"Terra à vista"

A natureza observada a serviço da imaginação

Palavras-chave: Registro de viagem, Olhar, Imaginário, Zonas de contato

Resumo

Averiguaremos, neste artigo, que os imaginários da tradição não só não desapareceram por completo no período primevo das navegações ultramarinas, como foram, em parte, responsáveis por novas projeções imaginárias e novos mitos gerados a partir de um olhar itinerante que se quer aparentemente racional, empírico e desmistificador. Para tanto, não abordaremos aqui nenhum registro de viagem em especial, apesar de utilizarmos alguns breves exemplos para fundamentar tal investigação, como os registros de viagem de Cristóvão Colombo e Álvaro Velho. O que se pretende mais precisamente neste artigo é, na esteira de Serge Gruzinski, Sérgio Buarque de Holanda, Janice Theodoro da Silva, entre outros intelectuais, explorar e compreender melhor a historiografia cultural recente que aborda o problema da transição do maravilhoso medieval para o momento prático-descritivo intensificado pelas navegações modernas, transição que deixa transparecer não só a busca de um sentido experiencial das viagens, mas também a relação do narrador viajante com o seu tempo e espaço, evidenciando as limitações empíricas do seu olhar. Por fim, analisaremos o olhar viajante do período ultramarino inicial como um olhar correspondente ao realismo complexo apresentado nos próprios registros de viagem, nos quais gradualmente se congregam as modalidades da retórica, da quantificação e da geografia aos imaginários da tradição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Vecchio Alves, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Doutor em História Cultural pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), em Campinas, SP, Brasil; mestre em Letras-Estudos Literários pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), em Viçosa, MG, Brasil; pesquisador de pós-doutorado em Estudos Literários da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (FAPERJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Referências

ÁLVARES, Francisco. Verdadeira informação das terras do Preste João das Indias. Lisboa: Imprensa Nacional, 1889.

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. Tradução de Catarina Mira. Lisboa: Edições 70, 2017.

BARRETO, Luís Filipe. Descobrimentos e Renascimento: formas de ser e pensar nos séculos XV e XVI. 2. ed. Lisboa: INCM, 1983.

BENNASSAR, Bartolomé. Dos mundos fechados à abertura do mundo. In: NOVAES, Adauto (org.). A descoberta do homem e do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. p. 83-93.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Tradução de Miriam Avila et al. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998.

BOORSTIN, Daniel J. Os descobridores: de como o homem procurou conhecer-se a si mesmo e ao mundo. Tradução de Fernanda Pinto Rodrigues. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1989.

CAMINHA, Pero Vaz de. A Carta de Pero Vaz de Caminha. Lisboa: INCM, 2010.

CAÑIZARES-ESGUERRA, Jorge. Como escrever a História do Novo Mundo: Histórias, Epistemologias e Identidades no Mundo Atlântico do Século XVIII. Tradução de Juliana Bastos Marques. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2011.

CARVALHO, João Carlos Firmino Andrade de. Ciência e alteridade na literatura de viagens: estudos de processos retóricos e hermenêuticos. Lisboa: Edições Colibri, 2003.

CLARK, Stuart. Vanities of the Eye: Vision in Early Modern European Culture. Oxford: Oxford University Press, 2007.

COLÓN, Cristóbal. Los cuatro viajes: testamento. Ed. Consuelo Varela. Madrid: Alianza Editorial, 1996.

DELUMEAU, Jean. História do Medo no Ocidente: uma cidade sitiada (1300-1800). Tradução de Maria Lúcia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

DELUMEAU, Jean. A Civilização do Renascimento. Tradução de Pedro Elói Duarte. Lisboa: Edições 70, 1984.

DISNEY, Anthony. A Expansão Portuguesa (1400-1800): Contatos, Negociações, Interações. In: CURTO, Diogo Ramada; BETHENCOURT, Francisco. A Expansão Marítima Portuguesa (1400-1800). Tradução de Miguel Mata. Lisboa: Edições 70, 2010. p. 295-326.

FLECK, Gilmei Francisco; LANGNER, Alceni Elias. El Dorado: A incorporação do mito no romance histórico Latino-Americano. Revista de Literatura, História e Memória, Cascavel, v. 13, n. 21, p. 381-396, 2017.

FONSECA, Luís Adão da. Vasco da Gama. O homem, a viagem, a época. Lisboa: Vega, 1998.

FRANCO JR., Hilário. As utopias medievais. São Paulo: Brasiliense, 1992.

GODINHO, Vitorino Magalhães. Que significa descobrir? In: NOVAES, Adauto (org.). A descoberta do homem e do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. p. 55-82.

GRUZINSKI, Serge. As quatro partes do mundo: história de uma mundialização. Tradução de Cleonice P. B. Mourão e Consuelo F. Santiago. Belo Horizonte: Editora UFMG; São Paulo: Edusp, 2014.

GRUZINSKI, Serge. O pensamento mestiço. Tradução de Rosa Freire d’ Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

HALL, Stuart. Cultural Studies: two paradigms. Tradução de Ana Carolina Escosteguy et al. Media, Culture and Society, New York, v. 2, p. 57-72, 1980.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Visão do Paraíso. Os motivos edénicos no descobrimento e colonização do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

KIENING, Christian. O sujeito selvagem: pequena poética do novo mundo. Tradução de Silvia Nauroski. São Paulo: EdUSP, 2014.

LANCIANI, Giulia. O maravilhoso como critério de diferenciação entre sistemas culturais. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 11, n. 21, p. 21-26, 1990.

LANGER, Johnni. O mito do Eldorado: origem e significado no imaginário sul-americano (século XVI). Revista de História, São Paulo, n. 136, 1997, p. 25-40.

LE GOFF, Jacques. O maravilhoso e o quotidiano no ocidente medieval. Tradução de António José Pinto Ribeiro. Lisboa: Edições 70, 2010.

LE GOFF, Jaques. O nascimento do purgatório. 2. ed. Tradução de Maria Fernanda Gonçalves de Azevedo. Lisboa: Editorial Estampa, 1995.

LIMA, Henrique Espada. Micro-História. In: CARDOSO, Ciro Flamarion; VAINFAS, Ronaldo (org.). Novos Domínios da História. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

ORLANDI, Eni. Terra à vista – Discurso do confronto: Velho e Novo Mundo. 2. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2008.

PANOFSKY, Erwin. Renascimento e Renascimentos na Arte Ocidental. Tradução de Fernando Neves. Porto: Editorial Presença, 1981.

PRATT, Mary Louise. Os olhos do império: relatos de viagem e transculturação. Tradução de Jézio H. B. Gutierre. Bauru: EDUSC, 1999.

RAMOS, José Augusto M. A literatura apocalíptica e a ideia de ordem e de fim. Millenarium: Revista Portuguesa de Ciência das Religiões, Lisboa, n. 1, p. 43-53, 2002.

SANTOS, Luiz A. de Castro. Duas visões do Paraíso (Convite a Todorov para ler Sérgio Buarque de Holanda). In: SALOMÃO, Jaime (dir.). Sérgio Buarque de Holanda: 3º Colóquio UERJ. Rio de Janeiro: Imago Ed., 1992. p. 152-165.

SILVA, Janice Theodoro da. Descobrimentos e Colonização. São Paulo: Ática, 1987.

SILVA, Wilton C. L. de. As terras inventadas: discurso e natureza em Jean de Léry, André João Antonil e Richard Francis Burton. São Paulo: Ed. Unesp, 2003.

SCHNEIDER, Guilherme Jacinto. Guardiões do Éden: Narrativas de encontros com criaturas maravilhosas na América portuguesa (século XVI). 2015. 126 p. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2015.

THOMAZ, Luís Filipe F. R. A lenda de São Tomé Apóstolo e a expansão portuguesa. Lisboa: Instituto de Investigação Científica Tropical, 1992.

VELHO, Álvaro. Roteiro da viagem que em descobrimento da India pelo Cabo da Boa Esperança fez Dom Vasco da Gama em 1497. Porto: Typographia Commercial Portuense, 1838. Disponível em: www.archive.org. Acesso em: 20 jun. 2014.

ZURARA, Gomes Eanes de. Chronica do Descobrimento e Conquista da Guiné. Pariz: J. P. Aillaud, 1841.

Publicado
2021-08-18
Como Citar
Alves, D. V. (2021). "Terra à vista": A natureza observada a serviço da imaginação. Navegações, 14(1), e40277. https://doi.org/10.15448/1983-4276.2021.1.40277
Seção
Ensaios