Prática batismal e os cuidados com o corpo e com a alma no Brasil colonial (séculos XVI e XVII)

Palavras-chave: Religiosidade, Catolicismo no Brasil, História e Cultura Indígena

Resumo

O sacramento do batismo possui o objetivo de expurgar o pecado original da alma. No Brasil colonial, o batismo assumiu outros significados, além do original. Entre os séculos XVI e XVII, passou a ser visto como um instrumento de cura. Entre os índios, no entanto, a concepção teológica foi desvinculada do ritual propriamente dito, fazendo com que os gentios acreditassem que o batismo constituía, em si, um remédio contra os males do corpo. Durante o século XVI, em contrapartida, o primeiro sacramento da Igreja também assumiu outro significado entre os índios, antagônico ao anterior: passou a ser visto como um ritual que levava à morte. Neste conflito de visões, os padres e feiticeiros, dois tipos sociais que exerciam domínio tradicional nas suas respectivas comunidades, assumiram o protagonismo da difusão de cada uma dessas duas visões, competindo para conquistar adeptos entre os nativos. O objetivo deste artigo é mostrar a validade desta tese, através da exposição cronológica de fragmentos de cartas, vidas de santos e outros escritos do período colonial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas de Almeida Semeão, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), São Paulo, SP, Brasil.

Mestre em História pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), em São Paulo, SP, Brasil. Doutorando em História pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), em São Paulo, SP, Brasil.

Referências

ANCHIETA, José de. Carta trimestral de maio a agosto de 1556, pelo Ir. José de Anchieta. In: LEITE, Serafim. Cartas dos primeiros jesuítas do Brasil. São Paulo: Comissão do IV centenário da cidade de São Paulo, 1956. v. 2, p. 302-310.

BLÁZQUEZ, António. Carta do quadrimestre de janeiro até abril de [1556], pelo Ir. António Blázquez [?]. In: LEITE, Serafim. Cartas dos primeiros jesuítas do Brasil. São Paulo: Comissão do IV centenário da cidade de São Paulo, 1956. v. 2, p. 266-274.

BLÁZQUEZ, António. Carta do P. António Blázquez ao P. Diego Laynes. In: LEITE, Serafim. Cartas dos primeiros jesuítas do Brasil. São Paulo: Comissão do IV centenário da cidade de São Paulo, 1956. v. 3, p. 394-427.

CALAINHO, Daniela Bouno. Jesuítas e medicina no Brasil colonial. Tempo, Niterói, n. 19, p. 61-75, dez. 2005.

CAXA, Quirício. Milagres de enunciação do século XVI: Vida e morte do padre José de Anchieta. Rio de Janeiro: Secretaria Geral de Educação e Cultura: Cultural Vida, 1957.

FELIPPE, Guilherme Galhegos. Variações discursivas sobre os Registros Sacramentais: batismo, confissão e matrimônio nas reduções jesuíticas (1609-1640). 2007. Dissertação (Mestrado em História) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.

FRANÇA, Jean Marcel Carvalho; VIOTTI, Ana Carolina de Carvalho. Das relações com o corpo no Brasil. In: RODRIGUES, Cristina Carneiro; DE LUCA, Tania Regina; GUIMARÃES, Valéria (org.). Identidades brasileiras: composições e recomposições. 1. Ed. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014. p. 87-116.

FREITAS, Camila Corrêa e Silva de. Divulgar a biografia de um santo: os usos e as aproximações da figura de José de Anchieta no Brasil e na Europa (século XVII). 2016. Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

MACHADO, José Barbosa. Dicionário dos primeiros livros impressos em Língua Portuguesa. Braga: Createspace, 2015. v. 3.

MELO, João de. Carta do P. João de Melo ao P. Gonçalo Vaz de Melo. In: LEITE, Serafim. Cartas dos primeiros jesuítas do Brasil. São Paulo: Comissão do IV centenário da cidade de São Paulo, 1956. v. 3, p. 279-284.

NÓBREGA, Manuel da. Carta do P. Manuel da Nóbrega ao P. Miguel de Torres e padre, e irmãos de Portugal. In: LEITE, Serafim. Cartas dos primeiros jesuítas do Brasil. São Paulo: Comissão do IV centenário da cidade de São Paulo, 1956. v. 3, p. 49-67.

PEREIRA, Rui. Carta do P. Rui Pereira aos padres e irmãos de Portugal. In: LEITE, Serafim. Cartas dos primeiros jesuítas do Brasil. São Paulo: Comissão do IV centenário da cidade de São Paulo, 1956. v. 3, p. 285-306.

POPPER, Karl. O mito do contexto: em defesa da ciência e da racionalidade. Tradução de Paula Taipas. Lisboa: edições 70, 1996.

RODRIGUES, Pero. Vida do padre José de Anchieta. Anais da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, v. 19, p. 1-49, 1897.

RODRIGUES, Vicente. Carta do Ir. Vicente Rodrigues aos padres e irmãos de Coimbra. In: LEITE, Serafim. Cartas dos primeiros jesuítas do Brasil. São Paulo: Comissão do IV centenário da cidade de São Paulo, 1956. v. 1, p. 302-304.

RODRIGUES, Vicente. Carta do Ir. Vicente Rodrigues aos padres e irmãos de Coimbra. In: LEITE, Serafim. Cartas dos primeiros jesuítas do Brasil. São Paulo: Comissão do IV centenário da cidade de São Paulo, 1956. v. 1, p. 305-314.

SÁ, António de. Carta do Ir. António de Sá [?] aos padres e irmãos da Bahia. In: LEITE, Serafim. Cartas dos primeiros jesuítas do Brasil. São Paulo: Comissão do IV centenário da cidade de São Paulo, 1956. v. 3, p. 17-22.

SILVA, António da. Sermões das tardes das domingas da quaresma pregadas na Matriz do Arrecife de Pernambuco no ano de 1673. Lisboa: Oficina de Joam da Costa, 1675.

SOUSA, Claudia Rocha de. As práticas curativas na Amazônia colonial: da cura da alma à cura do corpo. Amazônica – Revista de Antropologia, Belém, n. 2, p. 362-384, fev. 2014.

VASCONCELOS, Simão de. Livro primeiro da recopilação da vida do P. Joseph Anchieta da Companhia de Jesus. In: RODRIGUES, Pero. Vida do Venerável Padre Joseph de Anchieta da Companhia de Iesus [...]. Lisboa: Oficina de Joam da Costa, 1672.

VASCONCELOS, Simão de. Vida do Venerável Padre Joseph de Anchieta da Companhia de Iesus [...]. Lisboa: Oficina de Joam da Costa, 1672.

VIDE, Sebastião Monteiro da. História da vida, e morte da madre sóror Victoria da Encarnação, Religiosa Professa no Convento de Santa Clara do Desterro da Cidade da Bahia. Roma: Estamparia de Joam Francisco Chagas, 1720.

WEBER, Max. O político e o cientista. Lisboa: Editorial Presença, 1973.

Publicado
2022-04-12
Como Citar
Semeão, L. de A. (2022). Prática batismal e os cuidados com o corpo e com a alma no Brasil colonial (séculos XVI e XVII). Oficina Do Historiador, 15(1), e41788. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2022.1.41788