O heterodiscurso como método de análise histórica do romance

Palavras-chave: Mikhail Bakhtin, Heterodiscurso, Historiografia

Resumo

O conceito de “heterodiscurso” (raznorétchie), tal como desenvolvido por Mikhail Bakhtin, constitui-se como uma poderosa e ainda pouco usada ferramenta metodológica para os historiadores, em particular para o estudo de fontes literárias. Entendendo-o, a princípio, como a incorporação do discurso alheio no romance, este texto pretende elaborar essa formulação mais profundamente. Isso será feito por meio do diálogo com outros tradicionais conceitos do arsenal bakhtiniano, tais como “dialogismo” e “polifonia”, mas não somente. Tomando como base alguns episódios da obra Dom Quixote (1605-1615), de Miguel de Cervantes, minha intenção é elaborar e demonstrar, a partir do conceito de heterodiscurso, ferramentas de análise úteis ao historiador. Em um primeiro momento, formulo a ideia de “grau de objetificação da linguagem”, buscando dar conta da complexa questão da autenticidade da representação do objeto através da linguagem. Em um segundo momento, mais importante, proponho a sistematização do heterodiscurso em progressivos níveis de distintas profundidades – o que chamei de “níveis heterodiscursivos” –, almejando abarcar as múltiplas camadas de vozes sociais presentes em um romance e melhor capturar a realidade histórica pela qual estes são circunscritos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Caio Rodrigues Schechner, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Mestrando em História pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Pesquisa financiada pela FAPERJ.

Referências

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo: Hucitec, 2013.

BAKHTIN, Mikhail. Epos e Romance: sobre a metodologia do estudo do romance. In: BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. São Paulo: Hucitec, 2002.

BAKHTIN, Mikhail. Problemas da poética de Dostoiévski. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

BAKHTIN, Mikhail. Teoria do romance I: A estilística. Tradução, prefácio, notas e glossário de Paulo Bezerra. São Paulo: Ed. 34, 2015.

BARROS, José Costa D’assunção. Revista Expedições: Teoria da História & Historiografia, Morrinhos, GO, v. 3, p. 9-37, 2012.

BEZERRA, Paulo. Polifonia. In: BRAIT, B. (org). BakhtIn: conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2005.

BEZERRA, Paulo. Prefácio. In: BAKHTIN, Mikhail. Teoria do romance I: A estilística. Tradução, prefácio, notas e glossário de Paulo Bezerra. São Paulo: Ed. 34, 2015.

CHARTIER, Roger. A História Cultural: Entre Práticas e Representações. Miraflores: DIFEL, 2002.

CERVANTES, Miguel de. Don Quijote de La Mancha. Texto e notas de Francisco Rico. Madrid: Real Academia Española y Asociación de Academias de la Lengua Española, 2015.

CERVANTES, Miguel de. O engenhoso fidalgo D. Quixote de La Mancha, Primeiro Livro. Traducão e notas de Sérgio Molina. São Paulo: Ed. 34, 2002.

CERVANTES, Miguel de. Dom Quixote de la Mancha. Tradução de Conde de Azevedo e Visconde de Castilho. São Paulo: Martin Claret, 2007.

MACIEL, Lucas Vinício de Carvalho. Considerações sobre heterodiscurso a partir de Dom Quixote. Bakhtiniana, São Paulo, v. 13, n. 2, p. 100-116. 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/2176-457333837

FIORIN, José Luiz. Introdução ao pensamento de Bakhtin. São Paulo: Contexto, 2018.

GINZBURG, Carlo. As vozes do outro: uma revolta indígena nas Ilhas Marianas. In: GINZBURG, Carlo. Relações de força: história, retórica, prova. São Paulo: Companhia das Letras, 2000. p. 80-99.

GINZBURG, Carlo. Sinais: Raízes de um paradigma indiciário. In: GINZBURG, Carlo. Mito, Emblemas, Sinais. São Paulo: Companhia das Letras, 1989. p. 143-179.

LUCÍA MEGÍAS, José Manuel. Los libros de caballerías a la luz de los primeros comentarios del Quijote: de Los Ríos, Bowle, Pellicer y Clemencín. Edad de Oro, Madrid, n. 21, p. 499-539, 2002.

VIEIRA, Maria Augusta da Costa. O dito pelo Não-dito: Paradoxos de Dom Quixote. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2015.

Publicado
2020-08-20
Como Citar
Schechner, C. R. (2020). O heterodiscurso como método de análise histórica do romance. Oficina Do Historiador, 13(2), e35932. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2020.2.35932
Seção
Artigos