Materiais contra a mutabilidade: o caso da oleira surda-muda nos registros de Freire Alemão no Ceará (1859-1861)

  • Ana Paula Gomes Bezerra Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS
  • Filipi Pompeu Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS http://orcid.org/0000-0002-5929-3237
Palavras-chave: Arqueologia sensorial. Fenomenologia. Viajante. Surda-muda. Cerâmica.

Resumo

A Arqueologia vem atravessando um período onde as suas relações com seu objeto de pesquisa, os materiais, estão sendo atualizadas. Na situação em questão pretendemos analisar, a partir do viés sensorial-fenomenológico, a interação específica entre uma espécie de louça utilitária única, os materiais que nela resultam, e a sua fabricante, uma oleira muda. Argumenta-se, com base em estudos da cultura Surda/Muda, que a condição da oleira na verdade contribui para um desenvolvimento aprimorado de outros sentidos que ajudam a explicar a peculiaridade de sua produção - fato este que passa despercebido por seu relator, Freire Alemão. Reforçando esta proposição, alia-se uma análise a partir da narrativa do autor sobre; o processo de produção de louças populares; o sistema de práticas de boas maneiras que exigia a renovação de conjuntos de louças; e o contexto do comércio, importação e produção cearense de cerâmica europeia e local. Pretende-se desta forma destacar a produção desta louça “Surda/Muda” como uma forma de comunicação e expressão em um mundo onde o conceito de cultura Surda/Muda ainda não existia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Gomes Bezerra, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS

Doutoranda em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS, Porto Alegre, RS, Brasil); Coordenadora do G.T. Cultura Material e Arqueologia (Associação Nacional de História – Seção Rio Grande do Sul, Brasil (ANPUH RS).

Filipi Pompeu, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS

Doutorando em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul – PUCRS, Porto Alegre, RS, Brasil

Referências

ALEMÃO, Francisco Freire. Diário de viagem de Freire Alemão: Fortaleza – Crato: [s. n.], 1856. (Fac-símile) Fortaleza: Museu do Ceará, Secretaria de Cultura do Estado do Ceará, 2006.

BEZERRA, Ana Paula Gomes. Capitalismo e elite no Ceará: produção, distribuição e consumo de louças europeias em Aracati (1850 a 1890). 2015. (Dissertação de Mestrado) – Estrado Acadêmico em História, Universidade Estadual do Ceará, 2015.

BURKE. Peter. Hibridismo Cultural. São Leopoldo: Ed. UNISINOS, 2008. (Coleção Aldus 18).

CONSTANTINO, Núncia Santoro de. Relatos de Viagem como fontes à História. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2012.

HEIDEGGER, Martin. Poetry, Language, Thought. New York: Harper & Row. 1971.

HOLBRAAD, Martin. Ontology, ethnography, archaeology: na afterword on the ontography of things. Cambridge Archaeological Journal. Cambridge, v. 19, n. 3, p. 431-441, Oct. 2009. https://doi.org/10.1017/S0959774309000614.

LADD, Paddy. Understanding Deaf Culture: in search of deafhood. Clevedon: Multilingual Matters LTD. 2003. https://doi.org/10.1017/S0959774309000614.

LADD, Paddy. Em busca da Surdidade I. Colonização dos Surdos. Tradução Mariani Martini. Lisboa: Surd”Universo, 2013.

MACEDO, Antonio Luiz. Introdução. In: ALEMÃO, Francisco Freire. Diário de viagem de Freire Alemão: Fortaleza – Crato: [s. n.], 1856. Fortaleza: Museu do Ceará, Secretaria de Cultura do Estado do Ceará, 2006. (Fac-símile).

MINUZZI, João Davi Oliveira; TOMAZI, Taís Giacomini. Limites e possibilidades no uso de fontes históricas: batismos, inventários e relatos de viagem. História: Unicap, Recife, v. 3, n. 6, jul./dez. de 2016. https://doi. org/10.25247/hu.2016.v3n6.p337-350.

PADDEN, Carol A.; HUMPHRIES, Tom L. Inside Deaf Culture. Cambridge: Harvard University Press, 2005.

ROCHE. Daniel. História das coisas banais, o nascimento do consumo séc. XVII-XIX. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

SCHEUER, Herta Loëll. Estudo da cerâmica popular do Estado de São Paulo. São Paulo: Conselho Estadual de Cultura, 1976.

SCHEUER, Herta Loëll. A Tradição da Cerâmica Popular. Escola de Folclore: Ed. Livramento, 1982.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Introdução. In: ROQUETTE, J. I. Código do Bom-Tom: ou Regras da civilidade e de bem viver no século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

SOARES, Fernanda Codevilla; Corção, Mariana. Bom gosto à mesa: cultura material e distinção social no Brasil do século XIX. Clio. Série Arqueológica (UFPE), Pelotas, v. 27, p. 33-62, 2012. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2015.2.21902.

TEIXEIRA, Karoline Viana. Percepções e limites do fazer científico: o caso da Imperial Comissão Científica de Exploração (1859-1861). Oficina do Historiador, Porto Alegre, EDIPUCRS, v. 8, n. 2, p. 43-59, jul./dez. 2015.

Publicado
2020-06-13
Como Citar
Bezerra, A. P. G., & Pompeu, F. (2020). Materiais contra a mutabilidade: o caso da oleira surda-muda nos registros de Freire Alemão no Ceará (1859-1861). Oficina Do Historiador, 13(1), e36692. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2020.1.36692
Seção
Dossiê