O “Átomo Invisível” na defesa dos ideais de progresso e civilização

João Gumes, Escritor-Cidadão. Caetité, 1880-1930

  • Diego Raian Aguiar Pinto Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Salvador, BA, Brasil.
Palavras-chave: Alto Sertão da Bahia, Escritor-Cidadão, João Gumes, Progresso Sertanejo

Resumo

A saída do Império e a decorrente entrada da República proporcionaram mudanças significativas no Brasil. As antigas estruturas brasileiras começaram a se romper e modificações sociais, econômicas e políticas já eram visualizadas na sociedade, pautadas, principalmente, em ideais difundidos por uma elite iniciante. Em Caetité, território do Alto Sertão da Bahia, a propagação do discurso progressista e querente de mudanças era de responsabilidade de João Antônio dos Santos Gumes, intelectual caetiteense, autor de inúmeros romances e proprietário do Jornal A Penna. Para produção desse artigo, as ideias de Gumes foram colocadas sob análise, especialmente aquelas contidas em seu romance Os Analphabetos e em seu jornal A Penna, objetivando entender a dinâmica da sociedade caetiteense e do Alto Sertão da Bahia após a Abolição da Escravatura e da Proclamação da República. Aliás, é por defender esses dois eventos que João Gumes é, aqui, apresentado como “Escritor-Cidadão”, conceito anteriormente utilizado por Pires (2011) e pautado nos estudos de Sevcenko (2003). Os estudos desenvolvidos nesta pesquisa, portanto, levam-nos ao entendimento de que o território em questão passou, também, pela dinâmica do progresso atuante no Brasil no princípio do século XX, além de proporcionar a compreensão do cidadão João Gumes, escritor em boa parte de sua vida, como combatente dos atrasos existentes que impossibilitavam a entrada dos seus sertões na “época moderna”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diego Raian Aguiar Pinto, Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Salvador, BA, Brasil.

Mestre em Ensino, Linguagem e Sociedade pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Campus VI. Especialista em História do Brasil pela Faculdade Einstein (FACEI). Graduado em História pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB), em Caetité, BA, Brasil, Campus VI. Graduado em Filosofia pela Universidade Metropolitana de Santos (UNIMES). Professor da Rede Básica de Ensino.

Referências

AGUIAR, Lielva Azevedo. Agora um pouco da política sertaneja: a trajetória da família Teixeira no Alto Sertão da Bahia (Caetité: 1885-1924). 2011. 154 f. Dissertação (Mestrado em História Regional e Local) – Universidade do Estado da Bahia, Santo Antônio de Jesus-BA, 2011.

ALBUQUERQUE JUNIOR, Durval Muniz de. A invenção do Nordeste e outras artes. Recife: FJN; Ed. Massangana; São Paulo: Cortez, 2009. 340 p.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003. p. 261-306.

BARROS, José D’Assunção. O campo da história: especialidades e abordagens. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. Tradução de Carlos Felipe Moisés, Ana Maria L. Ioratti. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

CANDIDO, Antonio. Literatura e Sociedade. São Paulo: Editora Nacional, 1973.

CARDOSO, Ciro Flamarion; VAINFAS, Ronaldo (org.). Domínios da história: ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

CARVALHO, José Murilo de. A Formação das Almas: O Imaginário da República no Brasil. São Paulo. Companhia das Letras: 1990.

CHALHOUB, S. História: História e Literatura: depoimento. [05 de maio de 2015]. Univesp TV. Entrevista concedia a jornalista Mônica Teixeira.

CHALHOUB, Sidney. Machado de Assis, historiador. São Paulo: ed. Companhia das Letras, 2003.

CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. São Paulo: Bertrand Brasil, 1988.

DIAS, Maria Odília Leite da Silva. Hermenêutica do quotidiano na historiografia contemporânea. Projeto História: revista da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, n. 17, p. 223-258, 1998.

DUNN, John. The Identity of the History of Ideas. Philosophy, [S. l.], v. XLIII, n. 134, p. 85-104, 1968. https://doi.org/10.1017/S0031819100008986

FALCON, Francisco. História e poder. In: CARDOSO, Ciro Flamarion (org.). Domínios da história: ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997. p. 61-89.

FERREIRA, Antonio Celso. A fonte fecunda. In: PINSKY, Carla; LUCA, Tânia (org.). O historiador e suas fontes. São Paulo: contexto, 2009.

GUIMARÃES, Eudes Marciel Barros. Um painel com cangalhas e bicicletas: os (des)caminhos da modernidade no alto sertão da Bahia (Caetité, 1910-1930). 2012. 151 f. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Franca, 2012.

GUMES, João. Pelo Sertão: narrativas de costumes rurais do sertão baiano; 1927. Transcrição.

Gumes, João. Vida Campestre: narrativa os costumes e hábitos dos lavradores do Alto Sertão Sul da Bahia, 1926.

Gumes, João. Os Analphabetos. Salvador: EDUNEB, 2014.

Gumes, João. O Sampauleiro: romance de costumes sertanejos. Salvador: EDUNEB/EDUFBA, 2018.

HALL, Stuart. Quem precisa da identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu da. Identidade e Diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.

LASLETT, Peter. Introduction, in John Locke, Two Treatises on Government. Cambridge, Cambridge University Press, 1960.

MARX, Karl. A ideologia alemã. 9. ed. São Paulo: Hucitec, 1993.

REVISTA DO INSTITUTO GEOGRAPHICO E HISTÓRICO DA BAHIA. Número 58. Por: Pedro Celestino da Silva.

NEEDELL, Jeffrey. Belle Époque Tropical: sociedade e cultura no Rio de Janeiro na virada do século. Trad. Celso Nogueira. São Paulo: Cia das Letras, 1993.

NEVES, Erivaldo Fagundes. Sucessão dominial e escravidão na pecuária do Rio das Rãs. Sitienbus, Feira de Santana, n. 21, jul./dez. 1999.

NOGUEIRA, Maria Lúcia Porto Silva. A norma dos bons costumes e as resistências femininas nas obras de João Gumes (Alto Sertão baiano 1897 a 1930). 2010. 178 f. Dissertação (Mestrado em História) Pontifícia Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

PIRES, Maria de Fátima Novaes. Hommes de Lettres na “Corte do Sertão”: João Gumes e Escrita Social. In: SEMINÁRIO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA HISTORIOGRAFIA – O Giro Linguístico E A Historiografia: Balanço E Perspectivas, 6., 2012, Ouro Preto. Anais... Ouro Preto: EdUFOP, 2012.

POCOCK, John. The History of Political Thought: A Methodological Enquiry. In: LASLETT, P.; RUNCIMAN, W. G. (ed.). Philosophy, Politics and Society (second series). Oxford: Blackwell, 1962. p. 183-202.

REIS, Joseni Pereira Meira. Instâncias formativas, modos e condições de participação nas culturas do escrito: o caso de João Gumes (Caetité-BA, 1897-1928). Belo Horizonte: UFMG/FaE, 2010. 195 f., enc., il.

REIS, Maria da Conceição Souza. O Sampauleiro: romance de João Gumes. Salvador, BA: S/D. Tese [Doutorado em Letras] - Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2004.

MENDES, Bartolomeu de Jesus. Caetité: a terra, a cultura e sua gente: subsídio para a história local. Caetité: Gráfica e Papelaria Caetité, 1996.

SANTOS, Helena Lima. Caetité: Pequenina e Ilustre. 2. ed. Brumado/BA: Gráfica e Editora Tribuna do Sertão, 1995.

SANTOS, Paulo Henrique Duque. Légua tirana: sociedade e economia no alto sertão baiano. Caetité, 1890-1920. 2012. Tese (Doutorado em História Social) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, em curso.

SKINNER, Quentin. The Limits of Historical Explanation. Philosophy, [S. l.], v. 41, p. 199-215, 1966. https://doi.org/10.1017/S003181910005868X

SEVCENKO, Nicolau. Literatura como Missão: tensões sociais e criação cultural na Primeira República. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

SEVCENKO, Nicolau. Orfeu extático na metrópole: São Paulo, sociedade e cultura nos frementes anos 20. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

THOMPSON, Edward Palmer. A miséria da teoria ou um planetário de erros. Rio de Janeiro: Zahar Ed., 1981.

Publicado
2020-12-21
Como Citar
Pinto, D. R. A. (2020). O “Átomo Invisível” na defesa dos ideais de progresso e civilização: João Gumes, Escritor-Cidadão. Caetité, 1880-1930. Oficina Do Historiador, 13(2), e36623. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2020.2.36623
Seção
Artigos