(Diz)positivo para matar: uma análise sobre o discurso de ódio no Brasil contemporâneo

Palavras-chave: Enunciado, Foucault, Discurso, Ódio, Necropolítica

Resumo

O presente artigo consiste em uma análise de enunciados, mobilizando o conceito de discurso pela perspectiva foucaultiana em conjunto com a releitura de Deleuze. Outrossim, buscamos um diálogo com as contribuições teóricas de Achille Mbembe e o conceito de necropolítica, para então endossar nossas discussões sobre os discursos de ódio e seus desdobramentos em nosso cotidiano. Por meio de uma seleção de publicações presente nas redes sociais, usamos o método arquegenealógico para possibilitar uma reflexão sobre questões concernentes à política e às relações humanas no cenário atual do Brasil. Operamos uma crítica a partir do discurso de ódio, que é vigente, merecendo, assim, devidas cautelas para se repensar os processos de subjetivação a ele correlatos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Vinicius Costa Amorim, Universidade Federal de Goiás/Regional Catalão/Universidade Federal de Catalão (UFG/UFCat), Catalão, GO

Mestrando em Estudos da Linguagem pela Universidade Federal de Goiás-Regional Catalão/Universidade Federal de Catalão (UFG-RC/UFCat, Catalão, GO, Brasil). Bolsista CAPES. Graduado (Bacharelado e Licenciatura) em Psicologia pela Universidade Federal de Goiás – Regional Catalão (UFG- RC), Catalão, GO, Brasil.

Antônio Fernandes Júnior, Universidade Federal de Goiás/Regional Catalão/Universidade Federal de Catalão (UFG/UFCat), Catalão, GO

Doutor em Letras pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP/FCLAr, Araraquara, SP, Brasil). Docente na Graduação e Pós-Graduação em Letras na Universidade Federal de Goiás-Regional Catalão/Universidade Federal de Catalão-UFCat/em implantação (UFG-RC/UFCat) em Catalão, GO, Brasil.

Referências

BEIGUELMAN, Giselle. Odiolândia. Mulheres na coleção MAR. [S.l: s.n.], 2019.

BORTOLI, Sergio Eduardo Rudge. Incitação, apologia e cultura da violência: realidades na política e na sociedade brasileiras. Jus, ago. 2018. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/68521/incitacao-apologia-e-cultura-da-violencia. Acesso em: 29 maio 2019.

BRASIL. Instituto de Economia e Pesquisa Aplicada (IPEA). Menos armas, menos crimes. Daniel Ricardo de Castro Cerqueira; João Manoel Pinho de Mello. Brasília. IPEA, 2012. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/TDs/td_1721.pdf. Acesso em: 28 maio 2019.

CARVALHO, Joaquim de. “Cidadão de bem” era o nome do jornal da Ku Klux Klan. Diário do Centro do Mundo, 6 maio 2017. Disponível em: https://www.diariodocentrodomundo.com.br/essencial/cidadao-de-bem-era-o-nome-do-jornal-da-ku-klux-klan/. Acesso em: 29 maio 2019.

CASTRO, Edgardo. Vocabulário de Foucault – Um percurso pelos seus temas, conceitos e autores. Trad. De Ingrid Muller Xavier; revisão técnica Alfredo Veiga-Neto e Walter Omar Kohan. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.

COURTINE, Jean-Jacques. Decifrar o corpo: pensar com Foucault. Trad. Francisco Morás. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. Trad. de Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo, 2016.

DELEUZE, Gilles. Conversações. Trad. de Peter Pál Pelbart. 3. ed. São Paulo: Editora 34, 2013.

DELEUZE, Gilles. O que é um dispositivo? In: LAPOUJADE, David (org.). Dois regimes de loucos - textos e entrevistas (1975-1995). Trad. Guilherme Ivo; revisão técnica de Luiz B. L. Orlandi. São Paulo: Editora 34, 2016. p. 359-369.

DELEUZE, Gilles; PARNET, Claire. Diálogos. Trad. de Eloíza Araújo Ribeiro. São Paulo: Editora Escuta, 1998.

DUNKER, Christian Ingo Lenz. Intolerância e cordialidade nos modos de subjetivação no Brasil. In: FANTINI, João Angelo (org.). Raízes da intolerância. [S.l: s.n.], 2014.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Trad. De Luiz Felipe Baeta Neves. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FOUCAULT, Michel. A verdade e as formas jurídicas. Trad. Roberto Machado, Eduardo J. Morais. 3. ed. – Rio de Janeiro: NAU Editora, 2003.

FOUCAULT, Michel. A Ética do Cuidado de Si como Prática de Liberdade (1984). In: Manoel Barros da Motta (org.). Trad. Elisa Monteiro, Inês Autran Dourado Barbosa. Ditos e Escritos V: Ética, sexualidade e política. Rio de Janeiro: Forense Universitário, 2004. p. 264-287

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização, introdução e revisão técnica de Roberto Machado. 28. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014a.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Trad. de Raquel Ramalhete. 42. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014b.

GONÇALVES, João Ricardo et al. Vereadora do PSOL, Marielle Franco é morta a tiros na Região Central do Rio. G1, Rio de Janeiro, 14 mar. 2018. Disponível em: https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/vereadora-do-psol-marielle-franco-e-morta-a-tiros-no-centro-do-rio.ghtml. Acesso em: 29 maio 2019.

HAJE, Lara. Feminicídio cresce entre mulheres negras e indígenas e diminui entre brancas. Portal Câmara Notícias, Brasília, 7 nov. 2018. Disponível em: https://www.camara.leg.br/noticias/547491-feminicidio-cresce-entre-mulheres-negras-e-indigenas-e-diminui-entre-brancas-aponta-pesquisadora/. Acesso em: 29 maio 2019.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. Arte & Ensaios, [S.l.], n. 32, mar. 2017. ISSN 2448-3338. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/ae/article/view/8993. Acesso em: 28 maio 2019.

NIETZSCHE, Friedrich. Além do bem e do mal. Trad. de Márcio Pugliesi. Curitiba: Editora Hemus, 2004.

OKUMURA, Renata. Morre 2ª vítima de fuzilamento de 80 tiros do Exército. Terra, São Paulo, 18 abr. 2019. Disponível em: https://www.terra.com.br/noticias/brasil/cidades/morre-segunda-vitima-em-acao-do-exercito-que-fuzilou-carro-de-musico,ce9debd95631cab7b8db6363d41bc64730wzzgy9.html. Acesso em: 29 maio 2019.

PIOVEZANI, Carlos; CURCINO, Luzmara. Fazer, pensar, dizer e olhar: dispositivos de fala pública e de leitura da mídia. In: FERNANDES JÚNIOR, Antônio; SOUSA, Kátia Menezes de (org.). Dispositivos de poder em Foucault: práticas e discursos da atualidade. 2. ed. Catalão: Editora Letras do Cerrado, 2017. p. 37-54.

PRADO FILHO, Kleber. A genealogia como método histórico de análise de práticas e relações de poder. Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, v. 51, n. 2, p. 311-327, dez. 2017. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/revistacfh/article/view/2178-4582.2017v51n2p311. Acesso em: 28 maio 2019. https://doi.org/10.5007/2178-4582.2017v51n2p311

PRIORI, Angelo, et al. A Ditadura Militar e a violência contra os movimentos sociais, políticos e culturais. História do Paraná: séculos XIX e XX [online]. Maringá: Eduem, 2012. p. 199-213. Disponível em: http://books.scielo.org/id/k4vrh/pdf/priori-9788576285878-15.pdf. Acesso em: 10 out. 2019. https://doi.org/10.7476/9788576285878.0015

ROLNIK, Suely. Ninguém é deleuziano. Buenos Aires/ Lisboa: Notaciones Abisales, 2015. Disponível em: http://www.notacionesabisales.com/wp-content/uploads/2015/07/nadie-es-deleuziano-bilingue.pdf. Acesso em: 10 out. 2019.

ROSSI, Amanda; MACHADO, Leandro. Com decreto de Bolsonaro, mais de 2 bilhões de munições podem ser compradas por brasileiros que já têm armas. BBC, São Paulo, 27 maio 2019. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-48391614. Acesso em: 30 maio 2019.

SCHÄFER, Gilberto; LEIVAS, Paulo Gilberto Cogo; SANTOS, Rodrigo Hamilton. Discurso de ódio: Da abordagem conceitual ao discurso parlamentar. Revista de Informação Legislativa, Brasília, a. 52 n. 207, jul./set. 2015. Disponível em https://www12.senado.leg.br/ril/edicoes/52/207/ril_v52_n207_p143.pdf. Acesso em: 26 set. 2019.

SOUSA, Kátia Menezes de. A construção das verdades na condução das condutas dos brasileiros, a intolerância como forma de resistência e o precipitar dos acontecimentos discursivos. Cadernos Discursivos, Catalão-GO, v. 1 n 1, p. 56-76, 2018. Disponível em: https://cadis_letras.catalao.ufg.br/up/595/o/K%C3%A1tia_Menezes_.pdf. Acesso em: 29 maio 2019.

SOUZA, Jessé. A elite do atraso. Rio de Janeiro: Estação Brasil, 2019.

ZIMBARDO, Philip. O efeito Lúcifer: como as pessoas tornam-se más. Trad. de Tiago Novaes Lima. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 2013.

Publicado
2020-04-02
Como Citar
Amorim, M. V. C., & Fernandes Júnior, A. (2020). (Diz)positivo para matar: uma análise sobre o discurso de ódio no Brasil contemporâneo. Letrônica, 13(2), e35975. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2020.2.35975