Entre Plínio Salgado e Miguel Reale

Uma análise histórica comparativa do(s) corporativismo(s) da Ação Integralista Brasileira (1932-1937)

Palavras-chave: Autoritarismo, Corporativismo, Integralismo

Resumo

O corporativismo foi um dos mais influentes modelos autoritários de representação da primeira metade do século XX, desenvolvendo-se tanto na Europa como em outras partes do mundo, como é o caso do Brasil, onde diversos intelectuais elaboraram teorias permeadas pela ideia do Estado corporativo enquanto forma de organização política e social. Destacam-se, dentre outros, Plínio Salgado e Miguel Reale, líderes da Ação Integralista Brasileira (AIB) – movimento de inspiração fascista criado em 1932, que se baseava em preceitos nacionalistas, antiliberais e anticomunistas e tinha como objetivo central instaurar o “Estado Integral”, pautado pelo teor nacional-corporativo. Partindo da análise histórica comparativa, cujo traço distintivo é a investigação de trajetórias singulares a fim de compreender fenômenos da história mundial, tem-se o objetivo de analisar como as trajetórias individuais de Salgado e Reale influenciaram na formulação de suas teorias acerca do corporativismo, haja vista que, apesar de partilharem ideias em relação a diversos aspectos doutrinários acerca do movimento integralista, existem particularidades e divergências na elaboração do pensamento de cada um desses intelectuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Santi Pacheco, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Juiz de Fora, MG, Brasil.

Mestra em História pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), em Juiz de Fora, MG, Brasil, com bolsa da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG); bacharela em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Secretária da Rede de Investigação Direitas, História e Memória, com sede no Laboratório de História Política e Social (UFJF) e no Núcleo de Estudos Contemporâneos (UFF).

Referências

AÇÃO INTEGRALISTA BRASILEIRA. Manifesto de Outubro de 1932. [S. I.]: Secretaria Nacional de Propaganda da AIB, 1932.

ARAÚJO, Ricardo Benzaquen de. In médio virtus: uma análise da obra integralista de Miguel Reale. Rio de Janeiro: Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil, 1988.

ARÁUJO, Ricardo Benzaquen. Totalitarismo e revolução: o integralismo de Plínio Salgado. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1988.

BERTONHA, João Fábio. Plínio Salgado: Biografia Política (1895-1975). São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2018.

CALDEIRA NETO, Odilon. Miguel Reale e o integralismo: entre a memória militante e as disputas políticas. Revista Espaço Acadêmico, Maringá, n. 126, p. 178-186, nov. 2011.

DELGADO, Ignácio Godinho. Possibilidade e limites da Análise Histórica Comparativa. Conferência apresentada à comissão examinadora do Concurso para Professor Titular Livre do Departamento de História da UFJF, Juiz de Fora, 2017.

DELGADO, Ignácio Godinho. Notas sobre a sociologia macro-histórica. Revista Eletrônica de História do Brasil, Juiz de Fora, v. 1, n. 2, 1997.

GARRIDO, Álvaro. Queremos uma economia nova! Estado Novo e Corporativismo. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2018.

GOMES, Angela de Castro. Azevedo Amaral e o Século do Corporativismo de Michael Manoilesco, no Brasil de Vargas. Sociologia & Antropologia, Rio de Janeiro, v. 2, n. 4, p. 186-209, 2012.

GONÇALVES, Leandro Pereira. Plínio Salgado: um católico integralista entre Portugal e o Brasil (1895-1975). Rio de Janeiro: FGV Editora, 2018.

GONÇALVES, Leandro Pereira. O integralismo de Plínio Salgado e a busca de uma proposta corporativista para o Brasil. In: PINTO, António Costa; MARTINHO, Francisco Palomares (org.). A onda corporativa: corporativismos e ditaduras na Europa e na América Latina. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2016. p. 255-283.

GONÇALVES, Leandro Pereira. A intelectualidade integralista: nacionalismo e identidade na literatura de Plínio Salgado. Locus: revista de história, Juiz de Fora, v. 15, n. 2, 2009.

GONÇALVES, Leandro Pereira; CALDEIRA NETO, Odilon. O corporativismo e a tríade integralista. In: ABREU, Luciano Aronne de; VANNUCCHI, Marco Aurélio (org.). Corporativismos ibéricos e latino-americanos. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2019. p. 209-238.

GRIFFIN, Roger. The nature of fascism. London; New York, Routledge, 1991.

HALL, Peter; TAYLOR, Rosemary. As três versões do neo-institucionalismo. Lua Nova – Revista de Cultura e Política, São Paulo, n. 58, p. 193-224, 2003.

MAHONEY, James; RUESCHEMEYER, Dietrich. Comparative historical analysis: achievements and agendas. In:

MAHONEY, James; RUESCHEMEYER, Dietrich. Comparative Historical Analysis in the Social Sciences. New York: Cambridge University Press, 2003. p. 3-38. Edited.

PINTO, António Costa. Corporativismos, ditaduras e representação política autoritária. In: PINTO, António Costa; MARTINHO, Francisco Palomares (org.). A onda corporativa: corporativismos e ditaduras na Europa e na América Latina. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2016. p. 27-37.

PINTO, António Costa. O corporativismo nas ditaduras da época do Fascismo. Varia História, Belo Horizonte, v. 30, n. 52, p. 17-49, jan./abr. 2014.

PINTO, António Costa. Os camisas azuis: ideologia, elites e movimentos fascistas em Portugal (1914-1945). Lisboa: Editora Estampa, 1994.

REALE, Miguel. Obras políticas: 1ª fase – 1931-1937. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1983.

REIS, Elisa P. Sociologia política e processos macro-históricos. Sociologias, Porto Alegre, ano 17, n. 38, p. 18-43, jan./abr. 2015.

SALGADO, Plínio. A Doutrina do Sigma. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1935.

SCHMITTER, Philippe C. Portugal: do Autoritarismo à Democracia. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 1999.

SCHMITTER, Philippe C. ¿Continú a el siglo del corporatismo? In: ACUÑA, Carlos (comp.) Lecturas sobre el estado y las políticas públicas: retomando el debate de ayer para fortalecer el actual. Buenos Aires: Jefatura de Gabinete de Ministros, 1992. p. 613-650.

TANAGINO, Pedro Ivo Dias. A Síntese Integral: a teoria do integralismo na obra de Miguel Reale (1932-1939). 2018. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2018.

TRINDADE, Hélgio. Integralismo: o fascismo brasileiro na década de 1930. São Leopoldo: Ed. UNISINOS, 2016.de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.

Publicado
2022-01-31
Como Citar
Pacheco, G. S. (2022). Entre Plínio Salgado e Miguel Reale: Uma análise histórica comparativa do(s) corporativismo(s) da Ação Integralista Brasileira (1932-1937). Oficina Do Historiador, 15(1), e41069. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2022.1.41069