A História ilustrada e diligente de Olegário Herculano de Aquino e Castro (1892-1906)

Palavras-chave: Olegário Herculano, História, Civilização

Resumo

Este artigo reabilita as prescrições historiográficas de um estudioso esquecido pelos círculos de leitores de História da Historiografia brasileira. Falamos de Olegário Herculano de Aquino e Castro, presidente do (IHGB) e do (STF) no alvorecer republicano. Acredita-se que Olegário Herculano teve papel de destaque na defesa das atividades do IHGB em um momento de profundas incertezas, pois era capaz de moderar a herança do passado monárquico e as expectativas republicanas. É possível dizer que o seu discurso oficial, considerado uma fala autorizada e percebido em suas alocuções presidenciais, seja produto e produtor da experiência historiográfica vivida no IHGB das primeiras décadas republicanas. Apesar de não serem consensuais, as suas prescrições sinalizavam para os interesses de uma parcela significativa dos sócios da agremiação carioca. Em suma, o nosso artigo pretende abordar os contextos epistêmicos (e políticos) que enredavam as reflexões de Olegário Herculano, bem como apresentar ao público em geral esse homem de letras e de Estado ainda pouco conhecido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Piero Detoni, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil.

Doutorando em História pela Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil.

Referências

ARAUJO, Valdei Lopes de. Sobre a permanência da expressão historia magistra vitae no século XIX brasileiro. In: NICOLAZZI, Fernando; MOLLO, Helena Miranda; ARAUJO, Valdei Lopes de (orgs.). Aprender com a história? O passado e o futuro de uma questão. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 2011.

CASTRO, Olegário Herculano de Aquino. Alocução do presidente do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. RIHGB, tomo LV, parte II, 1892.

CASTRO, Olegário Herculano de Aquino. Alocução do presidente do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. RIHGB, tomo LIX, parte II, 1896.

CASTRO, Olegário Herculano de Aquino. “Alocução do presidente do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro”. RIHGB, tomo LXI, parte II, 1898.

CASTRO, Olegário Herculano de Aquino. “Alocução do presidente do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro”. RIHGB, tomo LXII, parte II, 1899.

CASTRO, Olegário Herculano de Aquino. “Alocução do presidente do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro”. RIHGB, tomo LXIII, parte II, 1900.

CASTRO, Olegário Herculano de Aquino. “Alocução do presidente do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro”. RIHGB, tomo LXIV, parte II, 1901.

CASTRO, Olegário Herculano de Aquino. “Alocução do presidente do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro”. RIHGB, tomo LXV, parte II, 1902.

CASTRO, Olegário Herculano de Aquino. “Alocução do presidente do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro”. RIHGB, tomo LXVIII, parte II, 1905.

DETONI, Piero di Cristo Carvalho. A síntese como desafio historiográfico na Primeira República. Pequenos estudos de caso. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-graduação em História, Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana 2013. http://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/6124

DUFAL, Blaise. Le fantasme de la perfection originelle: La Grèce Antique comme matrice du modèle civilisationnel. Cahiers Mondes anciens, v. 9, n. 11, 2018. https://doi.org/10.4000/mondesanciens.2075

ELIAS, Norbert. O processo civilizador. Vol. 1: Uma história dos costumes. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

GOMES, Angela de Castro. A república, a história e o IHGB. Belo Horizonte: Argumentum, 2009.

GUIMARÃES, Lucia Maria Paschoal. Da Escola Palatina ao Silogeu: Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Rio de Janeiro: Museu da República, 2006.

GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado. Nação e civilização nos trópicos: o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e o projeto de uma história nacional. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, n.1, 1988.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Depois de “Depois de aprender com a história”, o que fazer com o passado agora? In: NICOLAZZI, Fernando; MOLLO, Helena Miranda; ARAUJO, Valdei Lopes de (orgs.). Aprender com a história? O passado e o futuro de uma questão. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 2011.

HARTOG, François. Crer em história. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

HEGEL, Georg Wilhelm Friedrich. Os três métodos de escrever a história. In: Razão na história. Uma introdução geral à filosofia da história. São Paulo: Editora Moraes Ltda, 1990.

HRUBY, Hugo. Obreiros diligentes e zelosos auxiliando no preparo da grande obra: a história do Brasil no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (1889-1912). Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-graduação em história, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS, Porto Alegre, 2007. http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/2500

KOSELLECK, Reinhart. Historia Magistra Vitae. Sobre a dissolução do topos na história moderna em movimento”. In: KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado. Contribuição a semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto, 2006.

MAGALHÃES, Domingos José Gonçalves de. Ensaio sobre a história da literatura do Brasil. Nitheroy, revista brasiliense. Ciências, letras e artes, nº II, 1836, (Edição fac-similar organizada por Plínio Doyle. São Paulo: Brasiliense, 1978.

NETO, Mauro Franco. Ciência, evolução e experiência do tempo no fin de siècle: estudos e revisões sobre letrados brasileiros e argentinos. Dissertação (Mestrado em História Social da Cultura) – Programa de Pós-graduação em História Social da Cultura, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.

OLIVEIRA, Maria da Glória de. A crítica ao fabuloso e a verdade histórica nos estudos de Francisco Adolfo de Varnhagen e Joaquim Manoel de Macedo. In: SILVA, Ana Rosa Cloclet da; NICOLAZZI, Fernando; PEREIRA, Mateus (orgs.). Contribuições à história da historiografia brasileira. São Paulo: HUCITEC/FAPEMIG, 2013.

OLIVEIRA, Maria da Glória de. Crítica, método e escrita da história em João Capistrano de Abreu. Rio de Janeiro: FGV, 2013.

PAUL, Herman. What is a Scholarly Persona? Ten theses on virtues, skills, and desires. History & Theory, v. 53, n. 3, 2014. https://doi.org/10.1111/hith.10717

PEREIRA, Mateus H. F.; SANTOS, Pedro Afonso C.; NICODEMO, Thiago Lima. Uma introdução à história da historiografia brasileira (1870-1970). Rio de Janeiro: Editora da FGV, 2018.

ROMERO, Sílvio. História da literatura brasileira. Rio de Janeiro: H. Garnier, Livreiro-editor, 1902.

SILVA, João Manoel Pereira da. Estudos sobre a literatura. Nitheroy, revista brasiliense. Ciências, letras e artes, nº II, 1836, (Edição fac-similar organizada por Plínio Doyle. São Paulo: Brasiliense, 1978).

Publicado
2021-04-13
Como Citar
Detoni, P. (2021). A História ilustrada e diligente de Olegário Herculano de Aquino e Castro (1892-1906). Oficina Do Historiador, 14(1), e39444. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2021.1.39444