Pós-modernidade e as duas faces de Janus: o Cogito Digital e o Solipsismo diante da desconstrução da metafísica

Palavras-chave: Pós-Verdade, Falibilismo, Contextualismo, Ceticismo, Solipsismo, Intersubjetividade

Resumo

O artigo analisou a ideia de pós-modernidade focando-se em dois problemas específicos da era digital, pós-verdade e a propagação de fake news, testando a hipótese de classificação desses problemas como resultados céticos da desconstrução filosófica levada adiante na pós-modernidade por teorias como a teoria pós-moderna deflacionista sobre a verdade formulada por Richard Rorty. Após a análise foi possível concluir que a teoria deflacionista de Richard Rorty possui bases contextualistas e falibilistas opostas ao ceticismo e favoráveis à autorreflexividade e intersubjetividade que servem de recurso para a resolução dos problemas analisados que são classificados como adeptos do cogito digital de base metafísica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandra Cavalcante Scherma Schurig, UFBA

Graduada em Direito pela Universidade Católica do Salvador (2009). Especialista em Direito Processual Civil pela Universidade Federal da Bahia (2012) e em Direito Público pela Universidade Católica do Salvador.(2016) Mestre em Direito pela Universidade Federal da Bahia (2017-2019). Doutoranda em Direito pela Universidade Federal da Bahia. (2019), área de concentração de Filosofia do Direito. 

Referências

ABBAGNANO, N. Dicionário de Filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

ADAMIC, E.; BAKSHY, S.; MESSING, L. Exposure to ideologically diverse news and opinion on Facebook. Science, [s. l.], v.348, n. 6239, p.1130-1132, 05 jun. 2015. Disponível em: https://science.sciencemag.org/content/348/6239/1130. Acesso em: 27 jan. 2020. https://doi.org/10.1126/science.aaa1160.

ALLCOTT, H.; GENTZKOW M. Social Media and Fake News in the 2016 election. Journal of Economic Perspectives, [s. l.], v. 31, n. 2, 2017, p. 211-236. Disponível em https://www.aeaweb.org/articles?id=10.1257/jep.31.2.211. Acesso em: 27 jan. 2020. https://doi.org/10.1257/jep.31.2.211.

BAUMAN, Z. O mal estar na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Zahar, 1997.

CABETTE, A. F. O que é ‘pós-verdade’, a palavra do ano segundo a Universidade de Oxford. Nexo Jornal, [s. l.],16 de nov. 2016. Disponível em: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2016/11/16/O-que-%C3%A9-%E2%80%98p%C3%B3s-verdade%E2%80%99-a-palavra-do-ano-segundo-a-Universidade-de-Oxford. Acesso em: 12 mar. 2019.

CASTILHO, C. Apertem os cintos: estamos entrando na era da pós-verdade. Observatório da imprensa, [s.l.], ed. 921, 28 set. 2016. Disponível em: http://observatoriodaimprensa.com.br/imprensa-em-questao/apertem-os-cintos-estamos-entrando-na-era-da-pos-verdade/. Acesso em: 27 jan. 2020.

DWORKIN, R. Objectivity and Truth: You’d better believe it. Philosophy & Public Affairs, [s. l.], v. 25, n. 2, p.87-139, 1996. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/2961920. Acesso em: 27 jan. 2020. https://doi.org/10.1111/j.1088-4963.1996.tb00036.x.

ENGELKE, A. C. M. T. Relativismo e Ceticismo na obra de Richard Rorty. Desigualdade & Diversidade: Revista de Ciências Sociais da PUC-Rio, Rio de Janeiro, n. 12-13, p. 171-189, jan./dez. 2013,. Disponível em: http://desigualdadediversidade.soc.puc-rio.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm. Acesso em: 27 jan. 2020.

GADAMER, H.-G. Verdade e Método. Petrópolis: Editora Vozes, 1999.

GOMES, W. A democracia digital e o problema da participação civil na decisão política. Revista Fronteiras: estudos midiáticos, [s. l.], v. 7, n. 3, p. 214-222, 2005. Disponível em: http://revistas.unisinos.br/index.php/fronteiras/index. Acesso em: 27 jan. 2020.

HEIDEGGER, M. Que é uma coisa? Lisboa: Edições 70, 1987.

HUSSERL, E. A ideia da fenomenologia. Lisboa: Ediçoes 70, 1992.

LYOTARD, J. F. A condição pós moderna. Rio de Janeiro: José Olympio, 2009.

OITAVEN, D., P. M. A contradição performativa na luta estratégica dos movimentos sociais por reconhecimento: entre conflitos Honnethianos e consensos Habermasianos. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Programa

de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2014.

POST-TRUTH”. In: ON-LINE OXFORD DICTIONARY of English. Disponível em: https://www.lexico.com/en/definition/post-truth. Acesso em: 15 jul. 2019.

RORTY, R.; ENGEL, P. A. Para que serve a verdade? São Paulo: Unesp, 2007.

RORTY, R. Contingência, ironia e solidariedade. Cambridge: CUP, 1989.

RORTY, R. Objetivismo, relativismo e verdade. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1997.

SAMPAIO, R. O Problema do Relativismo em Heidegger e Gadamer. Investigaciones Fenomenológicas, [s.l.], n. 6, p.283-298, 2008. Disponível em: https://doi.org/10.5944/rif.6.2008. Acesso em: 27 jan. 2020.

SOLANO, E. Crise da democracia e extremismos de direita Friedrich-Ebert-Stiftung Brasil, [s. l.], n. 42, maio 2018. Disponível em: http://library.fes.de/pdf-files/bueros/brasilien/14508.pdf. Acesso em: 27 jan. 2020.

SOSA, E.; GRECO J. Compendio de epistemologia. São Paulo: Loyola, 2008.

SOUZA, Q. R.; QUANDT, C. O. Metodologia de Análise de Redes Sociais. In: DUARTE, F.; QUANDT, C. O.; SOUZA, Q. (org.). O Tempo das Redes. São Paulo: Perspectiva, 2008. p. 31-63.

TEUBNER, G. Direito, sistema e policontexturalidade. Piracicaba: Unimep, 2005.

ZAGZEBSKI, L. O que é conhecimento? São Paulo: Loyola, 2008.

Publicado
2020-07-15
Como Citar
Schurig, A. C. S. (2020). Pós-modernidade e as duas faces de Janus: o Cogito Digital e o Solipsismo diante da desconstrução da metafísica. Intuitio, 13(1), e34954. https://doi.org/10.15448/1983-4012.2020.1.34954
Seção
Artigos