derrida, Agamben), é desenvolvido no texto pela hermenêutica de Roberto Esposito, que encontra no significado arcaico da “comunidade” (communitas) uma ontologia originária. Tal ontologia, fundamentada no conceito de physis, provê uma estrutura genética das entificações comunitárias que pode ser acolhida pelos estudos comunicacionais para ampliar seus objetos de pesquisa e legitimar as intervenções comunicacionais na luta biopolítica contemporânea.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Yuji Yamamoto, Universidade Estadual do Centro Oeste
Doutor em Comunicação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professor e pesquisador da Universidade Estadual do Centro Oeste (Unicentro).

Referências

BLANCHOT, Maurice. La communauté inavouable. Paris: Minuit, 1983.

DELEUZE, Gilles. Lógica do sentido. Trad. Luiz Roberto Salinas Fortes. São Paulo: Perspectiva, 2007.

ESPOSITO, Roberto. Communitas: origen y destino de la comunidad. Trad. Carlo Rodolfo Molinari Marotto. Buenos Aires: Amorrortu, 2007.

____. Bios. Biopolítica e filosofia. Lisboa: Edições 70, 2010.

HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo. Trad. Márcia Sá Cavalcanti Schuback, 5ª Ed. Petrópolis: Vozes; Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 2011.

____. Os conceitos fundamentais da metafísica: mundo, finitude, solidão. Trad. Marco Antonio Casanova. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

____. Introdução à Metafísica. Trad. Emmanuel Carneiro Leão. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1999.

NANCY, Jean Luc. La communauté désoeuvrée. Paris: Christian Bourgois Editeurs, 1986.

____. Être singulier pluriel. Paris: Galilée, 1996.

NEGRI, Toni. Arte y multitudo. Ocho cartas. Madrid: Minima Trotta, 2000.

PELBART, Peter P. A comunidade dos sem comunidade. In: PACHECO, Anelise; COCCO, Giuseppe; VAZ, Paulo. (Org.). O trabalho da multidão. Rio de Janeiro: Gryphus, 2002, p. 93-108.

RANCIÈRE, Jacques. Comunidade como dissentimento. In. DIAS, Bruno P; NEVES, José. (org.). A política dos muitos: Povo, Classes e Multidão. Lisboa: Tinta da China, 2010, p. 425-436.

SODRÉ, Muniz. Sobre a epistème comunicacional. Revista Matrizes, São Paulo, v. 01, n. 01, p. 15-26, out. 2007.

____. A máquina de Narciso. Rio de Janeiro: Cortez, 1984.

____. Antropológica do espelho. Petrópolis: Vozes, 2002.

____. A verdade seduzida. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1983.

____. Objeto da comunicação é a vinculação social. Entrevista para Desireé Rabelo. In. PCLA (UMESP), São Bernardo do Campo, v. 03, n. 01, dez. 2001. Disponível em: http://www2.metodista.br/unesco/PCLA/revista9/entrevista%209-1.htm. Acesso em: 18 mai 2014.

Publicado
2014-09-10
Como Citar
Yamamoto, E. Y. (2014). O conceito de comunidade na Comunicação. Revista FAMECOS, 21(2), 438-458. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2014.2.17333
Seção
Epistemologia