Contribuições da análise temática para o tratamento dos jornais na pesquisa historiográfica

Palavras-chave: Análise temática, Jornais, Revolução Russa

Resumo

Este artigo apresenta uma possibilidade de tratamento dos jornais na pesquisa historiográfica através da análise temática do conteúdo das notícias. Para tanto em caráter introdutório essa abordagem será demonstrada no estudo da primeira notícia sobre a Revolução Russa publicada pela imprensa operária brasileira em 1917. A escolha pela referida metodologia no tratamento da fonte baseou-se na busca por compreender como a produção jornalística dos trabalhadores delineou as principais ideias em torno dos acontecimentos referentes ao processo revolucionário russo. Na análise temática do texto jornalístico foi utilizado o software NVivo devido a sua capacidade de fornecer recursos diversificados no exercício da identificação dos temas. Para demonstrar como foram elaboradas as correlações temáticas são apresentados elementos do Projeto “Imprensa Operária” desenvolvido no NVivo. A proposta metodológica aqui relatada pretende contribuir com possíveis caminhos de inovações no âmbito da pesquisa historiográfica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Iamara Silva Andrade, Secretaria da Educação do Estado da Bahia, Instituto Anísio Teixeira, Salvador, BA, Brasil.

Doutora em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Professora de História e Sociologia do Programa de Ensino Médio com Intermediação Tecnológica (EMITEC) da Secretaria da Educação do Estado da Bahia no Instituto Anísio Teixeira, em Salvador, BA, Brasil.

Referências

ANDRADE, Iamara Silva. Ecos da Revolução Russa na imprensa operária brasileira (1917). 2021. Tese (Doutorado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2021.

ARAÚJO, Bruno Rodrigo Tavares. Rebeldia com causa: a trajetória política e intelectual de Antonio Bernardo Canellas (1916-1920). 2015. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Ciências Humanas, Comunicação e Artes, Universidade Federal de Alagoas, Macéio, 2015.

ARRUDA, June. A. de A.; FALQUETO, Junia. M. Z. Uso do software Nvivo® em investigação qualitativa: ferramenta

para pesquisa nas ciências sociais. In: CONGRESSO IBERO-AMERICANO EM INVESTIGAÇÃO QUALITATIVA, 6., 2017, [S. I.]. Atas [...]. [S. I.]: [s. n.], 2017. v. 3, p. 621-626.

CRUZ, Heloísa de Faria; PEIXOTO, Maria do Rosário Cunha. Na oficina do historiador: conversas sobre história e imprensa. Projeto História, São Paulo, n. 35, p. 253-270, dez. 2007.

DULLES, John W. F. Anarquistas e comunistas no Brasil, 1900-1935. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1977.

FONSECA JÚNIOR, Wilson Correa da. Análise de Conteúdo. In: DUARTE, Jorge; BARROS, Antonio (org.). Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. São Paulo: Atlas, 2006.p. 280-304.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2016.

BARRICHELLO, Eugênia Mariano da Rocha; RUBLESKI, Anelise (org.). Pesquisa em comunicação: olhares e abordagens. Santa Maria: Facos – UFSM, 2014.

BARTZ, Frederico Duarte. Movimento Operário e Revolução Social no Brasil: ideias revolucionárias e projetos políticos dos trabalhadores organizados no Rio de Janeiro, São Paulo, Recife e Porto Alegre entre 1917 e 1922. 2014. Tese (Doutorado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.

CASTILLO, Felicia De Lucia; BRITO, Jéssica Oliveira; SANTOS, Celso A. S. Nuvens de palavras animadas para visualizar e extrair conhecimento de informaçõestextuais. In: Webmedia ‘16: Anais do 22º Simpósio Brasileiro de Multimídia e a Web. Terezina: [s. n.], nov. 2016. p. 127-134.

MORAES FILHO, Evaristo de. A proto-história do marxismo no Brasil. In: MORAES, João Quartim de; REIS FILHO, Daniel Aarão (org.). História do marxismo no Brasil: o impacto das revoluções. Campinas: Editora da Unicamp, 2003. v. 1.

MOZZATO, A. R.; GRZYBOVSKI, D.; TEIXEIRA, A. N. Análises Qualitativas nos Estudos Organizacionais: As Vantagens no Uso do Software NVIVO. Revista Alcance, Biguaçu, v. 23, n. 4, p. 578-587, 2016.

POLETO, Caroline. A imaginação subversiva ao redor do mundo: imagens, poesias e contos de protesto na imprensa anarquista e anticlerical (Espanha, Argentina e Brasil, 1897-1936). 2017. Tese (Doutorado em História) – UNISINOS, São Leopoldo, 2017.

OLIVEIRA, Tiago Bernardon de. Anarquismo, sindicatos e revolução no Brasil (1906-1937). 2009. Tese (Doutorado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, UFF, Niterói, 2009.

SAMIS, Alexandre. Pavilhão negro sobre pátria oliva: sindicalismo e anarquismo no Brasil. In: COLOMBO, Eduardo (org.). História do movimento operário revolucionário. São Paulo: Imaginário; São Caetano do Sul: IMES, 2004. p. 132-147.

TOLEDO, Edilene. Anarquismo e sindicalismo revolucionário: trabalhadores e militantes em São Paulo na Primeira República. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.

Publicado
2022-05-23
Como Citar
Andrade, I. S. (2022). Contribuições da análise temática para o tratamento dos jornais na pesquisa historiográfica. Oficina Do Historiador, 15(1), e42029. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2022.1.42029