A história da coleta de resíduos em Novo Hamburgo, RS e uma proposta de uma nova roteirização utilizando sistema de informações geográficas

Palavras-chave: impactos ambientais, resíduos sólidos urbanos, emissões de gases

Resumo

A elevação do número da população mundial, nas últimas décadas, vem acarretando um aumento exorbitante na produção de resíduos sólidos urbanos (RSU). Em consequência, o processo de gerenciamento dos RSU (serviços de coleta, transporte e destinação), que visa minimizar os impactos ambientais, tem gerado grandes custos aos cofres públicos. Além do impacto na economia, o transporte de RSU acarreta grandes volumes de emissões de gases do efeito estufa (GEE), causando fortes dados à atmosfera. Esta pesquisa fez uma análise histórica do gerenciamento dos RSU no município de Novo Hamburgo, no estado do Rio Grande do Sul, e propôs uma nova roteirização para a coleta destes resíduos utilizando diferentes cenários. Para isso foi utilizado a ferramenta Network Analyst dentro de um software de Sistema de Informação Geográfica para identificar as rotas mais eficientes para os veículos coletores de RSU. A partir desta informação foram estimados os custos financeiros e também as emissões de GEE para realizar a coleta. Os resultados demonstraram que para compensar os gases emitidos pelos caminhões de coleta de RSU em um período de um ano seriam necessários plantar mais de 285 mil árvores nativas da Mata Atlântica dependendo do cenário de roteirização utilizado, isto dá uma área média equivalente a 15.900 campos de futebol, sem levar em consideração o transporte desses resíduos até o aterro sanitário de Minas do Leão, o qual se localiza a mais de 100 km do centro de Novo Hamburgo, o que iria aumentar consideravelmente esse valor. Portanto, uma análise histórica da coleta de resíduos e a definição de rotas de transporte de RSU mais eficientes trará ao município melhores serviços de limpeza pública e mitigação dos impactos ambientais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Natan Ruan Machado Da Costa , Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Graduando em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre, RS, Brasil.

Victor Fernandez Nascimento, Faculdades Integradas de Taquara (FACCAT), Taquara, RS, Brasil e Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Doutor em Ciências do Sistema Terrestre pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), em São José dos Campos, SP; pós-doutor em Sensoriamento Remoto e professor na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre, RS; mestre em Engenharia Civil e Ambiental pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), em Bauru, SP; graduado em Geografia pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), em Ourinhos, SP; professor na Faculdades Integradas de Taquara (FACCAT), em Taquara, RS.

Jean Pierre Henry Balbaud Ometto , Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), São José dos Campos, SP, Brasil.

Doutor em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP), em Piracicaba, SP; graduado e mestre em Agronomia; pesquisador e diretor do Centro de Ciência do Sistema Terrestre (CCST) no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), em São José dos Campos, SP.

Referências

ABRELPE. Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil 2016. [S. l.], [2016]. Disponível em: http://www.abrelpe.org.br/Panorama/panorama2016.pdf. Acesso em: dez. 2019.

ABRELPE. Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil 2010. 2011. Disponível em: http://www.abrelpe.org.br/Panorama/panorama2010.pdf. Acesso em: dez. 2019.

ALVARENGA DE MORAIS, L. et al. Estimativas das Distâncias para Disposição de Resíduos Sólidos Urbanos no Estado de São Paulo. Revista Brasileira de Cartografia, [S. l.], v. 71, n. 4, p. 960–982, 2019. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/revistabrasileiracartografia/article/view/48611. Acesso em: 5 maio 2020. https://doi.org/10.14393/rbcv71n4-48611

BESEN, G. R; GÜNTHER, W. M. R.; RODRIGUEZ, A. C.; BRASIL, A. L. Resíduos sólidos: vulnerabilidades e perspectivas. In: SALDIVA, P. et al. Meio Ambiente e Saúde: o desafio das metrópoles. São Paulo: Editora Ex Libris, 2010.

BONJARDIM, Estela Cristina; PEREIRA, Raquel da Silva; GUARDABASSIO, Eliana Vileide. Análise da produção científica nacional sobre gestão de resíduos sólidos urbanos (RSU) no Brasil: Um estudo a partir da Lei 12.305/2010. 2016.

BRITO, Rodrigo Augusto Ferreira de. Uso de sistema de informação geográfica para a análise do transporte e disposição final dos resíduos sólidos. 2006.

CÉZAR-MATOS, Arlinda. Plano de um sistema integrado de gerenciamento de resíduos sólidos para o município de Novo Hamburgo/RS. 2001. Disponível em: http://www.institutoventuri.org.br/ojs/index.php/firs/article/view/518/378. Acesso em: nov. 2019”.

CHITES, Raquel. Gestão dos Resíduos Sólidos Urbanos de Novo Hamburgo/RS, seus espaços e agentes. 2015. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/128032. Acesso em: 4 dez. 2019.

CRUVINEL, R. R. S.; PINTO, P. V. H.; GRANEMANN, S. R. Mensuração econômica da emissão de CO2 da frota dos transportadores autônomos de cargas brasileiros. Journal of Transport Literature, [S. l.], v. 6, n. 2, p. 234-252, 2012.

EIGENHEER, Emílio Maciel. Lixo: a limpeza urbana através dos tempos. 2009. Disponível em: http://www.lixoeeducacao.uerj.br/imagens/pdf/ahistoriadolixo.pdf. Acesso em: 6 maio 2020.

GOUVEIA, Nelson. Resíduos Sólidos Urbanos: impactos socioambientais e perspectivas de manejo e sustentável com inclusão social. 2012. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/csc/2012.v17n6/1503-1510/pt/. Acesso em: 4 dez. 2019”. https://doi.org/10.1590/S1413-81232012000600014

IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2018. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/.

LACERDA, M. G. Análise de Uso de SIG no Sistema de Coleta de Resíduos Domiciliares em uma Cidade de Pequeno Porte. Dissertação (Mestrado) UNESP - Universidade Estadual Paulista, Ilha Solteira. 147 p., 2003.

MIZIARA, Rosana. Revista de Gestão Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambiente. Por uma história do lixo. 2011. Disponível em: http://www3.sp.senac.br/hotsites/blogs/InterfacEHS/wp-content/uploads/2013/07/art-6-2008-6.pdf. Acesso em: 2 maio 2020.

NASCIMENTO, V. F.; SILVA, A. M. da; SOBRAL, A. C. Indicação de áreas para aterro sanitário, utilizando geoprocessamento. Saarbrücken: Novas Edições Acadêmicas, 2015.

NASCIMENTO, V. F. et al. Natural disaster risk in municipal solid waste disposal sites using GIS: a case study in São Paulo state, Brazil. Journal of Water Resource and Protection, [S. l.], v. 09, n. 01, p. 8–33, 2017. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/320468086_Natural_Disaster_Risk_in_Municipal_Solid_Waste_Disposal_Sites_Using_GIS_A_Case_Study_in_Sao_Paulo_State_Brazil. Acesso em: 10 maio 2020. https://doi.org/10.4236/jgis.2017.91002

NASCIMENTO, V. F.; DA SILVA, A. M. Identifying problems for choosing suitable areas for installation of a new landfill through GIS technology: A case study. Journal of the Air and Waste Management Association, [S. l.], v. 64, n. 1, p. 80–88, 2014. Disponível em: https://doi.org/10.1080/10962247.2013.833558. Acesso em: maio 2020”. https://doi.org/10.1080/10962247.2013.833558

NASCIMENTO, V. F. et al. Municipal solid waste disposal in Brazil: improvements and challenges. International Journal of Environment and Waste Management, [S.l.], v. 23, n. 3, p. 300–318, 2019. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/332406093_Municipal_solid_waste_disposal_in_Brazil_Improvements_and_challenges. Acesso em: maio 20

PRÓ-SINOS. Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos de Novo Hamburgo. 2012. Disponível em: https:/www.consorcioprosinos.com.br/downloads/plano_gestao_residuos_solidos_novo_hamburgo_02082012.pdf. Acesso em: 10 jan. 2020.

RIBEIRO, Helena. Panorama da coleta seletiva no Brasil: desafios e perspectivas a partir de três estudos de caso. 2007. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Helena_Ribeiro4/publication/242243074_A_PANORAMA_OF_SELECTIVE_WASTE_COLLECTION_IN_BRAZIL_CHALLENGES_AND_PROSPECTS_TAKEN_FROM_3_CASESTUDIES/links/5661c26a08ae4931cd5b3ef3.pdf. Acesso em: maio 2020.

SARKIS, L. F. P. G. Resíduos de Serviços de Saúde em Cidades de Médio Porte: Caracterização de Sistema de Coleta e Aplicação de um Sistema de Informação Geográfica na Roteirização de Veículos de Coleta e Transporte. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Transportes) - Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2000.

SEEG - SISTEMA DE ESTIMATIVAS DE EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA. Emissões de GEE no Brasil e suas implicações para Políticas Públicas e a Contribuição Brasileira para o Acordo de Paris. Período 1970-2016. Observatório do clima, 2018. Disponível em: http://seeg.eco.br/wp-content/uploads/2018/08/Relatorios-SEEG-2018-Sintese-FINAL-v1.pdf. Acesso em: maio 2020.

SOUZA, Vamberto Oliveira de. Educação Ambiental na efetivação de práticas ecológicas e coleta seletiva na Universidade Estadual da Paraíba. Revista Brasileira de Educação Ambiental, [S. l.], 2014. https://doi.org/10.34024/revbea.2014.v9.1840

SPINOLA, G. M. R. et al. Análise estatística da composição gravimétrica dos Resíduos Sólidos Urbanos com o Índice de Desenvolvimento Humano para os municípios do estado de São Paulo. Geoambiente On-line, [S. l.], n. 33, p. 106–123, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.5216/revgeoamb.v0i33.53957. Acesso em: 12 maio 2020. https://doi.org/10.5216/revgeoamb.v0i33.53957

Publicado
2020-11-06
Como Citar
Da Costa , N. R. M., Nascimento, V. F., & Ometto , J. P. H. B. (2020). A história da coleta de resíduos em Novo Hamburgo, RS e uma proposta de uma nova roteirização utilizando sistema de informações geográficas. Oficina Do Historiador, 13(2), e38033. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2020.2.38033
Seção
Artigos