História e condição feminina na obra A Carne (1888), de Júlio Ribeiro

Palavras-chave: Júlio Ribeiro, naturalismo, História das mulheres

Resumo

Este artigo analisa o romance A Carne, publicado pela primeira vez em 1888, a partir da inserção dessa narrativa ficcional em uma perspectiva embasada nos estudos de sexualidade e da história das mulheres.  Foi realizada uma abordagem comparativa entre A Carne e outros romances naturalistas do mesmo período, com ênfase na crítica social presente nessa literatura. Sobretudo, no tocante as idealizações românticas sobre o matrimônio que eram colocadas como padrões a ser seguidos pelas mulheres. A obra destacada, em termos gerais, causou uma grande polêmica e foi censurada por vários jornalistas e críticos literários que atuaram na imprensa carioca. Problematizamos, portanto, a representação da mulher e a reação de alguns jornalistas ao romance A Carne.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joachin Azevedo Neto, Universidade de Pernambuco (UPE), Petrolina, PE, Brasil.

Doutor em História Cultural pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em Florianópolis, SC;
professor da Universidade de Pernambuco (UPE), em Petrolina, PE.

Ediene Gomes da Silva, Universidade de Pernambuco (UPE), Petrolina, PE, Brasil.

Graduanda em História pela Universidade de Pernambuco (UPE), em Petrolina, PE.

Referências

AZEVEDO, Aluízio de. O Cortiço. Rio de Janeiro: Garnier, 1890.

BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. 43. ed. São Paulo: Cultrix, 2006.

BULHÕES, Marcelo. Leituras do Desejo: o erotismo no romance naturalista brasileiro. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2003.

BATAILLE, Georges. O erotismo. Porto Alegre: L&PM, 1987.

BEAUVOIR, Simone. O Segundo Sexo: a experiência vivida. 2. ed. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1967.

BIBLIOGRAFIA. Jornal do Commercio, Rio de janeiro, ano 66, n° 280, out. de 1888.

CAMINHA, Adolfo. A Normalista. Rio de Janeiro: Magalhães & C., 1893.

DIDI-HUBERMAN, Georges. La invención de la histeria: Charcot y la iconografia fotográfica de La Salpêtrière. Madrid: Cátedra, 2007.

DEL PRIORE, Mary. História das mulheres no Brasil. 7. ed. São Paulo: Contexto, 2004.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: A vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

MAGALHÃES, Valentim. Júlio Ribeiro. A Semana, Rio de Janeiro, v. I, Rio de Janeiro, 1885.

JULIO Ribeiro. In: O Mercantil. São Paulo, ano VII, n° 1885, nov. de 1890.

RAGO, Margareth. Do cabaré ao lar: a utopia da cidade disciplinar (1890-1930). 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

RIBEIRO, Júlio. A Carne. São Paulo: Teixeira & Irmão Editores, 1888.

RIBEIRO, Júlio. Cartas Sertanejas. A Semana, Rio de Janeiro, v. I, 1885.

SILVEIRA, Célia Regina de. Fama e infâmia: Leituras do romance A carne, de Júlio Ribeiro. ArtCultura, Uberlândia, v. 12, n. 21, p. 195-209, jul./dez. 2010.

Publicado
2020-11-05
Como Citar
Neto, J. A., & da Silva, E. G. (2020). História e condição feminina na obra A Carne (1888), de Júlio Ribeiro. Oficina Do Historiador, 13(2), e37461. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2020.2.37461
Seção
Artigos