Os diferentes xintoísmos no Japão pós Restauração Meiji

Definições e abrangências

Palavras-chave: Religiões japonesas, Xintoísmos, Kami, Xintoísmo de Estado

Resumo

O objetivo do presente artigo consiste em propor formas conceituais de se abordar as diferentes expressões dos xintoísmos no Japão. Partimos dos eventos em torno da Restauração Meiji (1868) para sugerir pelo menos três formas de expressão da religião: a primeira enquanto manifestações de figuras sobrenaturais e o culto às divindades locais (神 – kami); a segunda chamada de Jinja Shintō (神社神道) é entendida como abarcando os santuários locais (神社 – Jinja) e as instituições religiosas ligados às famílias de sacerdotes; e a terceira ligada ao Estado japonês (国家神道 – Kōkka Shintō). Do ponto de vista teórico a religiosidade é compreendida a partir dos trabalhos de Mircea Eliade (2010), enquanto o conceito de religião é abordado por meio das elaborações de Pierre Bourdieu (2005). Esses corpos teóricos são flexibilizados a partir das reflexões sobre o que é religião no Japão (SHIMAZONO, 2005) e como o conceito ocidental de religião foi traduzido para o japonês (KRAMER, 2013). Como resultado, busca-se demostrar a existência de vários xintoísmos e que dessa forma, as abordagens sobre a religião devem ser flexibilizadas visando particularidades das manifestações do fenômeno.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonardo Henrique Luiz, Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá, PR, Brasil.

Doutorando em História pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), em Maringá, PR, Brasil. Bolsista CAPES/DS.

Referências

ANDRÉ, Richard Gonçalves. Xintoísmo e culto aos kami: aproximações e distanciamentos. Nures, São Paulo, v. 9, p. 1-7, 2008.

ANDRÉ, Richard Gonçalves. Religião e silêncio: representações e práticas mortuárias entre nikkeis em Assaí por meio de túmulos (1932-1950). 2011. 250 f. Tese (Doutorado em História) – Universidade Estadual Paulista, Assis, 2011.

BATH, Sergio. Xintoísmo: o caminho dos deuses. São Paulo: Ática, 1998.

BOURDIEU, Pierre. Gênese e estrutura do campo religioso. In: BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. 6. ed. São Paulo: Perspectiva, 2005. p. 27-78.

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982.

CERTEAU, M. de. A Invenção do Cotidiano: Artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 2014.

ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano: a essência das religiões. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

FOSTER, Michael Dylas. Pandemonium and Parade: Japanse Monsters and the Culture of Yōkai. London: University of California Press, 2009.

FOSTER, Michael Dylas. The Book of Yōkai: Mysterious Creatures of Japanese Folklore. Okland: University of California Press, 2015.

KAWAMURA, Kunimitsu. A Female Shaman’s Mind and Body, and Possession. Asian Folklore Studies, Nagoia, v. 62, p. 255-287, 2003.

KITAGAWA, Joseph M. Some Reflections on Japanese Religion and Its Relationship to the Imperial System. Journal Japanese of Religious Studies, Nagoia, v. 2-3, n. 17, p. 129-178, 1990.

KLAUS, Antoni. Kokutai: Political Shintô from Early-Modern to Contemporary Japan. Eberhard Karls University Tübingen: Tobias-lib, 2016.

KRAMER, Martin Hans. How “Religion” Came to Be Translated as “Shūkyō”: Shimaji Mokurai and the Appropriation of Religion in Early Meiji Japan. Japan Review, Nagoia, n. 25, p. 89-111, 2013.

KURODA, Toshio. Shinto in the History of Japanese Religion. Japanese Journal of Religious Studies, Nagoia, v. 7, n. 1, p. 1-21, 1981.

LITTLETON, Covington Scott. Conhecendo o xintoísmo: origens, crenças, práticas, festivais, espíritos, lugares sagrados. Rio de Janeiro: Vozes, 2010.

LUIZ, Leonardo Henrique. Xintoísmo de Estado: Entre o imperialismo e a imigração japonesa para o Brasil. Aedos, Rio Grande do Sul, v. 10, n. 22, p. 199-218, 2018.

LUIZ, Leonardo Henrique. O Espírito de Yamato: o xintoísmo de Estado e o Kyoiku Chokugo na formação do nacionalismo japonês e a imigração para o Brasil (1890-1980). 2019. 147 f. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2019.

MAEDA, Hiromi. Court Rank for Village Shrines: the Yoshida House’s Interactions with Local Shrines during the Mid-Tokugawa Period. Japanese Journal of Religious Studies, Nagoia, v. 29, n. 3-4, p. 325-358, 2002.

MAEYAMA, Takashi. O imigrante e a religião: estudo de uma seita religiosa japonesa em São Paulo. 1967. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1967.

NOBUTAKA, Inoue. The Formation of Sect Shinto in Modernizing Japan. Japanese Journal of Religious Studies, Nagoia, v. 3-4, n. 29, p. 405-427, 2002.

NOBUTAKA, Inoue. Problems of the present Shinto studies: discussions and perspectives of the international symposium held at Kokugakuin University. Japanese Culture and Shinto, 2005. Disponível em: http://www.kt.rim.or.jp/~n-inoue/pub-eng.files/pd05-coe.htm. Acesso em: 20 jan. 2019.

ORTIZ, Renato. Introdução: a procura de uma sociologia da prática. In: ORTIZ, Renato. A sociologia de Pierre Bourdieu. São Paulo: Olho d’Água, 2003. p. 7-30.

PEREIRA, Ronan Alves. A tradução no contexto das religiões japonesas no Brasil. Estudos Japoneses, São Paulo, n. 33, p. 96-115, 2013.

RAMBELLI, Fabio. The Ritual World of Buddhist “Shinto”: the Reikiki and Initiations on KamiRelated Matters (jingi kanjo) in Late Medieval and Early-Modern Japan. Japanese Journal of Religious Studies, Nagoia, n. 3-4, v. 29, p. 265-297, 2002.

SHIMAZONO, Susumu. State Shinto and the Religious Structure of Modern Japan. Journal of the American Academy of Religion, Oxônia, n. 4, v. 73, p. 1077-1098, 2005.

SHIMAZONO, Susumu. State Shinto in the Lives of the People: The Establisment of Emperor Worship, Modern Nationalism, and Shrine Shinto in Late Meiji. Japanese Journal of Religious Studies, Nagoia, n. 36, v. 1, p. 93-124, 2009.

TEEUWEN, Mark; SCHEID, Bernhard. Tracing Shinto in the history of kami worship. Japanese Journal of Religious Studies, Nagoia, v. 29, n. 3-4, p. 195-207, 2002.

TEEUWEN, Mark; BREEN, John. A New History of Shinto. Oxford: Wiley-Blackwell, 2010.

SCHNELL, Scott; HASHIMOTO, Hiroyuki. Revitalizing Japanese Folklore. Asian Folklore Studies, Nagoia, v. 62, p. 185-194, 2003.

Publicado
2021-05-12
Como Citar
Luiz, L. H. (2021). Os diferentes xintoísmos no Japão pós Restauração Meiji: Definições e abrangências. Oficina Do Historiador, 14(1), e37634. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2021.1.37634