Processos de habilitações ao clero secular de Mariana (1745-1764)

Palavras-chave: Clero secular, Processos de habilitação, Diocese de Mariana

Resumo

O estudo em tela versa sobre os Processos de habilitação ao clero secular de Mariana, durante o governo episcopal de frei Manuel da Cruz (1745-1764). O instrumento de pesquisa consistiu no uso do método prosopográfico, proposto pela história regional. As fontes de sustentação empíricas utilizadas foram documentos manuscritos consultados no Arquivo Eclesiástico da Arquidiocese de Mariana (AEAM). O aparato teórico conceitual refere-se à recente historiografia sobre império, redes, conexões e relações entre centro e periferia, poder central e poder local. Os resultados dessa pesquisa são apresentados aqui a partir de narrativas modais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Josimar Faria Duarte, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Doutor em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Referências

VIDE, Dom Sebastião Monteiro da. Constituições Primeiras do Arcebispado da Bahia. (Impressas em Lisboa no ano de 1719, e em Coimbra em 1720). São Paulo: Tip. 2 de Dezembro, 1853.

ABAJO, Nazario Valpuesta. El clero secular en la América hispana del siglo XVI. Cidade de edição: Biblioteca de Autores, 2008.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: a história das violências nas prisões. Petrópolis: Vozes, 2004.

FRAGOSO, João; GOUVÊA, Maria de Fátima. Introdução. In: FRAGOSO, João; GOUVÊA, Maria de Fátima (org.). Na trama das redes: política e negócios no império português, séculos XVI-XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

NEVES, Guilherme Pereira das. E receberá mercê: a Mesa de Consciência e Ordens e o clero secular no Brasil (1808-1828). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1997.

NUNES, João Rocha. A reforma católica na diocese de Viseu (1552-1639). Completar ref. Coimbra: Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 2010.

OLIVAL, Fernanda. As ordens militares e o Estado moderno; honra, mercê e venalidade em Portugal (1641- 1789). Lisboa: Estar, 2001.

OLIVEIRA, Anderson José Machado de. Suplicando a “dispensa do defeito da cor”: clero secular e estratégias de mobilidade social no Bispado do Rio de Janeiro – século XVIII. In: ENCONTRO DE HISTÓRIA ANPUH-RJ. 2008. Disponível em: http://encontro2008.rj.anpuh.org/resources/content/anais/1212773302_ARQUIVO_Texto-AndersondeOliveira-Anpuh-RJ-2008.pdf. Acesso em: 03 fev. 2018.

OLIVEIRA, Anderson José Machado de. Trajetórias de clérigos de cor na América Portuguesa: catolicismo, hierarquias e mobilidade social. Andes, Salta, v. 25, 2014.

PAIVA, José Pedro. Um corpo entre outros corpos sociais: o clero. Revista de História das Ideias, [S. l.], v. 33, n. 166, 2012. https://doi.org/10.14195/2183-8925_33_8.

PAIVA, José Pedro. Baluartes da fé e da disciplina: o enlace entre a Inquisição e os bispos em Portugal (1536- 1750). Coimbra: Editora da Universidade de Coimbra, 2011. https://doi.org/10.14195/978-989-26-0217-2.

SEIDL, Ernesto. Entrando no mundo da igreja: o estudo das elites eclesiásticas. In: CORADINI, Odaci Luiz (org.). Estudos de grupos dirigentes no Rio Grande do Sul: algumas considerações recentes. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2008.

VILLALTA, Luiz Carlos. A Igreja, a sociedade e o clero. In: LAGE, Maria Efigênia de Resende; VILLALTA, Luiz Carlos (org.). História de Minas Gerais: as Minas setecentistas 2. Belo Horizonte: Autêntica; Companhia do Tempo, 2007.

Publicado
2021-04-13
Como Citar
Faria Duarte, J. (2021). Processos de habilitações ao clero secular de Mariana (1745-1764). Oficina Do Historiador, 14(1), e37905. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2021.1.37905