Um gesto menor, logo rebelde, na literatura brasileira

Escrita e subjetividade em Plínio Marcos

Palavras-chave: Literatura brasileira, Plínio Marcos, História do Brasil, Deleuze, Teatro.

Resumo

Bastou a chegada de um corpo jovem na cela repleta de homens já velhos e gastos pelas dores do mundo para que algo ocorresse naquela madrugada. Assim ocorre na peça-teatral Barrela (1958), do escritor brasileiro Plínio Marcos (1935-1999), cuja narrativa densa e repleta de diálogos intensos e clivados por afetos múltiplos nos permite pensar toda uma concepção de humanidade, subjetividade e institucionalidade no espaço prisional brasileira das décadas de 1960 e 1970. O texto analisa a imagem do corpo jovem violado, descrevendo as intersecções de classe, gênero, geração e sexualidade que cindiram uma subjetividade coletiva alicerçada na dor e na reprodução da violência física e psicológica, mas sem incorrer em processos de individualização da violência, mas justamente buscando pensar as tecnologias de subjetivação que a literatura de Plínio Marcos permite analisar para pensar os afetos, percepções e tensões que sua escrita apresenta. A partir do diálogo com Michel Foucault, Gilles Deleuze e Maurice Blanchot busca-se pensar as relações entre a História e a Literatura, problematizando os modos de dar a ler a realidade através da escrita e da crítica social operada em meio a tempos sombrios. Deste modo, o artigo visa contribuir por meio de um exercício de experimentação para pensar sobre história do Brasil e história do corpo jovem a partir de uma fonte literária que por meio de seus perfectos e afectos como obra de arte sempre pode abrir outros modos de pensar e sentir. Tal processo nos permite pensar a literatura como um gesto de criação ético-político sobre o mundo e a vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José dos Santos Costa Júnior, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Doutorando em História no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professor substituto no Departamento de História da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), em João Pessoa, PB, Brasil.

Referências

ARAÚJO, Gessé Almeida. Plínio Marcos e o Teatro Brasileiro: da semente latente à consagração como autor.

In: XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH. Anais [...]. São Paulo, julho de 2011. p. 1-17.

BLANCHOT, Maurice. O espaço literário. Tradução de Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Rocco, 2011.

BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: AMADO, Janaína e FERREIRA, Marieta de Moraes (Orgs.). Usos & abusos da história oral. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 1996.

CONTRERAS, Javier Arancibia; MAIA, Fred; PINHEIRO, Vinícius. Plínio Marcos: a crônica dos que não têm voz. São Paulo: Boitempo Editorial, 2002.

DELEUZE, Gilles & GUATTARI, Félix. Kafka: por uma literatura menor. 1ª ed. Tradução de Cíntia Vieira da Silva. Revisão da tradução: Luiz B. L. Orlandi. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

FOUCAULT, Michel. Arqueologia de uma paixão. In. Ditos e escritos III: Estética: Literatura e Pintura, Música e Cinema. 2ª ed. Organização e seleção de textos: Manoel Barros da Motta. Tradução de Inês Autran Dourado Barbosa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

FOUCAULT, Michel. O pensamento do exterior. In. Ditos e Escritos. Estética: Literatura e Pintura, Música e Cinema. v. 3. Organização e seleção de textos de Manoel Barros da Motta. Tradução de Inês Dautran Dourado Barbosa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

GUIDARINI, Mário. A desova da serpente: teatro contemporâneo brasileiro. Florianópolis: Editora da UFSC, 1996.

LIMA, Luiz Costa. História, Ficção, Literatura. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

MARCOS, Plínio. Barrela. São Paulo: Global Editora, s/d.

MENDES, Oswaldo. Bendito, maldito: uma biografia de Plínio Marcos. São Paulo: Leya, 2009.

MENDES, Sávio Damato. Variações do fora. Dissertação (Mestrado em Estudos Literários). Universidade Federal de Juiz de Fora, 2014.

NAPOLITANO, Marcos. A arte engajada e seus públicos (1955-1968). Estudos Históricos, Rio de Janeiro, 2001, n. 28.

NIETZSCHE, Friedrich. Verdade e mentira no sentido extramoral. Apresentação de Noéli Correia de Melo Sobrinho. Comum, Rio de Janeiro, v. 6, n. 17, p. 05-23, jul-dez. 2001.

SANTOS, Flávio Tito Cundari da Rocha; GARCIA, Silas Sampaio; AQUINO, Júlio Groppa. Um olhar estrangeiro à literatura: Foucault, escrita, experiência. ECOS – Estudos Contemporâneos da Subjetividade, v. 8, n 1, 2018.

STRADA, Vittorio. Do “realismo socialista” ao zdhanovismo. In: HOBSBAWM, Eric. História do marxismo - o

marxismo na época da Terceira Internacional: problemas da cultura e da ideologia. v. IX. Tradução de Carlos Nelson Coutinho, Luiz Sérgio N. Henriques, Amélia Rosa Coutinho. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987. p. 151-219.

ZOURABICHVILI, François. Deleuze: uma filosofia do acontecimento. 1.ª ed. Tradução e prefácio de Luiz B. L. Orlandi. São Paulo: Editora 34, 2016.

Publicado
2020-11-05
Como Citar
Júnior, J. dos S. C. (2020). Um gesto menor, logo rebelde, na literatura brasileira: Escrita e subjetividade em Plínio Marcos. Oficina Do Historiador, 13(2), e36890. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2020.2.36890
Seção
Artigos