Os impactos socioambientais e suas ameaças ao modo de vida das comunidades tradicionais de fundo de pasto na Bahia

Palavras-chave: Comunidades, Tradição, Conflito

Resumo

O presente artigo se propõe a analisar os impactos socioambientais empreendidos por diversos projetos de modernização e de expropriação das terras de uso comum das comunidades tradicionais de fundo de pasto no estado da Bahia. O fundo de pasto, assim autodenominado por seus ocupantes, tem o seu modo de vida pautado no uso comunitário da terra, com a ausência de cercas, para criação extensiva de animais e para o extrativismo de frutas, essas por sua vez, são consumidas e comercializadas por esses moradores. Essas áreas estão localizadas, sobretudo, no bioma caatinga, tendo a sua maior concentração nas regiões Norte e Nordeste da Bahia e, de modo geral, enfrentam diversos problemas referentes à garantia da posse da terra, que remontam à Lei de Terras de 1850 e a diversas legislações posteriores, que não ampararam o seu modo de utilização comunitária da terra. Além da ausência de cercas, também praticam a preservação ambiental, uma vez que não utilizam o desmatamento, nem a caça predatória. A partir da década de 1970, essas comunidades vêm enfrentando uma série de conflitos motivados principalmente, pela incursão da grilagem em suas terras objetivando a concentração fundiária e a implantação de projetos modernizantes, como a construção de grandes barragens, a implantação de parques eólicos e de mineradoras, que têm causado impactos diversos no cotidiano dessas comunidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Simone Conceição Soares Dias, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), São Leopoldo, RS, Brasil.

Doutoranda em História na Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), em São Leopoldo, RS, Brasil; professora da rede pública estadual em Monte Santo, BA.

Referências

ALMEIDA, Alfredo Wagner B. de; MARIN, Rosa Azevedo. Fundo de Pasto: nosso jeito de viver no sertão. Projeto Nova Cartografia Social dos Povos e Comunidades Tradicionais. Brasília, DF: UFAM, 2007. (Fundo de Pasto, Fascículo 2).

ANTONINO, Lucas Azenha. Mineração e expoliação territorial na Bahia. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE GEOGRAFIA AGRÁRIA – SINGA, 8., 2017, Curitiba. Anais eletrônicos [...]. Curitiba: [s. n.], 2017. Disponível em: https://singa2017.files.wordpress.com/2017/12/gt11_1506019582_arquivo_singa2017completo_lucaszenhaantonino.pdf. Acesso em: 28 abr. 2020.

ASA – ARTICULAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO. Resistência das comunidades ribeirinhas à construção das hidrelétricas de Riacho Seco e Pedra Branca. In: EnconASA, Juazeiro, 2010. p. 1-3. Disponível em: http://7enconasa.wordpress.com/2010/03/17/resistencia-das-comunidades-ribeirinhas-a-construcao-das-hidroeletricas-de-riacho-seco-e-pedra-branca/. Acesso em: 27 mar. 2020.

BAUER. Thomas. Energia Eólica: a caçada pelos ventos. [S. l.: s. n.], 16 de maio de 2013. 1 vídeo (25m 30 s). Publicado pelo canal Thomas Bauer. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=s90nKSlbgoQ. Acesso em: 25 jan. 2020.

BITTENCOURT, Mário. Bahia vai assumir a liderança do setor de energia eólica do país ainda neste semestre. Correio, 11 jan. 2019. Disponível em: https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/bahia-vai-assumir-a-lideranca-do-setor-de-energia-eolica-do-pais-ainda-neste-semestre/. Acesso em: 28 abr. 2020.

BORGES, José Carlos. Comunidades de Areia Grande clamam por justiça no município. Blog do Ze Carlos Borges, mar. 2013. Disponível em: http://zecarlosborges. blogspot.com.br/2013/03/casa-nova-ba-comunidades-de-areia.html. Acesso em: 10 abr. 2020.

BRASIL. Ministério Público Federal. Procuradoria da República Polo Petrolina/Juazeiro. Inquérito Civil nº 1.26.001.000028/2009-11 (Ref.: Inquérito Civil n. 1.26.001.000028/2009-11). Promoção de Arquivamento. 27 de abril de 2015. Disponível em: http://www.prpe.mpf.mp.br/internet/index.php/internet/ Petrolina-Juazeiro/Areas-de-Atuacao/Comunidades-Indigenas-e-Minorias/Atividade-extrajudicial/2015/Inquerito-Civil-n1-1.26.001.000028-2009-11. Acesso em: 26 abr. 2020.

CALIXTO, Bruno. A onça-pintada contra energia eólica. Época, 04 mar. 2013.Coluna Planeta. Disponível em: http://colunas.revistaepoca.globo.com/planeta/2013/03/04/no-interior-da-bahia-onca pintada-disputa-espaco-com-torres-eolicas/. Acesso em: 11 jan. 2020.

CAMAROTE, Elisa Machado. Lages das Aroeiras: Territorialização, parentesco e produção em uma comunidade baiana de fundo de pasto. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais). 2010. 198 f. Universidade Federal da Bahia – UFBA, Salvador/BA, 2010.

CAMPOS, André. Comunidades de Fundo de Pasto resistem a pressões. In: Reporter Brasil, São Paulo, 24 set. 2009. Disponível em: http://reporterbrasil.org.br/2009/09/comunidades-de-fundos-de-pasto-resistem-a-pressoes. Acesso em: 28 mar. 2020.

CASTOR, Jocelmo Araújo. Representação sócioambiental e cultural dos criadores ao modo do Fundo de Pasto, Glória – BA. 85 f. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Ecologia Humana e Gestão Sócioambiental). Universidade do Estado da Bahia – UNEB, Campus Paulo Afonso, Paulo Afonso, 2017.

COSTA E SILVA, Candido da. Roteiro da vida e da morte: um estudo do catolicismo no sertão da Bahia. São Paulo: Ática, 1982.

COTRIM, Dione Vinhas Nascimento. O pastoreio Comunitário em Uauá: uma expressão da subordinação do trabalho ao capital. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais). 1991. 108 f. Salvador, UFBA.

CPT - COMISSÃO PASTORAL DA TERRA – Bahia. Mineração na região de Juazeiro: avanços, impactos e resistência das comunidades rurais. [S. l.]: CTP, 2009. Disponível em: http://www.cptba.org.br/joomla15/download/diagnostico_mineracao_juazeiro_jul2009.pdf. Acesso em: 09 jun. 2019.

CPT - COMISSÃO PASTORAL DA TERRA – Bahia e Sergipe – Diocese de Juazeiro - BA. Depois da barragem, as torres. Blog da Comissão pastoral da Terra de Juazeiro, Juazeiro, BA, 11 jun. 2013. Disponível em: http://cptjuazeiroba.blogspot.com.br/search?q=energia+e%C3%B3lica. Acesso em: 11 jan. 2020.

DIAMANTINO, Pedro Teixeira. “Desde o raiar da aurora o sertão tonteia”: caminhos e descaminhos da trajetória sócio-jurídica das comunidades de fundo de pasto pelo reconhecimento de seus direitos territoriais. Dissertação (Mestrado em Direito). 2007. 143 f. Universidade de Brasília – UNB, Brasília – DF.

DIAMANTIDO, Pedro; MAGALHÃES FILHO, Paulo A. Grilagem de terras ameaça fundos de pasto na Bahia. [S. l: s. n.], 2008. Comentário. Disponível em http://pambazuca.org/pt/category/comment/52758. Acesso em: 10 jan. 2020.

DIAS, Simone C. S. Dias. O pastoreio comunitário em Lage das Aroeiras: trabalhos, sociabilidades, desafios. 2014. 149 f. Dissertação (Mestrado em História). Universidade Estadual de Feira de Santana – UEFS, Feira de Santana - BA, 2014. Disponível em: http://www2.uefs.br/pgh/docs/Dissertacao/Disserta%C3%A7%C3%A3oSimoneDias.pdf. Acesso em: 21 jul. 2020.

EHLE, Paulo. Canudos: Fundo de Pasto no Semiárido. Paulo Afonso: Fonte Viva, 1997.

ESTRELA, Ely de Souza. Sobradinho: a retirada de um povo. Salvador: Eduneb, 2010.

FERRARO JÚNIOR, Luiz A. Entre a invenção da tradição e a imaginação da sociedade sustentável: estudo de caso dos fundos de pasto na Bahia. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Sustentável). 2008. 484 f. Universidade de Brasília – UNB, Brasília – DF, 2008.

GARCEZ, Angelina Nobre Rolim. Fundo de Pasto: um projeto de vida do sertanejo. Salvador: INTERBA/SEPANTEC/CAR, 1987.

HOBSBAWN, Eric J. A Invenção das Tradições (Introdução). In: HOBSBAWN, Eric; RANGER, Terence (org.). A Invenção das Tradições. Tradução de Celina Cardim Cavalcante. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977. p. 9-22.

LOBÃO, Jocimara S. B. et al. Aplicação de técnicas de geoprocessamento para mapeamento geomorfológico do polo de Guanambi: subsídios para o estudo da degradação ambiental e desertificação. REVISTA GEONORTE, Edição Especial, v. 2, n. 4, p. 173-186, 2012.

Lobão, Jocimara Souza Britto et al. Semiárido da Bahia, limites físicos ou sócio-político: uma abordagem geotecnológica para delimitação oficial. In: SIMPÓSIO REGIONAL DE GEOPROCESSAMENTO E SENSORIAMENTO REMOTO, 11., 2004, Aracaju. Anais eletrônicos [...]. Aracajú, SE: UECE, 2011. Disponível em: http://www.cpatc.embrapa.br/labgeo/srgsr2/pdfs/poster15.pdf. Acesso em: 01 abr. 2014. p. 1-4.

MAB - MOVIMENTO DOS ATINGIDOS POR BARRAGENS. Na Bahia, atingidos por barragens, marcham na BR 210. São Paulo, 10 fev. 2010. Disponível em: http://www.mabnacional.org.br/noticia/na-bahia-atingidos-por-barragens-marcham-na-br-210. Acesso em: 26 de mar. 2020.

OLIVEIRA, Cláudio D.; ROCHA, Marina. Estudo de Caso Areia Grande: Resistir para existir. A luta no sertão baiano é pelo Fundo de Pasto! In: Movimento Regional Porlatierra, 22 fev. 2018. Disponível em: https://www.porlatierra.org/docs/b26b492f08d96f7c25b4774cfe442fbe.pdf. Acesso em: 23 abr. 2020.

POLÍCIA MILITAR DA BAHIA. Histórico. Disponível: http://www.pm.ba.gov.br/index.php?option=com_content&-view=category&id=94&Itemid=547. Acesso em: 21 jul. 2020.

PYL, Bianca. Ação direta de juiz acua comunidades de fundo de pasto. 2010. Reporter Brasil, São Paulo, 16 abr. 2009. Disponível em: http://reporterbrasil.org.br/2010/04/acao-direta-de-juiz-acua-comunidades-de-fundo-de-pasto/. Acesso em: 10 abr. 2020.

REIMBERG, Mauricio. Área em disputa no sertão é palco de morte de trabalhador rural. Reporter Brasil, São Paulo,10 fev. 2009. Disponível em: http://reporterbrasil.org.br/2009/02/rea-em-disputa-no-sertao-e-palco-de-morte-de-trabalhador-rural/. Acesso em: 10 jan. 2020.

REIS, Angélica Santos. Fundos de Pasto baianos: um estudo sobre regularização fundiária. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais). Universidade Federal da Bahia – UFBA, 2010. 242 f. Salvador – BA.

REVISTA ALUMEIA. Mineração: progresso ou destruição. Salvador: CPT, 2013.

SANTOS. Cirlene Jeane Santos e. Fundos de Pasto: Tecitura da resistência, rupturas e permanências no tempo-espaço desse modo de vida camponês. Tese (Doutorado em Geografia). 2010. 290 f. Universidade de São Paulo - USP, São Paulo – SP, 2010.

STHEINBECK, John. As vinhas da Ira. Rio de Janeiro: Bestbolso, 2008.

TORRES, Paulo Rosa. Terra e Territorialidade das Áreas de Fundo de Pastos no Semiárido baiano 1980-2011. Dissertação (Mestrado em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Sustentável). Universidade Católica do Salvador – UCSAL. 2011. 134 f. Salvador – BA.

Publicado
2020-11-06
Como Citar
Dias, S. C. S. (2020). Os impactos socioambientais e suas ameaças ao modo de vida das comunidades tradicionais de fundo de pasto na Bahia. Oficina Do Historiador, 13(2), e37930. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2020.2.37930
Seção
Dossiê