Diálogos quanto aos conceitos relacionados ao tempo

Palavras-chave: Tempo, História, Processo Histórico

Resumo

A discussão da temporalização no interior dos discursos históricos nos apresenta dentre outras matizes, os conceitos que a orbitam. Nesse sentido, propor um diálogo mais profundo sobre essa questão, pode contribuir como base teórica para estudantes, pesquisadores e amantes da história, no debate, na reflexão e na problematização dos modos de se conceber a temporalização dessa. Desse modo, este artigo tem por objetivo discutir conceitos relacionados ao tempo. Para responder a tal cenário se dispôs de pesquisa documental e bibliográfica, as quais se basearam em artigos científicos, livros, dissertações, teses, sites da web, dentre outras fontes, para o levantamento, a coleta e a análise dos dados de forma qualitativa. E como resultado, dialogamos por três características que são correlacionadas ao tempo: temporalidade, duração e
processo histórico. Em relação a primeira, que é a temporalidade, essa se perfaz através da percepção humana do compreender a conexão temporal existente entre o passado, o presente e o futuro. A segunda se estabelece pela duração, dessarte, consideramos que essa não se regula no tempo cronológico e sim, seu entendimento subjetivo é relativo ao movimento e à permanência do atual para o novo. A terceira característica é o processo histórico, o qual se pauta no conjunto das sucessões dos eventos históricos. No entanto, há de se destacar que em torno do processo histórico gravitam conceitos relevantes como: evento/ fato histórico; devir; e, continuidades e rupturas. Esses conceitos, se apresentam de forma complementar, mas ao mesmo tempo antagônicos, e se digladiam entre si no campo de estudo de cada atividade humana ou mesmo entre elas. Logo, percebemo-los como dialeticamente unidos em um fluxo ao qual se estabelecem como força motriz do próprio movimento da história. Conclui-se, então, que ao se discutir acerca dos conceitos que orbitam a questão do tempo, se permite o alargar do arcabouço teórico para uma geração de historiadores que se formaram alheios à reflexão mais consistente sobre a temporalização no interior dos discursos históricos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristina de Cássia Pereira Moraes, Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiás, GO, Brasil.

Doutora em História das Ideias pela Universidade Nova de Lisboa (UNL), em Lisboa, Portugal; mestre em História pela Universidade Federal de Goiás (UFG), em Goiânia, GO, Brasil; professora associada do Departamento de História da Universidade Federal de Goiás (UFG), em Goiás, GO, Brasil.

João Ferreira Sobrinho Junior, Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiás, GO, Brasil.

Doutorando em História pela Universidade Federal de Goiás (UFG), em Goiânia, GO, Brasil; mestre em Ciência da Computação pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), em Recife, PE, Brasil; técnico em Assuntos Educacionais da Universidade Federal de Goiás (UFG), em Goiânia, GO, Brasil.

Referências

AGOSTINHO, S. Confissões. Porto: Livraria Apostolado da Imprensa, 1955. Disponível em: https://sumateologica.files.wordpress.com/2009/07/santo_agostinho_-_confissoes.pdf. Acesso em: 20 maio 2020.

AQUINO, T. D. Compêndio de Teologia. Tradução e Notas de D. Odilão Moura. São Paulo: Presença Edições, 1977. Disponível em: https://efosm.files.wordpress.com/2013/02/compc3aandio-de-teologia-santo-tomc3a1s-de-aquino.pdf. Acesso em: 20 maio 2020.

BACHELARD, G. A intuição do instante. Campinas: Verus editora, 2007.

BARROS, I. C. D. R. No Limite do tempo. Rev. Estud. Lacan, Belo Horizonte, v. 3, n. 4, 2010. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-07692010000100006&lng=pt&nrm=iso&tlng=-pt. Acesso em: 19 maio 2020.

BARROS, J. D. Teoria da História – Os primeiros Paradigmas: Positivismo e Historicismo. Petrópolis: Editora Vozes, 2011. v. 2.

BARROS, J. D. A historiografia e os conceitos relacionados ao tempo. Dimensões, Vitória, ES, v. 32, p. 240-266, 2014.

BÍBLIA. In: Bíblia On-Line. [S. I.], 2020. Eclesiastes 3. Disponível em: https://www.bibliaonline.com.br/acf/ec/3. Acesso em: 20 maio 2020.

BLOCH, M. Apologia da História, ou, O ofício de historiador. Rio de Janeiro: [s. n.], 2001.

BORGES, J. L. Cinco visões pessoais. Tradução de Maria Rosinda Ramos da Silva. Brasília: Universidade de Brasília, 1987.

BRAUDEL, F. Escritos sobre a História. Tradução de Jacob Guinburg e Tereza Cristina Silveira da Mota. São Paulo: Perspectiva, 2007.

BRECHT, B. Poemas 1913 – 1956. Seleção e tradução de Paulo César de Souza. 6. ed. São Paulo: Editora 34, 2006. Disponível em: http://ciml.250x.com/archive/communists/brecht/spanish/bertolt_brecht_-_100_textos.pdf. Acesso em: 23 maio 2020.

CARR, E. H. O que é história. Tradução de Lúcia Maurício de Alvarenga. 7. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996. Disponível em: file:///D:/Downloads/carr_que_e_historia.pdf. Acesso em: 23 maio 2020.

COELHO, J. G. Ser do Tempo em Bergson. Interface – Comunic., Saúde, Educ., Botucatu, SP, v. 8, n. 15, p. 233-246, mar./ago. 2004.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. MIL PLATÔS. Capitalismo e Esquizofrenia. Coordenação da tradução Ana Lúcia de Oliveira. 1. ed. São Paulo: Editora 34, 1997. v. 4. Disponível em: http://escolanomade.org/wp-content/downloads/deleuze-guattari-mil-platos-vol4.pdf. Acesso em: 23 maio 2020.

DUARTE, C. A dialética entre permanência e ruptura nos processos de transformação do espaço. In: Cristóvão1. [S. I], 2013. Disponível em: https://cristovao1.wordpress.com/2010/08/01/a-dialetica-entre-permanencia-e-ruptura-nos-processos-de-transformacao-do-espaco. Acesso em: 24 maio 2020.

GALILEI, G. Duas Novas Ciências. Tradução de Letizio Mariconda e Pablo R. Mariconda, Rio de Janeiro: Museu de Astronomia e Ciências Afins. 2. ed. São Paulo: Nova Stella, 1988. [original de 1638].

GHISOLFI, E. S. Sobre a Evolução Histórica do Conceito de Tempo e uma Investigação do seu Significado entre Estudantes de Diferentes Níveis de Escolaridade. 2008. Monografia (Graduação em Licenciatura em Física) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GREGÓRIO, S. B. Devir. In: Dicionário de Filosofia. [S. I.], 2020. Disponível em: https://sites.google.com/view/sbgdicionariodefilosofia/devir. Acesso em: 24 maio 2020.

HARTOG, F. Regimes de historicidade: presentismo e experiências do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

HOBSBAWM, E. J. E. A era das revoluções: 1789-1848. São Paulo: Paz & Terra, 2012.

HOBSBAWM, E. J. E. A era do capital: 1848 - 1875. São Paulo: Paz & Terra, 2012.

HOBSBAWM, E. J. E. A era dos impérios: 1875 - 1914. São Paulo: Paz & Terra, 2012.

HOBSBAWM, E. J. E. Era dos extremos: O breve século XX - 1914-1991. São Paulo: Paz & Terra, 2012.

JAPIASSÚ, H.; MARCONDES, D. Dicionário Básico de Filosofia. 5. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2008. Disponível em: http://raycydio.yolasite.com/resources/dicionario_de_filosofia_japiassu.pdf. Acesso em: 20 maio 2020.

KANT, I. Crítica da Razão Pura. Tradução de Valério Rohden e Udo Baldur Moosburger. São Paulo: Abril Cultural, 1980. (Coleção “Os Pensadores”).

KOSELLECK, R. Futuro Passado. Contribuição à Semântica dos Tempos Históricos. Tradução de Wilma Patrícia Mass e Carlos Almeida Pereira. Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2006.

LAVIGNE, N. C. B. Na perspectiva histórica, o que significa permanência e ruptura? In: Indagação. [S. I.], 2018. Disponível em: https://www.indagacao.com.br/2018/04/na-perspectiva-historica-o-que-significa-permanencia-e-ruptura.html. Acesso em: 24 maio 2020.

MARTINS, A. F. P. Concepções de estudantes acerca do conceito de tempo: uma análise à luz da epistemologia de Gaston Bachelard. 2004. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

NEWTON, I. Principia: Princípios Matemáticos de Filosofia Natural. Tradução de Trieste Ricci et al. São Paulo: Nova Stella, 1990. v. 1.

NORBERT, E. Sobre o tempo. Tradução de Ribeiro V. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

PIETTRE, B. Filosofia e Ciência do Tempo. Tradução de Maria Antonia Pires de C. Figueiredo. Bauru: EDUSC, 1997.

PLATÃO. Timeu e Crítias ou A Atlântida. Tradução de Noberto de Paula Lima. São Paulo: Hemus, 1981.

RAHMEIER, A. H. P. O que é tempo histórico. In: Faculdades Integradas de Taquara – FACCAT. 2020. Disponível em: https://www2.faccat.br/portal/sites/default/files/O%20QUE%20E%20TEMPO%20HISTORICO.pdf. Acesso em: 25 maio 2020.

SCHAFF, A. História e Verdade. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

SEVALHO, G. Tempos históricos, tempos físicos, tempos epidemiológicos: prováveis contribuições de Fernand Braudel e Ilya Prigogine ao pensamento epidemiológico. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 13, n. 1, p. 7-20, jan. 1997. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X1997000100002&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 24 maio 2020.

Publicado
2021-11-03
Como Citar
Moraes, C. de C. P., & Junior, J. F. S. (2021). Diálogos quanto aos conceitos relacionados ao tempo. Oficina Do Historiador, 14(1), e41152. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2021.1.41152