Tropeirismo e educação

A escolarização no percurso da Estrada de Palmas-Palmeira (1854-1916)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15448/2178-3748.2022.1.42444

Palavras-chave:

História da educação, Paraná, Tropeirismo

Resumo

A Estrada de Palmas-Palmeira foi uma ramificação do Caminho das Missões, que buscava atender as necessidades comerciais decorrentes do grande tropeirismo do século XIX, possibilitando o trânsito de gado proveniente da região missioneira e dos Campos de Palmas, até o Caminho de Viamão. Nessa rota, até o ano de 1916 se constituíram os municípios paranaenses de Palmeira, Palmas, São João do Triunfo, União da Vitória, São Mateus e São Pedro de Mallet. Tendo em vista o desenvolvimento econômico, social e cultural dessa região, o presente texto, tem como objetivo analisar a relação entre tropeirismo e a escolarização no percurso da Estrada Palmas-Palmeira, no período de 1854-1916. A delimitação temporal tem início em 1854, por ser o marco inicial do governo na província do Paraná, quando o governo paranaense passou a organizar a instrução pública e demais setores. Já o recorte de 1916, marcou o acordo de limites entre os estados do Paraná e Santa Catarina. A metodologia adotada é a da análise de documentos oficiais, tendo como foco a legislação educacional, os relatórios dos presidentes de províncias, relatórios dos governadores do Estado, relatórios dos inspetores de instrução pública e professores, além de fontes bibliográficas. A pesquisa revelou que apesar das transformações socioculturais e econômicas decorrentes do tropeirismo na região, uma ampliação da escolarização só se deu com a colonização e o desenvolvimento de novas formas de trabalho. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruna Aldine Muller, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Francisco Beltrão, PR, Brasil.

Mestre em Educação pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), em Francisco Beltrão, PR, Brasil. Doutoranda em Educação pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), em Maringá, PR, Brasil.

André Paulo Castanha, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Francisco Beltrão, PR, Brasil.

Doutor em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), em São Carlos, SP, Brasil; Pós-doutor na área de Filosofia e História da Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), em Campinas, SP, Brasil. Professor do curso de Pedagogia e do Mestrado em Educação da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), em Francisco Beltrão, PR, Brasil. Membro do Grupo de Pesquisa História, Sociedade e Educação no Brasil (HISTEDOPR), GT local do HISTEDBR.

Referências

ANJOS, J. J. T. Pais e filhos na província do Paraná: uma história da educação da criança pela família. 2015. 617 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2015. Disponível em: https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/37921/R%20-%20T%20-%20JUAREZ%20JOSE%20TUCHINSKI%20DOS%20ANJOS.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 30 out. 2021.

BENCOSTTA, M. L. A. Grupos Escolares no Brasil: um novo modelo de escola primária. In: STEPHANOU, M.; BASTOS, M. H. C. (org.). Histórias e Memórias da Educação no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2005. v. 3, p. 68-76.

BORBA, D. F. G. Aprender e ensinar a ser gaúcho dentro do Grupo de Danças Biriva Tropeiros de Dois Mundos. 2013. 89 f. Dissertação (Mestrado em Educação) –Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2013. Disponível em: https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/7081/BORBA%2c%20DANIELA%20FARIAS%20GARCIA.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 17 nov. 2021.

BRASIL. Recenseamento geral do Império em 1872. In: Biblioteca IBGE. [S. l.], c2022. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv25477_v9_pr.pdf. Acesso em: 14 jul. 2019.

BRASIL. Sinopse do recenseamento de 31 de dezembro de 1890. In: Portal O Senado – Biblioteca do Senado. Rio de Janeiro, RJ: Oficina da Estatística, 1898. Disponível em: http://www2.senado.leg.br/bdsf/handle/id/227299. Acesso em: 14 jul. 2019.

BRASIL. Sinopse do recenseamento de 31 de dezembro de 1900. In: Portal O Senado – Biblioteca do Senado. Rio de Janeiro, RJ: Typ. da Estatística, 1905. Disponível em: http://www2.senado.leg.br/bdsf/handle/id/222260. Acesso em: 14 jul. 2019.

CARVALHO, M. M. X.; NODARI, E. S. As origens da indústria madeireira e do desmatamento da floresta de araucária no Médio Vale do Iguaçu (1884-1920). Cadernos do CEOM, Chapecó, v. 21. n. 29, p. 63-82, 2008. Disponível em: https://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/rcc/article/view/329. Acesso em: 22 jul. 2019.

CASTANHA, A. P. O Ato Adicional de 1834 e a Instrução Elementar no Império: descentralização ou centralização? 2007. 555 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2007. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/2437/1685.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 29 maio 2021.

FERREIRA, J. C. V. O Paraná e seus municípios. Maringá: Memória Brasileira, 1996.

KLEIN, R. B. Grupo Escolar Professor Serapião: 100 anos de história. Palmas: Kaygangue, 2013.

MACHADO, J. L. da S. O Sertão e o Cativo – Escravidão e Pastoreio: os campos de Palmas – Paraná (1859-1888). Porto Alegre: FCM, 2015.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

MIGUEL, M. E. B.; MARTIN, S. D. (org.). Coletânea da documentação educacional paranaense no período de 1854 a 1889. Brasília: INEP, 2004.

MORAES, F. O processo de escolarização pública na Vila de Cotia no contexto cultural caipira (1870-1885). 2015. 258 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-17102016-090134/publico/FERNANDA_MORAES.pdf. Acesso em: 4 jun. 2021.

NOSELLA, P.; BUFFA, E. Instituições escolares: porque e como pesquisar. 2. ed. São Paulo: Alínea, 2009.

NOVACKI, L. H. Como se liberto nascesse de ventre livre: escravos libertos na Freguesia da Palmeira/PR (1831-1848). Vernáculo, Curitiba, n. 3, p. 67-84, 2000. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/vernaculo/article/view/18072/11776. Acesso em: 25 jan. 2020.

OLIVEIRA, M. C. M. Organização escolar no início do século XX: o caso do Paraná. Revista Educar, Curitiba, v. 17, n. 18, p. 143-155, 2001. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/educar/article/view/32821/20805. Acesso em: 26 maio 2020.

PADILHA, L. M. de L. Ideário Republicano nos Campos Gerais: a criação do Grupo Escolar Conselheiro Jesuíno Marcondes (1907). 2010. 145 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2010. Disponível em: http://tede2.uepg.br/jspui/handle/prefix/1304. Acesso em: 16 nov. 2021.

PAES, J. M. Tropas e Tropeiros na primeira metade do século XIX no Alto Sertão Baiano. 2001. 165 f. Dissertação (Mestrado em História Social) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2001. Disponível em: https://ppgh.ufba.br/sites/ppgh.ufba.br/files/2001._paes_jurema_mascarenhas._tropas_e_tropeiros_na_primeira_metade_do_seculo_xix_no_alto_sertao_baiano.pdf. Acesso em: 2 maio 2022.

PARANÁ. Relatório do presidente Zacarias de Góis e Vasconcelos, apresentado à Assembleia Legislativa Provincial na abertura dos trabalhos, em 15 de julho de 1854. Curitiba, PR: Tipografia Paranaense, 1854.

PARANÁ. Relatório do vice-presidente Henrique de Beaurepaire Rohan, apresentado à Assembleia Legislativa Provincial, em 1º de março de 1856. Curitiba, PR: Tipografia Paranaense, 1856.

PARANÁ. Diretoria da Instrução Pública. Relatório do Inspetor Geral José Lourenço de Sá Ribas, de 31 de dezembro de 1861. Apresentado pelo presidente Antonio Barbosa Gomes Nogueira, na abertura dos trabalhos legislativos, em 15 de fevereiro de 1862. Curitiba: Tipografia do Correio Oficial, 1862.

PARANÁ. Relatório do presidente Polidoro Cezar Burlamaque, apresentado à Assembleia Legislativa Provincial, na abertura dos trabalhos legislativos, em 15 de março de 1867. Curitiba: Tipografia de Candido Martins Lopes, 1867.

PARANÁ. Diretoria da Instrução Pública. Relatório do Inspetor Geral João Franco de Oliveira Souza, de 31 de dezembro de 1872. Publicado como parte do relatório do vice-presidente, Manoel Antônio Guimarães, na abertura dos trabalhos legislativos, em 17 de fevereiro de 1873. Curitiba: Tipografia da Viúva Lopes, 1873.

PARANÁ. Relatório do presidente Manuel Pinto de Souza Dantas Filho, apresentado à Assembleia Legislativa Provincial, em 4 de junho de 1879. Curitiba: Tipografia Perseverança, 1879.

PARANÁ. Diretoria da Instrução Pública. Relatório do Diretor Geral da Instrução Pública da Província do Paraná Moysés Marcondes apresentado ao Presidente Carlos Augusto de Carvalho, em 1882. Curitiba: Tipografia Dezenove de Dezembro, 1882.

PARANÁ. Relatório do presidente Joaquim de Almeida Faria Sobrinho, apresentado à Assembleia Legislativa Provincial, em 30 de outubro de 1886. Curitiba: Tipografia da Gazeta Paranaense, 1886.

PARANÁ. Relatório do Secretário de Estado dos Negócios do Interior, Justiça e Instrução Pública, Caetano Alberto Munhoz, apresentado ao Governador do Estado Francisco Xavier da Silva, em 29 de setembro de 1894. Curitiba: Tipografia Impressora Paranaense, 1894.

PARANÁ. Relatório do Secretário de Estado dos Negócios do Interior, Justiça e Instrução Pública, Caetano Alberto Munhoz, apresentado ao Governador do Estado Francisco Xavier da Silva, em 31 de agosto de 1895. Curitiba: Tipografia Impressora Paranaense, 1895.

PARANÁ. Relatório do Secretário de Estado dos Negócios do Interior, Justiça e Instrução Pública, Antônio Augusto de Carvalho Chaves, apresentado ao Governador do Estado José Pereira Santos Andrade, em 1º de setembro de 1896. Curitiba: Tipografia Modelo a Vapor, 1896.

PARANÁ. Relatório do Diretor Geral da Instrução Pública Victor Ferreira do Amaral e Silva, apresentado ao Secretário do Estado do Interior, Justiça e Instrução Pública, em 31 de dezembro de 1903. Curitiba: Tipografia da República, 1904.

PARANÁ. Relatório do Secretário de Estado dos Negócios do Interior, Justiça e Instrução Pública Bento José Lamenha Lins, apresentado ao Governador do Estado Vicente Machado da Silva Lima, em 14 de janeiro de 1907. Curitiba: [s. n.], 1907.

PARANÁ. Relatório do Diretor Geral da Instrução Pública Claudino Rogoberto Ferreira dos Santos, apresentado ao Secretário do Estado dos Negócios do Interior, Justiça e Instrução Pública, Marins Alves de Camargo, em 31 de dezembro de 1912. Curitiba: [s. n.], 1913.

PARANÁ. Diretoria da Instrução Pública. Relatório de Francisco Ribeiro de Azevedo Macedo, de 31 de dezembro de 1914. Publicado como parte do relatório do secretário de Estado dos Negócios do Interior, Justiça e Instrução Pública, Claudino Rogoberto Ferreira dos Santos, apresentado ao Governador do Estado Carlos Cavalcantti de Albuquerque em 31 de dezembro de 1914. Curitiba: Diário Oficial, 1915.

PARANÁ. Relatório do Secretário de Estado dos Negócios do Interior, Justiça e Instrução Pública, Enéas Marques dos Santos, apresentado ao Governador do Estado Affonso Alves de Camargo, em 31 de dezembro de 1916. Curitiba: Tipografia da República, 1917.

PARANÁ. Breve histórico sobre a evolução da divisão territorial do Estado do Paraná. Curitiba: Diretoria de Geociências Departamento de Cartografia, 2003. Disponível em: http://www.itcg.pr.gov.br/arquivos/File/Produtos_DGEO/Divisas_Municipais/Evo lucao_Divisao_Territorial.pdf. Acesso em: 15 jan. 2020.

SANTI, D. N. Instrução Pública na província do Paraná (1854-1871): a atuação e o legado do inspetor geral Joaquim Ignácio Silveira da Mota. 2017. 253 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Francisco Beltrão, 2017. Disponível em: http://tede.unioeste.br/bitstream/tede/2983/5/DenizeNSanti2017.pdf. Acesso em: 3 maio 2021.

SCHENA, D. R. O lugar da escola primária como portadora de um projeto de nação: o caso do Paraná (1890-1922). 2002. 126 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2002. Disponível em: https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/61585/D%20-%20DENILSON%20ROBERTO%20SCHENA.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 26 jun. 2021.

SPADA, E. O universo romanesco de Domingos Pellegrini: de tropeiros a viajantes. 2018. 116 f. Dissertação (Mestrado em Teoria Literária) – Centro Universitário Campos de Andrade, Curitiba, 2018. Disponível em: https://d335luupugsy2.cloudfront.net/cms%2Ffiles%2F60568%2F1617295603Dissertao_Einetes_Spada.pdf. Acesso em: 24 maio 2021.

SPIM, A. A. A criação do Grupo Escolar “Senador Vergueiro” (1919) e a escolarização dos filhos dos operários em Sorocaba. 2014. 80 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de Sorocaba, Sorocaba, 2014. Disponível em: http://educacao.uniso.br/producao-discente/dissertacoes/2014/Adilson_Aparecido_Spim.pdf. Acesso em: 17 maio 2021.

TRINDADE, J. B. Tropeiros. São Paulo: Editoração Publicações e Comunicações Ltda, 1992.

WACHOWICZ, R. C. História do Paraná. 9. ed. Curitiba: Imprensa Oficial do Paraná, 2001.

WITTE, G. Os caboclos dos Campos de Palmas e sua representação na Guerra do Contestado. 2017. 126 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Francisco Beltrão, 2017. Disponível em: http://tede.unioeste.br/handle/tede/3014. Acesso em: 4 abr. 2021.

Downloads

Publicado

2022-08-29

Como Citar

Muller, B. A., & Castanha, A. P. (2022). Tropeirismo e educação: A escolarização no percurso da Estrada de Palmas-Palmeira (1854-1916). Oficina Do Historiador, 15(1), e42444. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2022.1.42444