Potencialidades de pesquisa em História Ambiental e a questão indígena

Palavras-chave: História Ambiental, Amazonas, Pesquisa

Resumo

A História Ambiental ainda é relativamente nova no empreendimento historiográfico, portanto, cabe discutir sobre suas potencialidades de pesquisa. No Brasil, pode-se dizer que há uma vastidão de fontes disponíveis que nos antecedem há alguns séculos e que precisam ser exploradas para o avanço desse campo da história. Além disso, as peculiaridades da formação histórica do povo brasileiro necessitam fundamentalmente ser consideradas. Neste sentido, destacamos uma abordagem sobre a temática indígena, pois que os dilemas ambientais resultam de uma colonização predatória na qual herdamos esse mesmo sentido de desenvolvimento para o país. O objetivo deste artigo é, portanto, chamar atenção para fontes disponíveis, a exemplo do estado do Amazonas; além de oferecer algumas reflexões sobre o homem indígena brasileiro para a construção de uma história ambiental. Para isso, procedemos à análise de trechos de periódicos e outros tipos de manifestação social de protesto, controle e preocupação com o meio natural; como também, na análise da questão indígena na história ambiental. Esperamos com isso, contribuir com o desenvolvimento de pesquisas relevantes na área.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Angela Rebelo da Silva Arruda, Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Manaus, AM, Brasil.

Doutoranda em História Social na Universidade Federal do Amazonas (UFAM), em Manaus, AM, Brasil. Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Professora da Secretaria do Estado de Educação e Qualidade do Ensino (SEDUC) em Manaus, AM.

Referências

ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de; NAKAZONO, Érica; MARIN, Rosa E. Acevedo; FARIAS JR. Emmanuel de Almeida. Mapeamento social como instrumento de gestão territorial contra o desmatamento e a devastação: processo de capacitação de povos e comunidades tradicionais. In: ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de (org.) et al. Cadernos de debates Nova Cartografia Social: conhecimentos tradicionais na Pan-Amazônia. Manaus: Projeto Nova Cartografia Social da Amazônia/UEA Edições, 2010. p. 125-126.

ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de; NAKAZONO, Érica; MARIN, Rosa E. Acevedo; FARIAS JR. Emmanuel de Almeida. Universalização e localismo: movimentos sociais e crise dos padrões tradicionais de relação política na Amazônia. In: D’INCAO, Maria Angela; SILVEIRA, Isolda Maciel (org.). A Amazônia e a crise da modernização. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, 1994. p. 521. https://doi.org/10.32991/2237-2717.2019v9i2.p64-94.

ARRUDA, Gilmar; COLACIOS, Roger. Considerações sobre a ética-política na História (Ambiental): escalas e o presentismo da devastação. HALAC – Historia Ambiental, Latinoamericana y Caribeña, [S. l.], v. 9, n. 2, p. 64-94, 2019. http//halacsolcha.org/index.php/halac ISSN 2237.271764.

BECKER, Bertha K. Estado, nação e região no final do século XX. In: D’INCAO, Maria Angela; SILVEIRA, Isolda Maciel (org.). A Amazônia e a crise da modernização. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, 1994. p. 105.

BITTENCOURT, Agnello. Revista Agronômica Nº12, set. 1938, Manaus. Economia destructiva. Prof. Agnello Bittencourt (Membro do Conselho Techinico de Economia e Finanças). Artigo dedicado à edição especial de anniversario da “Revista Agronomica”. p. 33-34.

CARREIRA, Evandro. A consciência cósmica do índio. Brasília: Senado Federal Centro Gráfico, 1978.

BOURDIEU, Pierre. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. Texto revisto pelo autor com a colaboração de Patrick Champagne e Etienne Londais. Traduzido por: Denice Barbara Catani. São Paulo: Editora UNESP, 2004.

CANÊDO, Letícia Bicalho. Campo Político. In: CATANI, Afrânio Mendes et al. (org.). Vocabulário Bourdieu. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

CARTA Aberta. WANDELLI, Elisa. Disponível em FREIRE, José Ribamar Bessa. Desculpas Manauaras: a questão ambiental. Taqui Pra Ti. 27 jan 2008. Acesso em: dez 2018.

COSTA, Kelerson Semerene. Homens e natureza na Amazônia brasileira: Dimensões (1616-1920). 2002. 292 f. Tese (Doutorado) – Departamento de História, Universidade de Brasília, Brasília, 2002.

DEAN, Warren. O valor da terra nua. In: DEAN, Warren. A ferro e fogo: a história e a devastação da Mata Atlântica brasileira. Traduzido por: Cid Knipel Moreira. Revisão técnica de José Augusto Drummond. São Paulo: Companhia das Letras, 1996. p. 365-380.

DRUMMOND, José Augusto. A História Ambiental: temas, fontes e linhas de pesquisa. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 4, n. 8, p. 177-197, 1991.

DRUMMOND, José Augusto. Natureza rica, povos pobres? - Questões conceituais e analíticas sobre o papel dos recursos naturais na prosperidade contemporânea. Ambiente & Sociedade, [S. l.], ano V, n. 10, 1º sem. 2002. https://doi.org/10.1590/S1414-753X2002000100004.

DRUMMOND, José Augusto. Por que estudar a história ambiental do Brasil? - ensaio temático. Varia História, n. 26, p. 29, jan. 2002.

ESTRELLA do Amazonas. Quinta Feira 9 de agosto de 1855, 10.º trimestre. Parte Official. Resolução N.º 54 de 4 de julho de 1855.

ESTRELLA do Amazonas. Sabbado 10 de setembro de 1859, 23.º trimestre. Parte Official.

FRANCO, José Luiz de Andrade et al. (org.). História Ambiental: fronteiras, recursos naturais e conservação da natureza. Rio de Janeiro: Garamond, 2012. 392p.

FRANCO, José luiz de Andrade; DRUMMOND, José Augusto. O cuidado da natureza: a Fundação Brasileira para a Conservação da Natureza e a experiência conservacionista no Brasil: 1958-1992. Textos de História, Brasília, v. 17, n. 1, p. 59-84, 2009.

JORGE, Janes. Tietê, o rio que a cidade perdeu: o Tietê em São Paulo 1890-1940. São Paulo: Alameda, 2006.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

LEONARDI. Victor Paes de Barros. Os historiadores e os rios: natureza e ruína na Amazônia Brasileira. Fotos: Juan Pratginestós. Brasília: Paralelo 15, Editora Universidade de Brasília, 1999. 272 p.

LIMA, Carla Oliveira de. Historiografia social da Amazônia e história ambiental: um breve balanço. Revista do Lhiste, Porto Alegre, v. 4, n. 6, p. 93, jan./dez. 2017.

MONTEIRO, John Manuel. Tupis, tapuias e historiadores: estudos de historia indígena e do indigenismo. 2001. 233f. Tese (livre-docência) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, SP. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/281350. Acesso em: 4 ago. 2018.

OLIVEIRA. João Rafael Moraes. A luta pela borracha no Brasil e a história ecológica de Warren Dean. Revista Territórios e Fronteiras, [S. l.], v. 3, n. 2, jul./dez. 2010. https://doi.org/10.22228/rt-f.v3i2.71.

PÁDUA, José Augusto. As bases teóricas da história ambiental: dossiê teorias socioambientais. Estudos Avançados, São Paulo, v. 24, n. 68, 2010. https://doi.org/10.1590/S0103-40142010000100009.

PÁDUA, José Augusto. Um sopro de destruição: pensamento político e crítica ambiental no Brasil escravista, 1786-1888. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2002. 318 p.

TERENA, Jorge Miles da Silva. A biodiversidade do ponto de vista de um índio. GTAA, 2003. Disponível em: https://documentacao.socioambiental.org/documentos/L6D00027.pdf. Acesso em: 08 ago. 2019.

TOURAINE, Alain. Crítica da Modernidade. 9. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009. p. 249.

WORSTER, Donald. Para Fazer História Ambiental. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 4, n. 8, p. 198-215, 1991. Traduzido por José Augusto Drummond. p. 201.

Publicado
2020-11-05
Como Citar
Arruda, A. R. da S. (2020). Potencialidades de pesquisa em História Ambiental e a questão indígena. Oficina Do Historiador, 13(2), e37796. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2020.2.37796
Seção
Dossiê